1 de janeiro de 2018

100 Jogadores que podem marcar 2018 (1-50)


Então e essa ressaca? Ora bem, para aqueles que hoje ficam na cama ou no sofá mas cuja cabeça nunca se desliga do futebol, segue-se o nosso Top-50 de jogadores que podem marcar este ano.
    Como ontem dissemos, e tal como fizemos em 2015, 2016 e 2017, reunimos uma vez mais um conjunto de cem craques para os quais este ano pode ser marcante. Alguns destes jogadores podem muito bem passar a representar novo emblema, outros posicionam-se para serem destaques das competições em que estão presentes, outros poderão viver um ano de afirmação definitiva, e há ainda aqueles que, mais desconhecidos, devem deixar de sê-lo. Em ano de Mundial e com uma corrida tanto à Bota como à Bola de Ouro bastante equilibradas, estes são os 50 jogadores que podem marcar 2018 com maior intensidade:


1. Lionel Messi (Barcelona) - Em 2018, todos os olhos vão estar, uma vez mais, em Messi. O astro argentino tem carregado o Barcelona na Liga Espanhola, e se o Barça quiser superar Real Madrid/ PSG, Manchester City e Bayern, terá que entregar a bola ao seu 10, fechar os olhos e esperar que aconteça um milagre.
    Mas o principal ponto de interesse da carreira de Messi em 2018 acontece entre Junho e Julho na Rússia. Depois de perder a final do último Mundial para a Alemanha e duas finais da Copa América, ambas para o Chile, terá Messi a capacidade de se transcender e escrever o seu nome finalmente ao lado de Pelé e Maradona? Achamos difícil, mas Messi é Messi.

2. Neymar (PSG) - Viajou para Paris para sair da sombra de Messi, mas se por acaso o Real Madrid eliminar o PSG já nos oitavos-de-final da Champions, só a vitória no Mundial poderá permitir a Neymar conquistar a Bola de Ouro. É difícil imaginar um pódio da Ballon d'Or sem o craque brasileiro, e preparem-se para um super-Neymar na Rússia.

3. Kevin De Bruyne (Manchester City) - Será De Bruyne capaz de se intrometer na luta pela próxima Bola de Ouro? O belga está a ser o melhor da Premier League, é o craque nº 1 de uma equipa em que todos estão num nível surreal, e por isso KDB tem três desafios para 2018: 1) manter o nível em Inglaterra, 2) levar a sua equipa o mais longe possível na Champions, 3) aparecer em grande no Mundial, coexistindo com Hazard e brilhando os dois em simultâneo.

4. Cristiano Ronaldo (Real Madrid) - Eleito melhor jogador do mundo em 2017, o capitão português terá que voltar a ser fenomenal na fase final da Champions para estar na discussão da próxima Bola de Ouro. O número de golos está a baixar - e a influência de Ronaldo no jogo dos merengues é muito reduzida, quando não marca - e Portugal não parte na primeira linha de favoritos para o Mundial.

5. Harry Kane (Tottenham) - Máximo goleador no ano civil de 2017. Repetirá o feito em 2018? Harry Kane será garantidamente associado ao Real Madrid, mas não nos parece que saia de Inglaterra. Afinal, Kane persegue o recorde de Alan Shearer (260).

6. Gabriel Jesus (Manchester City) - Aqueles que o comparam com Ronaldo terão na Rússia a oportunidade de confirmar se Gabriel Jesus é ou não feito da mesma matéria que o Fenómeno. Acreditamos que, individualmente, faça um grande Mundial.

7. Alexis Sánchez (Arsenal) - Um caso em que não há muito a dizer. Pelo Arsenal não renovará, pelo que ou será vendido agora em Janeiro, ou sai a custo zero no Verão. Pode haver surpresa, mas o mais certo é tornar-se um novo ingrediente de luxo da constelação de Guardiola.

8. Edinson Cavani (PSG) - Kane, Lewandowski, Icardi podem conquistar a Bota de Ouro. Mas, se por acaso não for Messi o máximo goleador desta temporada, o mais certo é ser o uruguaio Cavani. Se calhar convinha começarmos a dar-lhe outro valor.

9. Coutinho (Liverpool) - Salta para Barcelona, ou fica para sempre em Liverpool? Onde quer que esteja, Coutinho (fica-lhe tão bem a braçadeira de capitão dos reds) vai espalhar bom futebol. Ah, e muita atenção àquilo que fará daqui a uns meses ao lado de Neymar e Gabriel Jesus.

10. David Silva (Manchester City) - 
Rapou o cabelo à Guardiola, e hoje é o líder em campo da equipa que melhor futebol pratica na Europa. De Bruyne, Salah e Kane são presenças quase certas no Top-6 de candidatos a MVP da época em Inglaterra, mas um bis do City é bem possível face à consistência e qualidade de Silva.
    Na Espanha de Lopetegui, será ele e Isco a criarem dores de cabeça constantes aos adversários.

11. Isco (Real Madrid) - Terminou 16-17 num nível soberbo, baixou entretanto, mas acreditamos que volte a encerrar esta época em grande. Dá sempre gosto ver o mágico Isco, e um bom Mundial da Espanha significará invariavelmente um bom mundial dele e do 10.º classificado.

12. Mohamed Salah (Liverpool) - A melhor contratação da Premier League em 17-18. Salah chegou e, considerando todas as competições, em 29 jogos pelo Liverpool marcou 23 golos. Ele que nunca tinha passado dos 19 na carreira. E ainda falta meia época. Salah será por certo um dos candidatos a Jogador do Ano da BPL, e na Rússia será ele+10 pelo Egipto. O antigo internacional egípcio, Mido, disse que não demoraria a chegar ao Real Madrid. Honestamente, já achámos mais difícil acontecer.

13. Antoine Griezmann (Atlético Madrid) - A vida de Griezmann em Madrid deve durar apenas até Maio. Segue-se depois o Mundial (conseguirá o 7 francês apresentar o rendimento que exibiu no Euro-2016?) e depois, muito provavelmente, um novo clube. Manchester United?

14. Mauro Icardi (Inter) - Apaixonado pelo seu Inter, é improvável que algum clube o consiga retirar de Milão. Icardi, um dos melhores avançados do mundo, é quem apostamos como principal favorito para ser o melhor marcador em Itália. Cabe a Sampaoli escolher entre ele, Agüero e Higuaín.

15. Kylian Mbappé (PSG) - Em 2017 marcou 33 golos e fez 22 assistências. Um lembrete: Mbappé tem 19 anos, feitos em Dezembro. Com a Ligue 1 quase no bolso, queremos ver sobretudo o nível de Mbappé na fase a eliminar da Champions (Real-PSG, logo para "matar" um dos favoritos) e no Mundial.

16. Leon Goretzka (Schalke 04) - Há quem diga que está destinado ao Bayern, ele que também já pode assinar por qualquer clube a custo zero. Foi juntamente com Werner o craque-mor da Taça das Confederações e é provável que surja ao lado de Kroos na Rússia'18. 

17. Eden Hazard (Chelsea) - Quando está esfomeado, há muito poucos jogadores acima dele na actualidade. A imprensa insiste no interesse do Real Madrid, mas o nosso maior interesse é ver até que ponto De Bruyne e Hazard conseguem fazer a Bélgica brilhar finalmente numa grande competição.

18. Gareth Bale (Real Madrid) - Lesões, tantas lesões. Fazemos votos para que 2018 seja um ano em que o galês se consiga apresentar a 100% em toda a linha. Perante a possibilidade do Real Madrid afinar o seu plantel, pode ser desta que Bale regressa a Inglaterra.

19. Christian Eriksen (Tottenham) - 20 golos e 28 assistências, foram estes os números de Eriksen ao longo de 2017. Confortável no Tottenham, e estranhamente ignorado pelos gigantes europeus na hora de investir, Eriksen terá que - tal como fez na qualificação - carregar praticamente sozinho a Dinamarca. No Mundial, é possível que os nórdicos durem até aos oitavos, caindo aos pés da Argentina.

20. Mesut Özil (Arsenal) - O contrato acaba em Junho. No Arsenal não há-de continuar e o mais certo é trocar de clube a custo zero e com um bruto prémio de assinatura no Verão. Mourinho sempre gostou dele...

21. Gonçalo Guedes (Valência) - Não há maior elogio do que, em Espanha, Guedes ter sido muitas vezes referido esta temporada como o principal destaque da liga a seguir a Messi. O Valência quer garanti-lo a todo o custo mas, continuando com o seu futebol explosivo, não é impossível que outro clube o roube. Com 21 anos, Gonçalo Guedes pode mostrar no Mundial que há esperança na selecção pós-Ronaldo.

22. Robert Lewandowski (Bayern Munique) - Não há nada de particularmente novo na forma como Lewandowski pode marcar o novo ano. Golos. É isso que esperamos dele. Indiscutivelmente um dos melhores pontas-de-lança do mundo, estará na sua veia goleadora a diferença entre o Bayern fazer ou não uma grande Champions, e entre a sua Polónia ser ou não uma das sensações do Mundial.

23. Leroy Sané (Manchester City) - O super extremo-esquerdo de Guardiola levará para o Mundial toda a confiança de uma época que tem tudo para variar entre muito boa e épica. Löw tem dado mais minutos a outros, mas se Sané continuar como tem estado no City, a coisa vai mudar.

24. Timo Werner (RB Leipzig) - Figura na Alemanha'18, potencial melhor jogador jovem (Mbappé e Gabriel Jesus partem na frente) do certame e a caminho de uma super transferência no próximo Verão. Timo Werner deve ser um dos nomes fortes de 2018.

25. Raheem Sterling (Manchester City) - Não o colocamos mais acima porque não temos grandes expectativas, para já e à priori, para o Mundial de Inglaterra. Não obstante, na primeira volta de 17-18, Sterling tornou-se tudo aquilo que Guardiola sonhara para ele. Até onde pode chegar? O novo ano está aqui para nos dizer.

26. Álvaro Morata (Chelsea) - Em sintonia perfeita com Hazard no Chelsea, e apoiado pela magia de Isco e David Silva ao serviço de Lopetegui. 2018 deve ter muitos golos de Morata.

27. Paul Pogba (Manchester United) - O United transfigura-se, para bem melhor, sempre que o tem em campo. O primeiro lugar da Premier League já vai longe, mas entre Champions e Mundial, Pogba tem vários momentos para mostrar se é ou não um dos melhores médios do mundo.

28. Nabil Fekir (Olympique Lyon) - Lacazette saiu, mas Fekir continua a brilhar jogo após jogo, bem apoiado por Depay, Mariano e cada vez mais pelo emergente Aouar. O PSG pode encomendar as faixas de campeão, mas Fekir pode ser fundamental para que o Lyon atire o Mónaco de Leonardo Jardim para a medalha de bronze.

29. Sergej Milinkovic-Savic (Lázio) - Immobile puxou para si todas as atenções com um início de Serie A espectacular, mas é o sérvio de 22 anos e 1,91m, Milinkovic-Savic, que está a fazer os clubes mais ricos perderem a cabeça. É um 8 perfeito e convém que o agarrem antes de valorizar no Mundial.

30. Dries Mertens (Nápoles) - Em Itália, nesta altura Icardi, Immobile, Dybala e Quagliarella têm mais golos do que o belga. Mertens fechou 2017 com 34 golos e 26 assistências, e uma eventual conquista da Serie A terá, a acontecer, muita responsabilidade sua.

31. Ederson (Manchester City) - Vamos simplificar: 2018 deve colocar em definitivo e para todo o mundo Ederson como um guardião Top-5 no mínimo. E atenção, quanto a nós estar Ederson ou não estar na baliza do Brasil modifica substancialmente as nossas expectativas para as aspirações da equipa de Tite.

32. Julian Draxler (PSG) - Ano de decisões para Draxler. Atirado para segundo plano pelo tridente Neymar-Cavani-Mbappé, o alemão merece procurar um novo clube no qual seja valorizado e possa assumir outro protagonismo. Na selecção alemã, terá que fazer pela vida. Sané, Özil, Müller, Draxler e Werner devem ser nomes a mais para o mesmo onze.

33. Mikel Oyarzabal (Real Sociedad) - É um mistério como é que o Barcelona tem fechado os olhos a um talento como Oyarzabal (que esta época, para cúmulo, começou a juntar estatísticas ao seu futebol sempre perfumado). A  Real Sociedad começa a ser pequena demais para um jogador que, noutro contexto, poderia estar inclusive a fazer-se a jogar com regularidade na selecção espanhola.

34. James Rodríguez (Bayern Munique) - A carreira de James Rodríguez de 2014 para cá foi bem diferente daquilo que projectávamos. Depois de ter sido - para nós - o melhor jogador do Mundial 2014, temos bastante curiosidade para ver se em 2018 agarra em definitivo a titularidade, tornando-se figura na Baviera, e se volta a entrar em "modo Mundial" carregando a sua Colômbia.

35. Naby Keita (RB Leipzig/ Liverpool) - Um dos principais reforços da Premier League 18-19 já está assegurado. O Liverpool poderá ter dificuldades em segurar Coutinho e Salah ao longo de 2018, mas pelo menos já garantiu um dos melhores box-to-box do futebol europeu.

36. Joshua Kimmich (Bayern Munique) - Subvalorizado pela generalidade dos amantes de futebol, Kimmich é mesmo o novo Lahm. Prefere jogar a médio-centro, mas como lateral-direito pode ser um dos melhores do mundo. E é nessa posição que pode brilhar numa Alemanha que parte como favorita na Rússia.

37. Lorenzo Insigne (Nápoles) - Torcemos, pelo incrível futebol de Sarri, para que o Nápoles retire a Juventus do seu crónico trono. Se o fizer, embora haja Mertens, Hamsik e outros craques, a magia do pequeno Insigne terá sido certamente peça-chave.

38. Virgil van Dijk (Southampton) - O Liverpool encontrou finalmente o central ideal para Klopp. Em forma, o holandês é porventura o melhor central em Inglaterra. Continuam a faltar afinações aos reds, mas van Dijk é rapaz para contagiar toda a defesa com a sua personalidade e raça. Quem fará dupla com ele? Lovren, Matip ou Klavan?

39. Anthony Martial (Manchester United) - Martial é um dos jókers mais fortes neste baralho de 100 jogadores. Tanto pode passar ao lado de 2018, como ser um dos craques com maior evolução. Certo é que tanto o Manchester United como a França ganharão em dar-lhe oportunidades, confiando e insistindo nele. Cabe-lhe retribuir.

40. Yacine Brahimi (Porto) - É mau sinal quando, no futebol português, Brahimi surge isoladíssimo como melhor driblador. Gelson Martins, Rúben Ribeiro, Corona, Allano ou Murilo também partem para cima dos defesas, mas nenhum apresenta a facilidade do argelino em criar desequilíbrios relevantes. Se subir o nível e brilhar diante do Liverpool, pode partir para outro futebol na segunda metade de 2018; até lá, como dissemos, é juntamente com Aboubakar e Danilo favorito da MVP da Liga NOS caso os dragões vençam a competição.

41. Bernardo Silva (Manchester City) - No City a tarefa é complicada dado o momento de Sterling e Sané, e o (justo) estatuto de intocáveis de David Silva e De Bruyne. Cabe a Bernardo aguardar, porque ao longo dos próximos anos tornar-se-á um indiscutível e evoluirá sem parar com Guardiola. Em 2018 há grande expectativa para o seu Mundial. Afinal, Ronaldo terá na Rússia dois talentos surreais prontos para deixar marca. Bernardo é um, o outro surge em 21º.

42. Jack Wilshere (Arsenal) - 2018 é o ano de ou vai ou racha para Wilshere. Tal como Özil e Alexis Sánchez, o médio inglês (26 anos celebrados hoje) termina contrato em Junho. Talento nunca lhe faltou, mas as lesões e a incapacidade de ser consistente têm-no afastado de ser tudo aquilo que em teoria poderia ser. Haverá algum treinador de um colosso europeu que sente que o pode salvar?

43. Nicolás Otamendi (Manchester City) - Que centralão tem sido Otamendi em 17-18! O argentino assumiu-se como patrão da defesa do City, evoluiu imenso na influência que consegue ter na primeira fase de construção (é o jogador com mais passes na Premier League, e impressiona a quantidade de vezes que passa a queimar sectores) e nesta altura parece difícil que não conste da equipa do ano da Premier em Maio.

44. Matthijs de Ligt (Ajax) - Aos 18 anos, de Ligt é o jovem central que integra todas as listas de recomendações dos olheiros dos grandes clubes. O Barcelona fazia bem em avançar por ele, o Bayern pode ver nele a preparação de um futuro a médio-prazo, e o Tottenham desenvolveu um gosto especial por recrutar centrais do Ajax.

45. César Azpilicueta (Chelsea) - Meio mundo ficou chocado quando Gary Neville disse há poucos anos que Azpilicueta era o jogador que melhor defendia na Premier League. Hoje, o comentário tem pouco de disparatado. Num Chelsea que está visivelmente abaixo da temporada passada (falta Matic, a intensidade de Diego Costa na frente, David Luiz foi marginalizado, e Kanté já só parece um jogador e não dois gémeos em simultâneo), Azpilicueta continua irrepreensível. Mais: a boa sintonia com Morata já o colocou com mais assistências do que na temporada transacta.

46. Danilo Pereira (Porto) - Monstro. O melhor jogador do Porto em 2016-17 manteve o nível, mas viu o colectivo à sua volta subir na sua totalidade de rendimento. Danilo Pereira é a alma deste Porto e um jogador que dá sempre tudo. Cabe ao 22 dos dragões levar Fernando Santos a repensar o dono da sua posição 6, na qual William parece partir em vantagem; e começa a parecer milagre os tubarões europeus, nomeadamente os ingleses, não perderem a cabeça por ele. Os adeptos do Porto e o futebol português agradecem.

47. Vinícius Júnior (Flamengo/ Real Madrid) - Numa jogada de antecipação, característica cada vez mais comum num Real Madrid que cedo percebeu o potencial de elementos como Asensio ou Ceballos, os merengues pagaram 45 milhões por aquele que acreditam ser o próximo Neymar. A dar os primeiros passos no futebol profissional, 2018 será um ano importante para Vinícius Jr. começar a demonstrar no Brasil o porquê de daqui a poucos anos poder ser ele a actuar na posição de CR7.

48. Jonas (Benfica) - Se defensivamente é questionável o que será do Benfica quando perder a voz de comando em campo que é Luisão, ofensivamente o que será deste Benfica sem Jonas?! O melhor jogador da actualidade em Portugal leva 18 golos em 15 jornadas, e tentará fixar uma nova melhor marca pessoal (o seu recorde foi 32 golos em 2015/ 16). Quase com 34 anos, as águias têm que começar a aprender a viver sem o seu maior abono de família, e se por acaso o Benfica arrecadar o inédito penta, Jonas terá que ser carregado em ombros.


49. Vincent Aboubakar (Porto) - Fechou 2017 com 23 golos em 26 jogos ao serviço do Porto. Pode ser difícil para os dragões segurarem o camaronês no Dragão daqui a uns meses, mas se o clube azul e branco conquistar o campeonato Aboubakar é, juntamente com Brahimi e Danilo, um dos principais candidatos a MVP da prova.

50. Emil Forsberg (RB Leipzig) - Se a Suécia está no Mundial, deve-o não só à sua resiliência defensiva e ao fracasso nas opções de Ventura para a sua Itália, mas também à qualidade do seu principal astro, Forsberg. Na Rússia, ofensivamente, será uma vez mais ele a tudo construir e a remar contra a maré; e com 26 anos este parece ser o momento de abraçar novo desafio. Ficava bem na Premier League.

51-100: 100 Jogadores que podem marcar 2018 (51-100)  

0 comentários:

Enviar um comentário