25 de março de 2017

Made in Alcochete: Os Próximos Talentos do Sporting

Primeiro águias, depois dragões, e esta análise especulativa termina com aquela que era até há poucos anos a melhor Academia de Formação em Portugal e uma referência mundial.
    O clube que lançou Figo, Cristiano Ronaldo, Quaresma e Nani, entre tantos outros nomes que aqui se poderiam acrescentar, passou de medalha de ouro a medalha de bronze na gestação de novos craques. Verdade seja dita, isso só se confirmará no decorrer dos próximos 5 anos (quando Benfica e Porto puderem abastecer a equipa principal com matéria-prima de qualidade ano após ano), mas não deixam de ser sintomas do futuro o domínio que o Benfica tem nas convocatórias para os vários escalões das Selecções jovens de Portugal, e a necessidade que o Sporting tem tido de apostar na prospecção de júniores trabalhados noutros clubes (ex: Pedro Marques, formado no Belenenses, ou Edu Pinheiro, que cresceu no Paços). 
    Antes de prosseguirmos, uma explicação. Cingimos estes artigos às camadas de formação dos 3 grandes, mas é importante que seja feito o elogio ao trabalho doutros clubes, focados em garantir a sua auto-sustentabilidade: Braga (também aqui se vê a vontade do clube em tornar-se o 4.º grande), Vit. Guimarães e Rio Ave têm desenvolvido um bom trabalho, juntando-se Paços Ferreira e a Sul clubes como o Belenenses e o Vit. Setúbal que, infelizmente, perdem muitas vezes os seus melhores valores para os grandes).
    Muitos dirão que Jorge Jesus não é o treinador certo para um clube tão habituado a polir os diamantes da casa, mas o problema pode estar acima do técnico português. Desde que Bruno de Carvalho é presidente (não se enganem, a "aposta na formação" foi um chavão apenas utilizado para ganhar votos na campanha) o clube verde-e-branco já contratou mais de 70 jogadores e, tão focado em ganhar já, no presente, fica evidente a menor aposta na Academia de Alcochete quando jovens pérolas como Moreto Cassamá e Romário Baró foram para o Dragão, destacando-se ainda a má gestão de elementos que poderiam ter dado muito ao clube como Bruma e Eric Dier.
    
    Ainda assim, é indiscutível que herdando jogadores da casa feitos como Rui Patrício, William e Adrien (e não esqueçamos quanto cresceu João Mário com JJ), Jesus fez explodir Gelson Martins (conseguirá Jesus fazer de Gelson Dala o seu próximo Gelson?) e potenciou o assinalável crescimento de Rúben Semedo. Palhinha e Podence parecem ser do agrado do treinador leonino, ao contrário de Geraldes (muito maior talento puro, mas já lá vamos) ou Iuri.
    Abaixo apresentamos 9 casos que podem ser sinónimo de sucesso, dois deles bastante mais maduros do que os restantes. Não se devem ignorar nomes como Bernardo Sousa, Tiago Gouveia, Tiago Rodrigues, Pedro Ferreira, Pedro Empis, Tiago Djaló e Miguel Luís, não sabendo nós o que acontecerá a Rafael Barbosa ou Bruno Paz, e acreditando que os números de Ronaldo Tavares se poderão esfumar quando o seu poderio físico for "igualado", perfilando-se no entanto como um elemento capaz de dar ao jogo o que Dost dá. Quanto a Bubacar Djaló, ainda lhe falta mostrar muito para justificar o sufixo "novo Pogba".
  • Francisco Geraldes: com apenas 4 minutos disputados (contra o Tondela, a 11 de Março, no jogo do póker de Bas Dost) pela equipa principal, faz muita confusão o tratamento que a Direcção/ equipa técnica têm dado a um dos criativos e cérebros mais entusiasmantes do futebol português.
        Depois de meia época excelente no Moreirense, tornando-se rapidamente em conjunto com Cauê um dos jogadores mais influentes da equipa de Moreira de Cónegos, o Sporting decidiu resgatá-lo em conjunto com Podence (não surge nesta lista por já estar a começar a ter minutos a sério). Travar a evolução de "Chico" Geraldes quando este estava a jogar fim-de-semana fim, fim-de-semana sim só fazia sentido para fazer dele, no mínimo, uma 1.ª alternativa a um titular. A história mostrou-nos algo diferente: sem que Jesus confie nele para "fazer de Adrien", acabou mais vezes ao serviço da equipa B, acabando desaproveitado na II Liga quando tem qualidade para ser já titular deste Sporting.
        Temos esperança, para o bem do Sporting e do futuro do jogador, que a teimosia de Jesus tenha fim. Com uma qualidade técnica, um QI futebolístico e uma noção 360º do jogo como poucos da sua idade, Francisco Geraldes tem tudo para começar a entrar na equipa do Sporting neste final da época, tornando-se opção regular em 2017-18. Seja a 8, seja como interior num dos flancos, ou num meio-campo de 3 homens.
  • Iuri Medeiros: Não se enquadra muito no perfil de jogadores que temos abordado um atleta já com 22 anos e que fará 23 em Julho. Mas, caramba, o que mais precisa Iuri Medeiros de fazer para fazer parte do plantel do Sporting?!
        Emprestado ao Arouca em 2014-15, Iuri tornou-se a figura da equipa. Em 2015-16, ele e Rafael Martins carregaram o Moreirense. Esta época, novo empréstimo, tornando-se já o principal abono de família do Boavista. Iuri Medeiros tem aproveitado sempre para crescer, juntando a isso números muito positivos (18 golos e 21 assistências em menos de duas épocas e meia). É importante que o Sporting segure Gelson Martins para a próxima temporada, mas é justo que o clube olhe para Iuri como o plano B a extremo direito. O rapaz merece e pode suprir uma lacuna dos leões - cobra cada vez melhor os livres directos.
  • Pedro Marques: este é dos que vai dar mesmo gosto quando começar a aparecer... Pode-se dizer que a vida de Pedro Marques, nessa altura ainda ao serviço do Belenenses, mudou quando fez um hat-trick contra o Benfica. O talento para marcar às águias é uma das particularidades do 54 dos leões, que já esta época voltou a marcar por 3 vezes aos júniores encarnados.
        Aos 18 anos, o jovem avançado do Sporting promete ser um caso sério, com uma veia goleadora indiscutível, a aptidão para marcar golos de belo efeito, e juntando a tudo isto um compromisso, um índice de trabalho e uma fome de sucesso em campo que nos levam a crer que a sua ascensão pode ser rápida.
        Já com minutos pela equipa B (8 jogos, 3 golos), integra com Zé Gomes e Rui Pedro o trio de avançados que os 3 grandes podem trabalhar nos próximos anos, e a obsessão de Jesus pelo seu 4-4-2 pode ajudar Pedro Marques, jogador que parece ter as características certas para jogar como 2.º avançado neste Sporting, um pouco ao jeito do que Diogo Jota poderia fazer se tivesse rumado a Alvalade em vez de viajar para a Invicta.
  • Diogo Brás: Com 17 anos, feitos já neste mês de Março, Diogo Brás é um prodígio que o Sporting descobriu bem cedo no Chaves, e que já chegou a fazer uma perninha pelo Real Madrid.
        Depois de marcar os seus primeiros anos de leão ao peito com o seu cabelo comprido, qual De Franceschi, tem sido particularmente interessante acompanhar a evolução de um jogador que promete encantar nas diagonais a partir do corredor esquerdo. Com muito golo nas chuteiras e um extraordinário reportório de recursos, pode ser mais um dos grandes extremos forjados em Alcochete, ele que já é por esta altura agenciado por Jorge Mendes. Parece destinado aos maiores palcos e a grandes momentos.
  • Daniel Bragança: João Palhinha já está a evoluir ao lado de William, Pedro Ferreira é um valor ao qual estaremos atentos, Bubacar Djaló tem a fama (exagerada?) no estrangeiro, mas se nos perguntarem qual é o médio defensivo leonino que mais nos entusiasma a resposta é simples: Daniel Bragança.
        Com 17 anos, um belo pé esquerdo, boa meia distância e perfil de capitão, o tempo ajudará a dizer se vai ser um 6 do género Rúben Neves, Pedro Rodrigues, ou mesmo um médio centro que progrida e "queime" linhas. Certo é que Daniel Bragança, longe para já de conseguir ser um limpa-pára-brisas estilo William (Palhinha tem muito mais esse perfil), tem potencial para ter uma influência na construção superior ao 14 leonino, ganhando pontos com a qualidade com que se incorpora no ataque da equipa. 
  • Matheus Pereira: O luso-brasileiro natural de Belo Horizonte é um caso clássico de um jogador ao qual não tem sido dado o patamar competitivo certo na altura apropriada. Ultimamente utilizado por Jorge Jesus na procura de "refrescar" o ataque, garantindo maior criatividade, isto depois de ter sido lançado às feras no baptismo de Soares (Porto 2-1 Sporting), é possível supor que Matheus poderia já estar a jogar na I Liga com outra rotação se tivesse sido esta temporada emprestado. Mais, quando o Sporting resgatou os dois Geraldes, Podence e Gauld, confiar Matheus Pereira a Vit. Setúbal ou Moreirense teria sido bom para todas as partes envolvidas.
        Os minutos que JJ tem dado a este português que sabe sambar podem querer dizer que o treinador pretende contar com ele em 2017-18. Senão, caso o clube o empreste na próxima época, 2016-17 vai ser difícil de explicar. PS.: esperemos que escolha representar Portugal.
  • Pedro Silva: o herdeiro legítimo de Rui Patrício só parece ter nesta fase um problema... Rui Patrício. Preparado para ser um dos próximos bons guarda-redes do futebol português, o guardião habitual do Sporting B precisa de continuar a evoluir e, tendo 20 anos, deve ver a sua situação a ser gerida de forma inteligente pelo clube. Rui Patrício tem 29 anos e a cada época que passa parece mais provável que faça toda a sua carreira no clube, e por isso o mais recomendável deverá ser o Sporting emprestar Pedro Silva em 2017-18, dando-lhe os estímulos certos para que a médio-prazo seja o nº 2 de Patrício. Júlio César também parecia intocável até Ederson ter uma oportunidade, por isso... no futebol nunca se sabe.

1 comentários:

  1. "....mas não deixam de ser sintomas do futuro o domínio que o Benfica tem nas convocatórias para os vários escalões das Selecções jovens de Portugal,..." ., pois tem mas não é pelo que são, será por outras razões certamente!! por isso não vão ao Europeu de sub 17

    ResponderEliminar