Revisão: Legion

Legion é uma amálgama difícil de descrever, uma trip psicadélica multi-género, visualmente cativante e revolucionária. Noah Hawley, o homem que não deve dormir, guia-nos num novelo que se desenrola com um bom gosto incrível e faz Brilhar Aubrey Plaza e Dan Stevens, numa série capaz de voar sobre um ninho de cucos.

Óscares Barba Por Fazer 2017

A equipa do BPF elegeu os melhores do ano. Nos nossos Óscares há justiça para 'Nocturnal Animals', 'I, Daniel Blake', Mackenzie Davis, Aaron Taylor-Johnson, Rebeca Hall ou Amy Adams, e muitos elogios para Damien Chazelle e Casey Affleck

E os Óscares 2017 foram para...

Numa noite em que La La Land ganhou 6 óscares, o último e mais importante foi para Moonlight com golpe de teatro pelo meio. Damien Chazelle, Casey Affleck, Emma Stone, Mahershala Ali e Viola Davis não esquecerão este ano

Crítica: Moonlight

Eleito Melhor Filme pela Academia, Moonlight consegue, com uma beleza rara, um trabalho de câmara e um elenco extraordinário, colocar no ecrã o tempo que demoramos a descobrir que somos, e a aceitar e abraçar isso mesmo. O filme de Barry Jenkins é uma peça universal, humana e poética, fragmentada em 3 partes (criança, adolescente e adulto).

Balanço Liga NOS 16/ 17

Um Benfica de luxo à procura do inédito tetra, um Porto que defende como ninguém mas ao qual faltam golos e um Sporting em crise. Esta é a nossa análise a meio de um campeonato com o Minho em força e Chaves a surpreender

28 de abril de 2017

Crítica: Get Out

Realizador: Jordan Peele
Argumento: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Catherine Keener, Bradley Whitford, Lakeith Stanfield, Caleb Landry Jones, LiRel Howery 
Classificação IMDb: 8.1 | Metascore: 84 | RottenTomatoes: 99%
Classificação Barba Por Fazer: 80


    Muito bem Jordan Peele, que bela estreia a realizar.
    É natural, por se afastar da colagem que fazemos imediatamente de Peele à comédia, a surpresa de ver uma das metades de Key and Peele (para além da série da Comedy Central, entraram também na primeira temporada de Fargo juntos e talvez se lembrem de algumas Epic Rap Battles of History entre eles) lançar-se a solo atrás da câmara... num filme de terror. Depois de tanto sucesso ao lado do grande amigo Keegan-Michael Key, Peele fez tudo aquilo que se deve fazer num filme de terror psicológico. Bem, não fez tudo, porque não seguiu uma receita convencional; ousou ter a sua Voz bem presente num filme de terror. Coisa rara. Mais, Jordan Peele conseguiu com Get Out, com humor e sátira à mistura, produzir uma obra sem tabus e que, pela forma como está escrita, com uma brutal atenção ao detalhe e uma relevância gritante nos EUA (em especial) e no mundo, passa a sua mensagem numa hipérbole bizarra que nos mantém agarrados à cadeira.
    No centro de tudo, Chris (Daniel Kaluuya), um afro-americano que vai finalmente conhecer os pais da namorada, Rose (Allison Williams). A mansão dos Armitage torna-se rapidamente tão desconfortável e desconcertante para Chris como para nós, espectadores, tudo graças ao tom ambíguo dos pais - reforçado, mais tarde, pela chegada do irmão de Rose - que vão petrificando Chris, cada vez mais incomodado e desconfiado de tudo e todos à sua volta.
    A parada sobe quando a preocupação postiça, a curiosidade e o racismo em versão inveja pejam uma festa liberal e desumana, carregada de pessoas "que teriam votado em Obama pela terceira vez".
    Com Daniel Kaluuya (quem não o viu a brilhar num episódio de Black Mirror tem que ir já a correr fazê-lo) a ter o destaque como protagonista de uma longa-metragem que já merecia, Get Out conta ainda com outros membros do elenco a incorporarem na perfeição a vibe que Peele quis dar: Catherine Keener transforma-se neste papel, Bradley Whitford é o rosto da sua classe, Caleb Landry Jones revela potencial para outras coisas e em relação a Lakeith Stanfield esta é apenas a confirmação que ele sabe orbitar os projectos certos. Desde Short Term 12 a isto, passando claro está por Atlanta.

    Com estreia em Portugal marcada para a próxima quinta-feira, 4 de Maio, Get Out é uma hipnose a uma sociedade que já deveria ter acordado há muito tempo. Faz rir. Intriga. E faz pensar. Num tema em que seria bom já não termos de pensar. Pelo meio, e sem estragar o filme, há revelações inesperadas (talvez tenhamos criado expectativas demasiado altas, e por isso esperávamos mais contra-curvas), um plano com origem numa derrota aos pés de Jesse Owens, e talvez fosse melhor Peele ter terminado o filme com o final que estava inicialmente escrito. Pelo menos, era o fim que pensámos a dado momento que Get Out iria ter, e talvez tornasse o filme mais difícil de digerir. E, nesse sentido, mais marcante.

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 35

Ultrapassada a (longa) jornada 34, e antes de nos perdermos nos múltiplos jogos das double gameweeks 36 e 37 (Arsenal e Southampton jogam a dobrar em ambas, tendo na 37.ª a companhia de Chelsea, Man City, Man United, Tottenham, WBA, Watford, Leicester e Sunderland), chega-nos uma das jornadas mais importantes na luta pelo título.
    O próximo Domingo promete ser entusiasmante, com 2 testes de fogo para os dois únicos candidatos - Chelsea e Tottenham. Os principais favoritos viajam a Goodison Park, tendo goleado o Everton por 5-0 na primeira volta, e encontrarão em Lukaku e companhia o maior obstáculo até ao final da época. Uma vitória deixará a equipa de Antonio Conte bem mais perto de se sagrar campeã, mas uma derrota ou empate (com subsequente aproveitamento do Tottenham para encurtar distâncias) pode activar uma pressão inesperada para os blues e aumentar o índice de dificuldade de, por exemplo, uma deslocação ao West Brom. Seja como for, independentemente do desfecho do Everton-Chelsea, teremos depois um escaldante derby do Norte de Londres, com o Tottenham a receber o seu grande rival Arsenal. Os spurs atravessam um grande momento, mas os adeptos dos gunners não se importarão certamente que a sua equipa seja aquela que castra as aspirações ao título da turma de Pochettino.

    Para quem ainda tem Wildcard, a melhor utilização dessa "cartada" é a próxima jornada (36), reunindo um elenco promissor para a 37. Para quem já não o tem, importa que a gestão de transferências seja feita a pensar em retirar o maior aproveitamento possível das equipas que jogam a dobrar na 37, cruzando essa variável com o momento de forma dos jogadores, das suas equipas e a dificuldade dos jogos em que estarão envolvidos. Há várias questões que importa ver respondidas em campo, e devem procurar tirar conclusões do rendimento de Agüero vs Gabriel Jesus, da capacidade de Diego Costa em manter o nível que apresentou contra o Southampton, e mesmo relativamente a Gabbiadini, interessa verificar se consegue "regressar" contra o Hull, recuperando a veia goleadora que marcou os seus primeiros tempos em Inglaterra.
    Numa jornada em que Manchester United, Middlesbrough e Crystal Palace jogaram a dobrar, Martial e De Gea (ambos 17 pontos) foram os principais destaques. As duas clean sheets dos red devils ajudaram Darmian, Bailly e Blind a surgirem também no 11 da jornada do Fantasy, incluindo-se ainda como destaques Benteke, Pugh, Diego Costa e Charlie Daniels.
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


Estas são as nossas apostas para a 35.ª jornada:

Christian Eriksen - Tottenham - 8.8
    Eriksen adora jogar em White Hart Lane. Esse velho ditado, relativo ao dinamarquês que esta temporada já por 10 vezes alcançar pontuações iguais ou superiores a 10 pontos por jornada, não deixou de ser verdade, mas as recentes exibições contra Swansea e Crystal Palace ajudaram a demonstrar que o 23 do Tottenham é cada vez mais um jogador para fazer a diferença em qualquer campo.
    Com um total de 193 pontos (o seu recorde individual era de 178 pts, na época passada), mantemos a nossa tese de que o trio Kane-Alli-Eriksen é para manter nos vossos plantéis. Os spurs de Pochettino coleccionam oportunidades, têm vários jogadores muito confiantes, e nem mesmo o facto de receberem Arsenal e Manchester United no conjunto das próximas 3 jornadas nos desmotiva em relação ao potencial deste trio, claramente de pedra e cal no 11 ao contrário de Son Heung-Min.
    Com +47 de diferença de golos, o Tottenham está a 1 golo do melhor ataque (Liverpool, com 70 golos, mas um jogo a mais do que Tottenham e Chelsea, que marcaram 69 até aqui) e é a melhor defesa com apenas 22 golos sofridos (o Manchester United sofreu 24, o Chelsea sofreu 29). As apenas 3 derrotas em 33 jogos - registo que o United de Mourinho também tem - são um indicador preciso de quão difícil é derrotar esta equipa de Pochettino. Seja em 4-2-3-1 ou em 3-4-2-1, parece-nos que o Tottenham pode causar muitas dificuldades ao Arsenal de Wenger. Kane costuma fazer estragos, mas Eriksen e Alli também os poderão fazer.


Anthony Martial - Manchester United - 9.2
    Longe vão os tempos em que José Mourinho sugava toda a pressão dos seus jogadores para si próprio, deixando a gestão de plantel e os mind games com os seus atletas guardados no sagrado balneário.
    Desde Madrid que o Special One não é o mesmo, mas ainda assim - claro que não nos podemos esquecer do brutal investimento realizado no Verão passado, que teoricamente obrigava o United a ser campeão - há coisas positivas nesta época do clube de Old Trafford. Desde logo, vencer a Liga Europa ainda é uma possibilidade; depois, é de saudar o registo defensivo (24 golos sofridos, e apenas 3 derrotas, embora tenha por exemplo mais 10 empates do que o líder Chelsea) e também o facto de Mourinho não ter congelado a evolução de elementos como Rashford e Lingard.
    O que nos leva a Martial, um dos destaques da jornada 34 com um total de 17 pontos. O extremo francês, ainda com 21 anos, precisa de estar em campo e evoluir lado a lado com outros craques, podendo ser uma peça importante de 2017-18. Para já, diante do Swansea terá nova oportunidade de mostrar todo o seu potencial. É que até há não muito tempo, Martial era a coqueluche do futebol francês. Entretanto, o explosivo Anthony estagnou, e "surgiram" Mbappé e Ousmane Dembélé. Craques.


Maya Yoshida - Southampton - 4.4
    O Southampton de Puel não vive propriamente um grande momento. Nos últimos dois jogos, 7 golos sofridos, embora o facto de Manchester City e Chelsea terem sido os adversários atenue a coisa. Antes disso, a defesa dos saints atravessou um bom período entre as jornadas 30 e 32, com o nipónico Yoshida a totalizar 7, 11 e 9 pontos em três jornadas consecutivas.
    Ora bem, embora achemos que o Hull de Marco Silva - por precisar muito mais de pontos nesta fase do que o Southampton - pode pontuar no St. Mary's, convém começarem a reforçar as vossas equipas com elementos dos saints. Depois de receber o Hull em casa, o Southampton joga por 4 vezes no espaço das jornadas 36 e 37 e, embora tenha jogos difíceis (a sequência é Liverpool fora, Arsenal casa, Middlesbrough fora, United casa), ter defesas baratos do Southampton pode ser uma jogada inteligente na gestão destas jornadas finais.
    Bertrand é o melhor defesa disponível da equipa (isto porque o super Van Dijk já não deve regressar esta época), Cáceres não entrou ainda nas contas, e por isso são os económicos Yoshida e Stephens as opções mais tentadoras. Especial atenção para o japonês, o jogador referência de muitas bolas paradas de James Ward-Prowse.


Charlie Daniels - Bournemouth - 5.2
    É evidente para qualquer adepto da Premier League que Joshua King é o jogador-chave deste Bournemouth, e um dos melhores negócios desta temporada no jogo virtual. Não obstante, e até porque falámos do norueguês na ronda passada, importa falar sobre o lateral-esquerdo, Charlie Daniels.
    Depois de uns fantásticos 14 pontos na recepção ao Middlesbrough, o lateral da equipa de Eddie Howe colou-se a McAuley como 6.º defesa com mais pontos deste Fantasy (123). Apenas com o trio do Chelsea - Alonso, Cahill e Azpilicueta -, Kyle Walker e o lesionado Coleman à sua frente, é apenas uma questão de tempo até que Daniels figure, no mínimo, entre o Top-5 desta época.
    5.2 fazem de Daniels uma opção interessante e com um preço relativamente competitivo (basta ver que entre Azpi, Walker, Cahill e Marcos Alonso ninguém custa menos do que 6.4), e o calendário promete bons ventos para o esquerdino. O Bournemouth viaja neste fim-de-semana ao estádio do "lanterna vermelha" Sunderland, e nas próximas duas recebe Stoke e Burnley.
    É certo que os cherries são uma das equipas que não tem jornadas duplas, mas Joshua King parece-nos poder fazer mais numa jornada do que muitos jogadores em duas, e Daniels é outro elemento para terem em consideração.


Marko Arnautovic - Stoke City - 7.1
    O actual 11.º lugar do Stoke corresponde sensivelmente às expectativas de início de época. A equipa de Mark Hughes merece o meio da tabela, flutuando entre bons períodos e outros menos bons, sem nunca se intrometer entre os destaques da época, mas sem surgir igualmente entre os aflitos ou quase-aflitos.
    Esta imprevisibilidade e incapacidade de dar o salto para outro patamar, capaz de fazer a equipa lutar por uma posição alguns lugares acima, ganha corpo quando se olha para os 2 principais craques da equipa - Arnautovic e Shaqiri.
    Acertar numa boa jornada do austríaco e do suiço é... complicado. Pessoalmente, temos o feeling de que este Stoke-West Ham pode ser um bom jogo para esta dupla, sobretudo para Arnautovic. No entanto, depois de 165 pontos em 2015-16 pode-se falar em regressão no caso do irregular austríaco. Actualmente com 6 golos e 4 assistências, certamente que se quererá aproximar dos 11 golos e 6 assistências da temporada anterior.



Outras Opções:
- Guarda-Redes: Heaton ainda é o líder entre os guarda-redes, com 138 pontos, mas David De Gea (5.4) aproxima-se a cada jornada que passa. Os 17 pontos do espanhol na jornada 34 ajudaram e muito a encurtar distâncias e nesta fase não nos surpreende se o guardião, alvo do Real Madrid para 17-18, terminar a época como GR nº1 no Fantasy.
    Wayne Hennessey (4.3) e Willy Caballero (4.7), este último a sair beneficiado pela lesão de Bravo, são opções mais em conta, querendo nós acompanhar a progressão de Jack Butland (4.5) agora que está de volta. O guarda-redes inglês, um dos melhores da Premier League, pode ser um activo interessante, mas apenas para a próxima temporada.

- Defesas: Já falámos acima de Yoshida e Charlie Daniels, e entre os defesas do United o italiano Matteo Darmian (5.0) é o nosso eleito. Desde que o ex-Torino se fixou na defesa dos red devils, a equipa conseguiu 4 jogos consecutivos sem sofrer qualquer golo.
    De resto, Bertrand galgará terreno diante do Hull, a ausência de Sakho no coração da defesa do Palace poderá ser sentida, e Vincent Kompany (5.9) é bastante caro, mas é indiscutível quão melhor poderia ser o desempenho defensivo do City caso o seu capitão e patrão da defesa estivesse sempre disponível.

- Médios: Numa jornada que pode não ser pêra doce para craques como Alexis Sánchez e Eden Hazard (10.4), embora ambos se sintam como peixe na água nestes jogos cabeça-de-cartaz, para além de Eriksen há ainda Dele Alli (9.2) pronto para castigar o Arsenal com a sua qualidade técnica e aproximação à área.
    Joshua King (6.1) pode continuar a deliciar quem o tem, Zaha e Townsend têm diante do Burnley uma oportunidade para se redimirem e compensarem quem apostou neles na jornada 34, e depois menos certo é o rendimento de elementos como Tadic, De Bruyne, Son ou Philippe Coutinho.

- Avançados: Harry Kane (11.6) costuma marcar ao Arsenal, Christian Benteke (7.4) tem estado em grande - embora vá defrontar uma equipa que se sente confortável quando os adversários apostam forte no jogo directo - e Manolo Gabbiadini (6.4) tem nesta jornada a chance de nos convencer a todos que merece ser um dos nossos 3 avançados nas duas jornadas seguintes.
    Defoe, Vardy e Rashford são nomes que não se devem ignorar, importando depois ver como Guardiola gere Agüero e Gabriel Jesus, numa jornada em que todos os caminhos vão dar a Lukaku versus Diego Costa. O belga, melhor marcador da competição, é falado como potencial reforço do Chelsea para 2017-18 e, tendo brilhado ultimamente quando os jogos são em Goodison Park, pode ser uma dor de cabeça para a defesa de Antonio Conte.



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): De Gea; Darmian, Yoshida, Daniels; Zaha, Alli, Eriksen, King, Arnautovic; Benteke, Kane

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Southampton v Hull City  - Manolo Gabbiadini; Maya Yoshida
Stoke v West Ham - Marko Arnautovic; Xherdan Shaqiri
Sunderland v Bournemouth - Joshua King; Charlie Daniels
West Brom v Leicester City - Jamie Vardy; Craig Dawson
Crystal Palace v Burnley - Christian Benteke; Yohan Cabaye
Manchester United v Swansea - David De Gea; Anthony Martial
Everton v Chelsea - Romelu Lukaku; Eden Hazard
Middlesbrough v Manchester City - Kun Agüero; Vincent Kompany
Tottenham v Arsenal  - Harry Kane; Christian Eriksen
Watford v Liverpool - Philippe Coutinho; Troy Deeney

21 de abril de 2017

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 34

É esta, e mais quatro. Só.
    A Premier League, e o seu Fantasy 16/ 17, caminham para o final, e esta jornada 34 é uma das 3 double gameweeks no conjunto das 5 rondas finais. Todas as forças terão que estar concentradas na jornada 37 (15 jogos, 5 a mais do que o habitual portanto), enquanto que nesta jornada e na 36 joga-se um jogo a mais - nesta, Manchester United, Crystal Palace e Middlesbrough são as equipas que jogam a dobrar, com o WBA a não ter qualquer jogo para disputar, enquanto que na jornada 36 serão Arsenal e Southampton as equipas em dupla tarefa. Já as jornadas 35 e 38 serão normais.
    Verdade seja dita, enquanto que na jornada 37 há jogadores com 2 jogos para todos os gostos, desta vez não se passa exactamente o mesmo. Os jogos do Manchester United são difíceis (Burnley e Manchester City, ambos fora), os do Crystal Palace a mesma coisa (Liverpool fora, Tottenham em casa) e o Middlesbrough, embora sedento de pontos, não é propriamente uma equipa fiável. A mesma coisa acontecerá na jornada 36 - o Arsenal joga com o United, o Southampton joga com o Liverpool, e depois gunners e saints medem forças.

    Tão perto do fim da época, o título de campeão ganhou nova emoção. O Chelsea, que há poucas semanas perdeu em casa com o Crystal Palace, foi derrotado em Old Trafford por 2-0, e a equipa de Mourinho deu nova esperança ao Tottenham de Pochettino, que já só está a 4 pontos de distância. Os spurs ganharam os últimos 7 jogos da Premier - os dois últimos por 4-0 em White Hart Lane - e prometem não desarmar até ao fim, esperando novo deslize dos líderes. O calendário é teoricamente mais fácil para o Chelsea, que mesmo assim ainda terá que passar nos redutos de Everton e West Brom, mas o momento e a fome do Tottenham, equipa que melhor futebol pratica em solo inglês, pode transpor os diversos obstáculos que se aproximam: Crystal Palace (fora), Arsenal (casa), West Ham (fora), Manchester United (casa) e Leicester (fora) são testes complicados, mas os rapazes de Pochettino, contagiados pelo regresso de Harry Kane, são meninos para limpar esta sequência saindo quase imaculados.

    Entretanto, a PFA anunciou o 11 do Ano - De Gea; Walker, David Luiz, Cahill, Rose; Kanté, Alli, Mané, Hazard; Lukaku e Kane - ficando de fora nomes como Heaton, Alderweireld, Marcos Alonso, Alexis Sánchez, Diego Costa e Ibrahimovic. A seu tempo anunciaremos o nosso 11 nos já habituais Prémios BPF.
    Graças às meias-finais da FA Cup (Chelsea-Tottenham, Arsenal-Manchester City) teremos esta jornada 34 a decorrer desde Sábado até à próxima quinta-feira, destacando-se o derby de Manchester a fechar a jornada. Os jogos que envolvem o Crystal Palace também prometem ser interessantes, bem como o Arsenal-Leicester.
    Recuperando os números da jornada anterior, Kompany (14 pts) foi quem mais pontuou, destacando-se também Ander Herrera, Shaqiri, Kane, De Bruyne, Firmino, Arnautovic e Jagielka (3 jornadas consecutivas a marcar para o central inglês).
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


Estas são as nossas apostas para a 34.ª jornada. Desta vez, excepcionalmente apenas quatro:

Christian Benteke - Crystal Palace - 7.2
    Benteke é avançado de equipa média ou pequena em Inglaterra. E não tem mal nenhum. Incapaz de se impor no Liverpool, depois de atormentar defesas ao serviço do Aston Villa, é no Palace que Benteke reencontrou finalmente o seu futebol.
    Orientado e praticamente salvo por Sam Allardyce, o Crystal Palace atravessa um excelente momento (só perdeu por uma vez nos últimos 7 jogos) e por isso mesmo será um adversário curioso para Liverpool e Tottenham.
    Com dois jogos nesta jornada, ter Benteke no trio de ataque e ter uma das asas (Zaha ou Townsend) tem potencial, mesmo considerando que Cabaye marcou nos últimos 2 jogos.
    Os números dizem muito, e basta ver que no Fantasy Agüero e Vardy (momento de forma = 7,8) são os únicos jogadores acima de Benteke, que surge em termos de momento em pé de igualdade com Lukaku.
    Com Zaha e Townsend inspirados, e focados em ludibriar as defesas dos actuais 2.º e 3.º classificados, Benteke pode ser o principal beneficiado. E há ainda o bónus de também ser uma boa opção para a jornada seguinte, quando o Palace recebe o Burnley.


Son Heung-Min - Tottenham - 7.3
    É o jogador em melhor forma no momento no Fantasy. O sul-coreano preferido de Pochettino leva 4 jogos seguidos a marcar, com 42 pontos nesse período, e terá facilitado a decisão ao técnico argentino em regressar a um 4-2-3-1 ao invés de privilegiar uma estrutura com 3 centrais, uma vez que é condição sine qua non ter nesta fase Alli, Eriksen e Son no apoio a Kane.
    Os spurs, a única equipa que ainda preserva alguma esperança relativamente ao título (o Tottenham não vence o troféu máximo em Inglaterra desde 1960-61), tem no fim-de-semana um confronto de titãs em Wembley precisamente contra o Chelsea, rumo à final da Taça. Depois, voltará o chip do campeonato, numa deslocação ao terreno do Crystal Palace.
    Para nós até é simples. Dado o momento (confiança, dinâmica, entrosamento, intensidade) que a equipa vive, mesmo com um calendário com alguns jogos difíceis, o melhor é mesmo terem Kane entre os vossos 3 avançados, e 2 médios do Tottenham. Embora Eriksen possa passar os 10 pontos em mais do que uma das próximas jornadas, Alli e Son são as prioridades actualmente. Quem diria no começo da época que Son Heung-Min teria 144 pontos com 6 jogos por disputar?


Joshua King - Bournemouth - 6.0
    Sem dúvidas, um dos jogadores que mais cresceu e surpreendeu nesta temporada.
    O norueguês do Bournemouth, a realizar uma extraordinária segunda volta, já chegou aos 145 pontos e marcou 10 golos nos últimos 12 jogos.
    Embora seja um daqueles jogadores que não terá qualquer jornada dupla, tem um calendário muito interessante pela frente.
    Middlesbrough (casa), Sunderland (fora), Stoke (casa) e Burnley (casa) levam-nos a crer que King continuará a ser o rei de Bournemouth, podendo aproveitar esses 3 jogos caseiros nos próximos 4 para chegar a uma meta à partida impensável como 170-180 pontos.



Ben Gibson - Middlesbrough - 5.0
    Sim, convém ter um defesa do Middlesbrough, das 3 equipas com jornada dupla aquela que tem melhores odds de conseguir uma clean sheet. Embora nos últimos tempos o actual 19.º classificado só saiba perder e empatar, estes 2 jogos contra Bournemouth e Sunderland são o momento crítico da temporada. Pessoalmente, não acreditamos que o Middlesbrough se salve, mas conseguir algo como 4 pontos em 6 possíveis poderia acordar a equipa. De qualquer forma, é preciso ter em conta que nas últimas jornadas o Boro joga com City, Chelsea, Southampton e Liverpool...
    Para já, é difícil que a equipa saia de Bournemouth com a vitória, mas é legítimo pensar que Gibson e companhia podem não sofrer golos diante do Sunderland. Os black cats, cada vez mais certos no Championship, podem no entanto jogar nesse embate a sua honra e procurar fugir à vergonha de ser o último.
    Com Fábio em dúvida, Valdés a só dever ser titular num dos 2 jogos e Friend (em plenas condições, a melhor opção de todas) acabado de voltar de uma lesão, é indiscutível que o central Ben Gibson é a prioridade defensiva nesta equipa. No plantel, só Negredo conseguiu mais pontos de Bónus do que o central inglês, e o facto de ter 2880 minutos é a prova de que está de pedra e cal no onze. Na Premier, só Fabianski, Foster, Cook, Mee, Keane e McAuley têm mais minutos do que ele.
 


Outras Opções:
- Guarda-Redes: Infeliz e provavelmente, Guzan e Valdés devem jogar um jogo cada um na dupla jornada do Middlesbrough. David De Gea (5.4), guarda-redes escolhido para o 11 do Ano da Associação Profissional de Futebolistas, joga fora por duas ocasiões mas pode conseguir pelo menos uma clean sheet. O espanhol medirá forças à distância com Heaton num jogo que teoricamente deve ter poucos golos, e terá depois uma missão bem complicada e muito trabalho no derby de Manchester.
    Entre os mortais com apenas 1 jogo, Jakupovic, Fabianski e Courtois são opções. Já relativamente a Hennessey, achamos preferível arriscar no ataque do Palace do que numa defesa que terá pela frente Liverpool e Tottenham. Honestamente, até atribuímos ao Palace maiores chances de surpreender em Anfield do que na recepção ao Tottenham.

- Defesas: Já falámos de Ben Gibson, e talvez seja sensato começarem a olhar para o momento de forma de Jagielka. Eric Bailly (5.4) e os defesas do Hull Andrea Ranocchia (4.5) e Andrew Robertson (4.4) parecem ser opções relativamente promissoras.
    A dupla Keane-Mee vai complicar e muito a vida ao United, jogadores como Baines, Friend e Darmian são colegas de equipa e alternativas a alguns dos elementos referidos acima; e não descuramos figuras como Martin Olsson, Alonso e Mustafi.

- Médios: Joshua King e Son Heung-Min são claramente candidatos a continuarem nos vossos onzes ou serem novas contratações, e do Crystal Palace, Wilfried Zaha (6.0) tem para nós ligeira vantagem sobre Andros Townsend (5.8). O extremo inglês até é mais barato e conseguiu melhores pontuações recentemente, mas o costa-marfinense costuma ter um gostinho especial pelos jogos grandes, e pode muito bem entrar em campo contra Liverpool e Tottenham a pensar no salto que quer dar.
    Dele Alli (9.2), tal como Son e Eriksen, não pára de pontuar (a sequência do jovem inglês é 8-12-7-6-12-8-6) e grandes nomes como Alexis Sánchez (11.5) e Eden Hazard (10.4) podem também brilhar.
    Do Liverpool, Firmino e Coutinho são os alvos, a par de outros craques como Sigurdsson, Ayew e De Bruyne. Mesut Özil (9.4) e Adama Traoré podem ser diferenciais interessantes. Mas arriscados, o segundo bem mais do que o primeiro.

- Avançados: Ibrahimovic lesionou-se, Benteke têm a vantagem e o factor "2 jogos", e há ainda Negredo. Entre os jogadores com 1 jogo apenas Harry Kane (11.5) destaca-se de todos os outros. Ir a jogo com Ibra-Benteke-Kane parecia ser a opção mais segura, mas com a lesão do sueco torna-se primordial ter Romelu Lukaku (10.5) ou Kun Agüero (12.8). O argentino, no entanto, só se tornará realmente interessante nas jornadas 36 e 37.



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-4-3): De Gea; Ranocchia, Gibson, Bailly; Sánchez, Zaha, Alli, King; Lukaku, Benteke, Kane

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Bournemouth v Middlesbrough  - Joshua King; Benik Afobe
Hull City v Watford - Andrea Ranocchia; Andrew Robertson
Swansea v Stoke - Gylfi Sigurdsson; Peter Crouch
West Ham v Everton - Romelu Lukaku; André Ayew
Burnley v Manchester United - Tom Heaton; Eric Bailly
Liverpool v Crystal Palace - Roberto Firmino; Wilfried Zaha
Chelsea v Southampton - Eden Hazard; Manolo Gabbiadini
Arsenal v Leicester City - Alexis Sánchez; Mesut Özil
Middlesbrough v Sunderland  - Ben Gibson; Adama Traoré
Crystal Palace v Tottenham - Harry Kane; Christian Benteke
Manchester City v Manchester United - Kun Agüero; Kevin De Bruyne

14 de abril de 2017

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 33

Pára tudo, que as double gameweeks finais já foram anunciadas. Para além da jornada dupla (34) que se aproxima para Manchester United, Crystal Palace e Middlesbrough, o Southampton-Arsenal jogar-se-á na 36, querendo isso dizer que saints e gunners jogam 4 vezes em duas jornadas consecutivas. Tudo isto porque a penúltima jornada da época (37), ideal para apostar tudo no Bench Boost, terá nada mais nada menos do que 15 jogos. Um fartote.
    Urge - sobretudo para quem já não tem Wildcard - gerir o plantel com vista a retirar máximo rendimento num conjunto de jornadas-chave da época.
    Para já, temos a jornada 33. Com início no Sábado, continuidade na Páscoa e término na noite de segunda-feira. Mourinho recebe o Chelsea na caminhada dos blues rumo ao título, City e Liverpool têm deslocações complicadas, enquanto que o Tottenham, que ultimamente só sabe ganhar (juntando às vitórias excelente futebol e muitos golos), pode continuar a fazê-lo diante do Bournemouth.
    Relativamente à cauda da tabela, há vários jogos que terão impacto nessas contas - o Hull de Marco Silva visita o Stoke, enquanto que o principal adversário do momento, o Swansea, viaja até ao terreno do Watford. O Sunderland-West Ham, Crystal Palace-Leicester e o Middlesbrough-Arsenal têm todos um papel relevante nas contas da despromoção, numa fase em que entre Swansea e Watford, ou seja entre o 18.º e o 10.º, contam-se menos do que 10 pontos.

    Na jornada passada, Son Heung-Min foi o principal destaque, com 19 pontos na vitória por 4-0 do Tottenham. Lukaku voltou a fazer das suas, Townsend e Zaha acentuaram o mau momento do Arsenal, Ibrahimovic carregou o United para variar, brilhando ainda Jagielka (duas jornadas consecutivas a marcar), Trippier, Luke Shaw e Clasie.        
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


Estas são as nossas apostas para a 33.ª jornada:

Harry Kane - Tottenham - 11.3
    Haverá quem tem medo. Diz a precaução que raramente se deve apostar logo num jogador acabado de voltar de lesão. Mas vejam só: após a primeira lesão da temporada, que o fez perder 5 jornadas, Kane voltou à competição logo a marcar. E no espaço dos 4 jogos pós-lesão marcou cinco golos.
    Ponto importante: o Tottenham, nessa altura, não se apresentava a máquina de produzir bom futebol ofensivo, confiante e dominador.
    Pela segunda temporada consecutiva os spurs preparam-se para ficar apenas perto do título (não esperamos que a equipa de Pochettino venha por aí abaixo como na recta final de 2015/ 16), conquistando apenas o respeito e a admiração de todos por serem a equipa que melhor futebol pratica. Pessoalmente, e já aqui o dissemos, acreditamos que caso o clube consiga manter o treinador argentino e a estrutura-base (muitos deles são jogadores jovens), o título pode chegar nos próximos anos.
    Numa altura em que Alli, Son e Eriksen estão todos em grande, surge-nos apenas uma dúvida, uma vez que temos a certeza que Kane voltará à titularidade neste fim-de-semana. Manter-se-á Son no onze, passando a equipa a jogar numa defesa a 4, ou manter-se-á o 3-4-2-1 deixando o sul-coreano no banco?
    Seja como for, Harry Kane tem nesta jornada uma excelente oportunidade para ampliar o seu total de golos no campeonato (actualmente fixado em 19), parecendo-nos a principal ameaça para Lukaku na luta pela Bota de Prata. O ponta-de-lança inglês costuma ser um predador na área diante do Bournemouth, tendo marcado 5 golos aos cherries nos 2 jogos da época passada.
    Com um calendário excelente nestas 6 jornadas finais, há 4 avançados de topo a ter em conta - Kane, Lukaku, Ibrahimovic e Agüero. É muito difícil ter 3 deles, mas é obrigatório ter dois e, por isso, terão que fazer a melhor gestão possível. Contrariamente ao que dissemos na jornada passada, em que elogíamos Kun, o melhor é ter Kane daqui até ao fim, dando a Lukaku mais esta jornada, passando depois para Ibra nas duas seguintes e Agüero nas duas depois. Na última, ou continuar com o argentino ou voltar para Zlatan.


Romelu Lukaku - Everton - 10.4
    Lukaku tem 23 anos. É sempre impressionante e parece mentira, mas não é. O avançado belga do Everton, depois de 2 jogos difíceis fora (Liverpool e Arsenal) voltou a casa e foi a figura principal no Everton 4-2 Leicester. Com os 2 golos marcados aos foxes, passou a contabilizar 23 golos, e nesta recepção ao Burnley espera-se que um dos 6 candidatos da PFA a Jogador do Ano continue o seu registo goleador.
    Actualmente com 199 pontos, já só está a 4 pontos do líder desta época Alexis Sánchez, e tendo uma vantagem de 4 golos sobre Kane, é até ver o grande favorito a sagrar-se melhor marcador da competição.
    Já se sabe que o registo do Burnley fora de casa não é famoso, mas atenção porque Heaton é "só" o melhor guarda-redes deste Fantasy 16/ 17, e a equipa de Dyche conseguiu 3 clean sheets nas últimas quatro jornadas.
    Manter ou não Lukaku será um dos dilemas a partir da próxima jornada, mas nesta o belga é prioridade máxima. A braçadeira de capitão deve ser-lhe entregue ou a ele ou a Kane, existindo prós e contras a favor de cada um. É mais difícil marcar golos ao Burnley do que ao Bournemouth, e é mais fácil que os golos dos spurs se distribuam graças ao grande momento dos médios, enquanto que o Everton tentará ao máximo servir Lukaku. Não achamos que o regresso recente de lesão de Kane deve ter peso, sendo mais importante considerar-se a elevada percentagem de utilizadores que têm Lukaku (mais de 46%). É simples: se o belga explodir e não o tiverem a capitão, perdem para muita gente.


Mamadou Sakho - Crystal Palace - 4.8
    Allardyce tem a fórmula para salvar equipas. Big Sam assumiu o Crystal Palace, demorou um tempinho a transformar a equipa, mas o milagre está agora à vista de todos - nas últimas 6 jornadas, o Palace ganhou 5 jogos, perdendo apenas no terreno do Southampton, e ganhando pelo meio a Chelsea e Arsenal.
    Zaha está feito um senhor jogador (por favor, Pochettino, vai buscá-lo), Benteke tem-se apresentado confiante e ganha tudo o que é bola no ar, Townsend e Cabaye apareceram no último jogo, mas há um factor menos evidente mas muitíssimo relevante nesta boa fase em que os eagles conseguiram 4 clean sheets em 6 jogos.
    Qual o factor? Mamadou Sakho. O central emprestado pelo Liverpool entrou na equipa na jornada 26 e a equipa transformou-se, contagiada pela garra do francês. Aos 27 anos tem tudo para ser considerado um dos heróis da manutenção e deve "obrigar" o clube a contratá-lo. Mais um excedentário com que o Liverpool fará bom dinheiro.


M'Baye Niang - Watford - 5.9
    Outro caso de um jogador que merece que o clube dê continuidade ao empréstimo em vigor é M'Baye Niang, o jovem avançado de 22 anos que o Milan emprestou à Premier League.
    É certo que o AC Milan poderá dificultar a saída dado o potencial que o jogador ainda apresenta, mas não se admirem se o Watford entrar em loucuras por Niang, um jogador que nos parece poder crescer imenso nos próximos anos, e para o qual o Watford parece ser o clube indicado.
     Num momento em que Mazzarri tem sido contestado, não tendo o lugar seguro (recorde-se, estamos a falar do clube que despediu Quique depois de uma época fantástica), a manutenção de Niang é o caminho a seguir caso o clube queira perseguir um ideal de bom futebol.
    Tal como é triste ver o Watford a tratar mal a bola em muitos jogos (Roberto Pereyra faz muita falta), é também um facto indiscutível que Deeney precisava de um melhor amigo depois de perder Ighalo. Ninguém conseguiu ter um impacto similar ao nigeriano, valendo-se o clube do maior rendimento do capitão, mas se Okaka e Success são jogadores decentes para o plantel sem nos convencerem por completo, Niang é o futuro que o Watford deve procurar ter. O Swansea que se cuide, porque o rapaz costuma brilhar em casa.


Abel Hernández - Hull City - 5.9
    Com franqueza, não arrisquem em Abel Hernández quando há 10 ou mais avançados regulares em bom plano. Falamos do uruguaio apenas porque, embora seja um pouco um jogador-cometa, pode ser uma peça fundamental para Marco Silva nos próximos 4 jogos.
    O Sunderland está quase a passar o testemunho ao rival da cidade Newcastle, seguindo para o Championship, e relativamente ao Middlesbrough saberemos no final da jornada 34 se ainda pode ter esperança ou não. Mas é aquele 18.º lugar que ainda vai fazer suar muita gente... Para já está o Swansea (se os swans descerem, Sigurdsson pelo menos não desce), mas não excluímos várias equipas acima da luta pela manutenção.
    Num campeonato em que as equipas embalam positiva ou negativamente, o mau momento de Stoke ou West Ham começa a ser preocupante, e perante tudo isto estamos cada vez mais convictos de que Marco Silva vai conseguir o tão desejado milagre. No espaço das próximas 4 jornadas, os tigers defrontam Stoke, Watford e Sunderland (os 2 últimos em casa) e como tal este é o momento para os jogadores se transcenderem. Robertson e Ranocchia são os achados na defesa; Hernández, Grosicki e Niasse os jogadores que podem fazer a diferença à frente.




Outras Opções:
- Guarda-Redes: Wayne Hennessey (4.3) leva uma sequência de 9-6-7-5-2-7 nos últimos jogos e, contra um Leicester que pode gerir a equipa a pensar na 2.ª mão com o Atlético, o galês é uma das boas opções para a baliza.
    No Stoke-Hull, e atenção porque Butland ainda deve voltar a ocupar esta temporada a baliza do Stoke (em 2017-18 é para contar com ele!), o suiço Eldin Jakupovic (4.1) pode ser melhor opção do que Lee Grant, num jogo que nos parece que poderá ter poucos golos mas muito valiosos.
    Lloris pode igualar as 13 clean sheets de Courtois (caso o belga sofra golos em Old Trafford), embora seja preciso ter em consideração a inspiração de Joshua King e a hipótese de haver um descuido dos spurs no meio de vários golos que possam marcar, e de resto Robles também pode ser considerado, numa jornada em que vários clubes precisarão dos seus guarda-redes (particular atenção para Pickford vs Randolph, Gomes vs Fabianski e para o desempenho de Valdés diante do Arsenal).

- Defesas: Já falámos de Mamadou Sakho, e acrescentamos dois centrais pouco tecnicistas às contas desta jornada - Phil Jagielka (4.7) e Craig Cathcart (4.3). Bastante baratinhos, com potencial de clean sheet e eventualmente de Bónus. Destaque para o momento de Jagielka (6-7-1-11-12 recentemente), que marcou nas últimas duas jornadas.
    Do Tottenham, qualquer defesa pode ser uma boa escolha, embora a vantagem vá para Ben Davies (4.9) (só não surge no nosso 11 da jornada porque apostámos forte no ataque dos spurs), do Hull Andrew Robertson (4.4) e Ranocchia são as opções mais interessantes, McAuley será um perigo para a defesa do Liverpool nas bolas paradas, e no United-Chelsea o melhor é mesmo não nos metermos.

- Médios: Apesar de acima termos falado sobre 4 avançados e 1 defesa, é no meio-campo que continuamos a achar que se tem que apostar forte. Dele Alli (9.2) e Christian Eriksen (8.8) estão em grande, e continuamos a elegê-los a eles mesmo depois de Son Heung-Min ter feito 19 pontos na jornada anterior, e Wilfried Zaha (5.9), que na próxima jornada joga duas vezes, está a ganhar devagarinho estatuto de jogador obrigatório, mesmo tendo um calendário complicado no que resta da época.
    Manuel Lanzini (6.4) pode ser o destaque num jogo entre um quase-aflito e um quase-condenado, Eden Hazard (10.4) pode continuar a carregar o ataque do Chelsea, Philippe Coutinho (8.5) marcou nos últimos 3 jogos, e veremos se é desta que Alexis Sánchez (11.6) aparece. O chileno não fez nada nas últimas três jornadas, mas com 8 jogos nas 6 jornadas finais é quase impossível não continuar a confiar nele. Tivesse Wenger a capacidade de perceber que o melhor Arsenal desta época tinha Sánchez solto na frente e não a partir da esquerda.
    King, Sigurdsson, Townsend, Grosicki, Arnautovic, Ayew, Tadic, Mkhitaryan e Özil são apostas mais exóticas nesta fase, mas todos podem realizar uma boa jornada.

- Avançados: As nossas prioridades nesta jornada 33 são Lukaku e Kane. Claramente. Depois há Kun Agüero (12.8), com 1 golo/ jogo nas últimas 4 jornadas, um belo duelo entre Ibrahimovic e Diego Costa, há Troy Deeney (6.9) à procura de garantir que o seu Watford pode respirar profundamente e com segurança, e Andy Carroll pode também ser uma opção agradável, embora não seja garantido que seja titular. O gigante inglês não jogará certamente os 90 minutos, e o seu compatriota Vardy pode também ver o seu tempo de jogo reduzido, a pensar no Atlético Madrid. Entre lesões e poupanças, destaque para Gabbiadini, que pode voltar neste fim-de-semana à competição.




------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): Jakupovic; Sakho, Jagielka, Cathcart; Sánchez, Zaha, Alli, Eriksen, Lanzini; Lukaku, Kane

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Tottenham v Bournemouth  - Harry Kane; Christian Eriksen
Crystal Palace v Leicester City - Wilfried Zaha; Mamadou Sakho
Everton v Burnley - Romelu Lukaku; Phil Jagielka
Stoke v Hull City - Andrew Robertson; Abel Hernández
Sunderland v West Ham - Manuel Lanzini; André Ayew
Watford v Swansea - Troy Deeney; M'Baye Niang
Southampton v Manchester City - Kun Agüero; Dusan Tadic
West Brom v Liverpool - Philippe Coutinho; Gareth McAuley
Manchester United v Chelsea  - Eden Hazard; Henrikh Mkhitaryan
Middlesbrough v Arsenal - Alexis Sánchez; Mesut Özil

7 de abril de 2017

Revisão: 'Legion'

Criado por
Noah Hawley

Elenco
Dan Stevens, Rachel Keller, Aubrey Plaza, Bill Irwin, Jean Smart, Amber Midthunder, Jeremie Harris, Katie Aselton, Mackenzie Gray, Jemaine Clement, Hamish Linklater

Canal: FX

Classificação IMDb: 8.7 | Metascore: 82 | RottenTomatoes: 90%
Classificação Barba Por Fazer: 86


- Abaixo podem encontrar Spoilers - 
A História: 
    Fazer algo novo. Ousar arriscar. Apresentar algo diferente, um puzzle nunca antes visto, feito com as mesmas peças de sempre. Escrever para televisão e cinema deveria ser isso. E é, quando falamos de alguém especial como Noah Hawley. O homem-que-não-deve-dormir reinventou Fargo com duas temporadas geniais, e prepara-se para nos apresentar o riquíssimo mundo de Kurt Vonnegut com Cat's Cradle. Pelo meio, e com o FX a agradecer tudo isto (merece o elogio o canal de Atlanta e The Americans, que confia e dá similar liberdade criativa a Ryan Murphy), nasceu Legion, uma das séries mais revolucionárias - na utilização dos vários elementos com que se contam uma história - dos últimos anos.
 
    Como escrevemos há dias quando fizemos a crítica a Logan, a vida corre bem à Marvel. A despedida de Hugh Jackman como Wolverine foi um exemplo a seguir no Cinema do género, uma vez que na televisão a alta fasquia foi estabelecida quando estreou Daredevil. As séries Marvel-Netflix seguiram-se, com Jessica Jones, Luke Cage e Iron Fist (só Jessica conseguiu estar ao nível do primeiro defender), e de repente surge Legion, uma espécie de super-herói ovelha negra, numa amálgama difícil de descrever, diferente de tudo o que já se fez em séries de heróis, fortíssima do ponto de vista estético, com tanto de surreal como de inteligente e magnético.
    A premissa: David Haller (Dan Stevens), diagnosticado como esquizofrénico e institucionalizado, começa a questionar-se se as vozes que ouve e as visões que tem não serão realmente reais, e se ele não será mais do que um simples humano. Com David a ser ajudado por vários mutantes, no abrigo que é Summerland, e perseguido pela Divisão 3, durante 8 episódios Noah Hawley leva-nos numa viagem psicadélica ao interior de uma mente perturbada e assombrada, cheia de armadilhas auto-impostas. Tudo isto guarnecido com uma banda sonora absolutamente perfeita de Jeff Russo (responsável também pela música de Fargo e The Night Of), numa trip de alucinógenos que nos mantém sempre numa ambiência de sonoridades ao estilo de Pink Floyd.
    O brilhantismo de Legion está na forma como Noah Hawley nos faz entrar na cabeça de David Haller - há, por isso, algumas semelhanças com Mr. Robot pela fina fronteira entre o que é real e o que é alucinação; embora se distancie com um cunho próprio e muita originalidade -, conseguindo no final desta 1.ª temporada o feito de refazer o novelo depois de o desenrolar sem parar, ficando a dada altura a sensação que tanta complicação e tantos "níveis" (sim, Legion também tem o seu quê de Inception) não teriam um retrocesso ou salvação simples. Mas tiveram, porque Hawley sabe o que faz, sempre com um bom gosto incrível.

    Um lote relativamente pequeno mas rico e peculiar de personagens secundárias enriquece o universo deste mutante esquizofrénico, com a série a flutuar constantemente em termos de género (mescla ficção científica com drama com comédia com terror psicológico) e fugindo por isso aos padrões tradicionais do que estamos habituados nas conversões de banda desenhada para televisão ou cinema. Tudo muda na vida de David quando conhece Syd Barrett (mais uma referência a Pink Flyod, numa personagem entregue a Rachel Keller), num boy-meets-girl versão mutant-meets-mutant, e a partir daí desencadeia-se toda a série, com David a tentar garantir controlo sobre si próprio, procurando perceber se está doente, se é sobre-humano, ou ambos.
    Cheia de detalhes, inteligente e diferente de tudo o resto, Legion podia ser um patinho feio mas é um cisne. Com bons realizadores (Michael Uppendahl já merece outra notoriedade) a executarem a visão de um brilhante pensador (Hawley), a produção de Legion acertou em cheio nos actores escolhidos e acreditou que era possível fazer a série - do homem que, se não se perdesse em si próprio, poderia ser um Deus - voar sobre um ninho de cucos.
     
    
A Personagem: Lenny (Aubrey Plaza).
    Não estejamos com rodeios. Na nossa iniciativa anual de eleger as Melhores Novas Personagens de Séries do ano, Lenny é, para já, o alvo a abater. Bem isolada no 1.º lugar.
    A amiga louca de David em Clockworks que afinal é a amiga drogada de David no exterior, que afinal não é nada disto e é apenas um parasita, um mutante disfarçado, um antagonista infiltrado na mente do protagonista. E quantos de nós não gostaríamos de ter Aubrey Plaza como parasita?! A actriz, normalmente associada a Parks and Recreation, foi um exemplo clássico de "calem-se que eu vou entrar em cena e roubar as atenções todas. Sempre" e, num papel que lhe terá aberto (ou escancarado, mesmo) muitas portas, soube entrar no tom pretendido - ela e Dan Stevens souberam captar o que Noah Hawley viu primeiro que todos nós - oscilando entre ser louca, sedutora (até montagens à 007 há em Legion) e aterradora.
    Plaza está tão genial que consegue mesmo superar Dan Stevens (belo começo de 2017, hã?), tão bom a sofrer na pele de David, confuso e desesperado mas apaixonado e carismático. Depois de Legion, não ficam muitas dúvidas de quão brutal Stevens é como actor, e da carreira que pode ter. Depois há ainda Syd, Cary e Kerry e principalmente Oliver, este último a elevar a série para outro plano... astral.
     

O Episódio: 07 'Chapter 7'.
    É normal o clímax ser o penúltimo episódio da temporada. E assim foi em Legion. Embora o último episódio seja bom (e aquela cena pós-créditos? Muito pokémon), é entre os capítulos 5 e 7 que a série dispara em termos de qualidade. No quinto episódio o terror começa-se a sentir a sério - não é fácil ser-se um super-herói quando temos no cérebro um monstro de olhos amarelos e uma criança furiosa com ares de Hitler - mas o Chapter 7 ganha a todos os outros.
    Naquele que podemos, já em Abril, garantir que será um dos melhores episódios no balanço final de 2017, há várias sequências que traduzem o que é Legion. Criatividade na exposição e no discurso interior de uma personagem recorrendo a uma ardósia e a animação, e uma lição de como criar tensão numa sequência muda com o "Bolero" de Maurice Ravel a deixar Aubrey Plaza, Dan Stevens, Jemaine Clement, Rachel Keller e Amber Midthunder brilharem. Com muito trabalho de equipa nas várias dimensões de alucinação, ora a preto e branco ora de giz na mão, é uma explicação ou confirmação teórica, mas com adrenalina a verter por todos os lados. Só visto.
 

O Futuro: 
    Altas expectativas para o futuro, e já sabemos que com Noah Hawley estaremos bem entregues. Saiba ele, qual Legion do mundo real, coordenar-se entre os vários projectos que tem/ terá, mantendo o nível a que nos habituou.
    Relativamente ao enredo, não fazemos ideia para onde a coisa vai. O que faz sentido, numa série assim, tão pouco linear. Esperamos mais do mesmo, com a mesma dose de surrealismo, terror psicológico e a continuidade do trabalho de excelência na realização e direcção artística.
    Potencialmente, teremos novas personagens, David Haller mais controlado no começo até se perder novamente em si mesmo, e só poderão nascer coisas boas da dinâmica Aubrey Plaza/ Jemaine Clement. Em 2018 há mais.