Antevisão da Barclays Premier League 2017/ 18

Não há nada como a Premier League. Quem vai conquistar a liga mais competitiva do planeta? Que jogadores se vão destacar? As previsões do Barba Por Fazer estão todas aqui.

Antevisão da Liga NOS 2017/ 18

Quem vai ganhar entre Benfica, Porto e Sporting? O Barba Por Fazer dá-te a mais completa análise à nova época do futebol português.

Crítica: Dunkirk

Não é o melhor filme de Christopher Nolan, mas é o melhor desde os últimos óscares. Se só puderem ir ao cinema uma vez até ao fim de 2017, escolham a experiência que é ver Dunkirk.

Revisão: Better Call Saul (3ª Temporada)

Uma obra-prima paciente. E a melhor série da primeira metade de 2017.

Emmys Barba Por Fazer 2017: Nomeados

Entre os nomeados dos primeiros Emmys BPF, destaque para as várias nomeações de Better Call Saul, The Leftovers, The Night Of, Master of None e Atlanta.

18 de agosto de 2017

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 2

Segundo round. O fim-de-semana passado deu para "matar" saudades e a Premier League arrancou com tudo o que a caracteriza - surpresas, jogos muito disputados e muitos golos. Nos três jogos com maior nº de golos marcados, o Arsenal derrotou o Leicester por 4-3 numa partida emocionante, o Watford de Marco Silva empatou a três com o Liverpool, e o campeão Chelsea (que acabou com nove) perdeu em casa com o Burnley, 2-3.
    A segunda jornada traz o primeiro "jogo grande" da edição 2017/ 18. Primeiro e segundo classificados da temporada passada, Chelsea e Tottenham, medem forças num jogo que embora muito precoce pode ser bastante importante nas épocas de spurs e blues. Para o Tottenham porque derrotar o Chelsea pode ser um empurrão significativo, reagindo bem ao factor Wembley; e para o Chelsea porque, em caso de derrota, pode ver-se instalada uma mini-crise. E todos temos presente o que aconteceu em 2015/ 16, um ano depois do Chelsea também se ter sagrado campeão, na altura com Mourinho. O nosso palpite? Acreditem no Tottenham.
    O Manchester City-Everton, jogado apenas segunda-feira à noite, promete também bastante, querendo o City soltar todo o seu potencial ofensivo diante dos seus adeptos, mas tendo pela frente um Everton com muito para crescer esta época e que oficializou Gylfi Sigurdsson, uma das melhores contratações deste defeso.
    Noutros campos, o Manchester United abre a jornada em casa do Swansea, órfão precisamente de Sigurdsson, e os red devils quererão dar sequência ao nível que apresentaram na goleada (4-0) ao West Ham, o Liverpool recebe uma das surpresas pela negativa da jornada anterior (Crystal Palace) e temos bastante curiosidade de acompanhar o Huddersfield-Newcastle, sobretudo depois daquele 0-3 inesperado da equipa de David Wagner.
    A nível de Fantasy, a jornada 1 teve em Hegazi (15 pts) o seu principal destaque, destacando-se ainda Ben Davies, Vardy, Vokes, Mkhitaryan, Salah, Eriksen e Xhaka. Romelu Lukaku, com um bis na estreia na Premier League pelo United, convenceu quem nele apostou, justificando a continuidade da braçadeira de capitão no seu braço.
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer. As inscrições estarão abertas até à jornada 18. Código - 2093875-496478)

Nesta 2.ª jornada, e procurando não repetir os cinco da ronda anterior, sugerimos:

Steve Mounié - Huddersfield - 6.1
     Na antevisão da Barclays Premier League 2017/ 18 referimos que Steve Mounié, ex-Montpellier, podia perfeitamente fazer estragos e ter impacto logo na sua época de estreia em solo britânico.
    No entanto, não estávamos à espera que Mounié arrombasse a porta, bisando fora num jogo em que até atribuíamos favoritismo ao Crystal Palace de Zaha e Benteke.
    O excelente jogo do Huddersfield, tendo em Mooy e Mounié os principais destaques, só ajudou a reforçar a colocação do ponta de lança do Benim de 1,90m nos nossos radares. O bom desempenho na 1ª jornada pode servir de catalisador e relaxante para os recém-promovidos, que têm agora uma sequência interessante - Newcastle (casa), Southampton (casa), West Ham (fora), Leicester (casa) - para, sem grandes responsabilidades, continuar a surpreender.
    No esquema de Wagner, Mounié emerge como um jogador-alvo, bem "alimentado" pelos seus companheiros. O 4-2-3-1 deve manter-se contra o Newcastle, num jogo que se espera aberto e com várias oportunidades. Basta olharmos para a nossa Liga NOS e para Seferovic para perceber o que um jogador feliz e confiante rende. Mounié pode continuar assim.


Mohamed Salah - Liverpool - 9.1
     Tudo aquilo que se poderia esperar. O rendimento colectivo do Liverpool em casa do Watford de Marco Silva deixou a desejar, principalmente a nível defensivo (o primeiro golo é uma lição de como não defender um canto), mas no ataque o trio Salah, Firmino e Mané fez a sua parte. O egípcio, que na época passada brilhou na Roma com uma ampla colecção de golos e assistências, não pediu licença a ninguém e recompensou os jogadores que o escolheram com 1 golo e uma assistência.
    O penalty ganho para Firmino converter e um golo de encostar depois de um brilhante trabalho do brasileiro (principal figura do jogo) deram a Salah uns simpáticos 11 pontos. Numa fase em que Coutinho parece cada vez mais distante de Anfield, jogadores como Mané, Salah e Roberto Firmino ganham estatuto nos plantéis de Fantasy. Numa análise a longo-prazo, Sadio Mané continua a parecer-nos a melhor opção para esta temporada, mas é indiscutível que Salah pode muito bem continuar a espalhar o terror, desta vez na defesa de um Crystal Palace que perdeu em casa por 3-0 e que não contará com o seu craque Zaha.


Gabriel Jesus - Manchester City - 10.5
    Se há equipa cujo ataque merece uma profunda observação e análise nestas primeiras jornadas, essa equipa é o Manchester City. A turma azul celeste de Guardiola começou o campeonato com uma vitória por 2-0, num jogo em que os golos demoraram a aparecer, e não tiveram nem Jesus nem De Bruyne envolvidos. No terreno do Brighton, um golo de Agüero e um auto-golo de Dunk escreveram a vitória dos citizens, que viram David Silva bastante participativo e com impacto na fase final da construção.
    No entanto, pode-se considerar um jogo fraco de estreia do City quando comparada a posse de bola esmagadora com o magro número de oportunidades de golo claras criadas.
    Em casa, o Everton vai ser um adversário complicado, mas o desgaste dos toffees (jogaram a meio da semana para a Liga Europa) e o factor KDB (o criativo belga costuma render substancialmente mais no Etihad) podem estar na origem de um jogo bastante mais confiante do City, e com Gabriel Jesus a dar sequência aos seus melhores jogos da temporada passada.
    Embora Pep tenha Bernardo Silva, Sané e Sterling como cartas que pode lançar neste jogo, adulterando a táctica que escolheu no jogo anterior, o mais provável é privilegiar o 3-5-2 que lhe permite conjugar o poder de fogo de Agüero e Gabriel Jesus.


Harry Kane - Tottenham - 12.5
    O jogador mais caro deste Fantasy ficou em branco na primeira jornada, e viu os colegas Dele Alli e Eriksen serem os destaques ofensivos do Tottenham, num jogo "durinho" que apadrinhou o regresso do Newcastle ao primeiro escalão.
    Curiosidade: Harry Kane nunca marcou em Agosto na Premier League. E esta?! No entanto, estamos convictos que os dois próximos jogos, ambos em "casa" (Wembley), significarão o fim desta tendência, com Kane a ter pela frente uma defesa sem Cahill e depois um Burnley que, embora possa chegar bastante motivado a essa 3ª jornada, pode ser presa fácil para o melhor marcador da última edição.
    Kane esteve tímido, e deu razão a todos aqueles que diziam que voltaria a ter um arranque lento, explodindo só como tem sido seu padrão ao fim de algumas jornadas. Mas os grandes jogadores surgem nos grandes momentos e nos grandes palcos, e Kane tem duas jornadas para convencer aqueles que irão gastar o primeiro wildcard após o fecho do mercado, a manterem-no ou adquirirem-no para o plantel. David Luiz vai ter muito trabalho.


Robbie Brady - Burnley - 5.5
    Por falar em David Luiz, aqui está Robbie Brady, o irlandês que não teve medo de crescer para o central brasileiro.
    A vitória do Huddersfield por 3-0 em casa do Crystal Palace foi uma tremenda surpresa, até porque aí não houve expulsões, mas ainda assim é impossível não incluir o Chelsea 2-3 Burnley no lote de resultados chocantes da jornada inaugural.
    O Chelsea viu a sua vida a andar para trás quando Gary Cahill foi expulso, e a partir daí Vokes (2 golos) e Ward colocaram a equipa de Sean Dyche a humilhar o campeão. Mais tarde, o bom rendimento de Morata e Willian quase chegaram para chegar ao empate, mas no final o Burnley levou os 3 pontos.
    Depois de Stamford Bridge, o Burnley recebe o WBA, num jogo que deverá ser bastante menos espectacular. Dyche e Pulis podem "trancar" o jogo, mas a confiança que Sam Vokes pode apresentar pode fazer a diferença, e se há jogador para inventar alguma coisa do nada, esse elemento é Robbie Brady. Num plantel que precisa ainda de 2/ 3 reforços para o ataque, Brady é o jogador mais e tem um preço que pode fazer dele uma opção interessante a médio-prazo.
   


Outras Opções:
- Guarda-Redes: Entre os postes, há naturalmente Tom Heaton (5.0). O guardião do Burnley foi um íman de pontos nos jogos em casa na época passada, e é impossível não ter isso em consideração. Depois, Ederson (5.5) conseguiu uma clean sheet na primeira jornada, embora tenha apresentado algum nervosismo no jogo aéreo, e acreditamos que possa ampliar o registo de jogos sem sofrer.
    De Gea também é um forte candidato a não sofrer golos, Lloris contra Courtois será um bom duelo à distância, e veremos o que Lössl mostra.

- Defesas: Na defesa, embora o Southampton não nos tenha deslumbrado (longe disso), Ryan Bertrand (5.5) mostrou, até pelo Bónus que recolheu, porque é que é mais caro que os colegas. Chicharito será, no entanto, um bom desafio para a defesa dos saints. No Leicester-Brighton, Harry Maguire (5.0) entra na nossa watchlist, e embora não excluamos Ben Mee, Kyle Walker ou Charlie Daniels, Antonio Valencia (6.5) é um indiscutível para Mourinho e tem um conjunto de jornadas muito, muito atractivas neste arranque.

- Médios: A meio-campo, já referimos Salah e Brady, e continuamos cheios de esperança em relação a Kevin De Bruyne (10.0) e Sadio Mané (9.5). O menor rendimento de ambos (sendo certo que Mané até marcou) comparativamente com outros colegas de equipa não afasta o brutal potencial e as gigantes expectativas que temos para ambos a nível de golos e assistências. O factor casa pode beneficiá-los nesta jornada.
    Depois, Henrikh Mkhitaryan (8.1) fartou-se de desequilibrar e criar oportunidades, podendo voltar a ser o melhor amigo de Lukaku e Rashford no País de Gales, e há ainda nomes como Özil, Atsu, Ritchie, Ince, Mooy, Eriksen, Alli e Willian a ter em consideração na gestão dos vossos plantéis para esta ronda.

- Avançados: Mounié, Gabriel Jesus e Harry Kane foram o trio de dianteiros que esmiuçámos acima, mas Romelu Lukaku (11.6) é indiscutivelmente a escolha nº 1 neste momento. O belga marcou dois golos ao West Ham, e será muito estranho se não marcar também ao Swansea.
    Jamie Vardy (8.6) merece claramente entrar nas contas depois de bisar em casa do Arsenal, e há ainda Lacazette, Joshua King e Agüero.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-4-3): Ederson; Valencia, Maguire, Bertrand; De Bruyne, Salah, Mané, Brady; Gabriel Jesus, Lukaku, Mounié

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Swansea v Manchester United - Romelu Lukaku; Paul Pogba
Bournemouth v Watford - Joshua King; Andre Gray
Burnley v West Brom - Sam Vokes; Robbie Brady
Leicester City v Brighton - Jamie Vardy; Kelechi Iheanacho
Liverpool v Crystal Palace - Sadio Mané; Mohamed Salah
Southampton v West Ham - Ryan Bertrand; Chicharito
Stoke v Arsenal - Antoine Lacazette; Mesut Özil
Huddersfield v Newcastle - Steve Mounié; Christian Atsu
Tottenham v Chelsea - Harry Kane; Dele Alli
Manchester City v Everton - Gabriel Jesus; Kevin De Bruyne

12 de agosto de 2017

Antevisão da Barclays Premier League 2017/ 18

  Barclays Premier League - Que boa sensação a de ter trinta e oito jornadas pela frente. Menos de 3 meses depois da última jornada da última época, a temporada 2017/ 18 arranca a todo o vapor num ano que promete muita competitividade, mediatismo, jogos impróprios para cardíacos (que melhor exemplo que o Arsenal 4-3 Leicester a abrir a Liga?) e as surpresas do costume.
    Na esmagadora maioria dos grandes campeonatos europeus é mais ou menos fácil acertar no topo da classificação. Há, regra geral, 2 ou 3 candidatos. Em Inglaterra não. Na terra da rainha Isabel II qualquer um dos 6 favoritos (Chelsea, Tottenham, Manchester City, Liverpool, Manchester United e Arsenal) falhará redondamente a época se não terminar no Top-4, e acertar na ordem deste sexteto é desafio para qualquer adepto. Mas atenção, porque desta vez os gastadores Guardiola e Mourinho já não têm desculpas. Só o título chega para serenar adeptos e imprensa.  
    Numa temporada em que Newcastle (de regresso ao patamar onde pertence), Brighton e Huddersfield são as novidades na grelha de partida, os clubes ingleses já fizeram chegar grandes nomes à maior competição do planeta - Bernardo Silva, Ederson, Lacazette, Salah, Morata, Bakayoko, Lindelöf, Mendy, Klaassen e Chicharito são alguns deles, sem esquecer as transferências internas (Lukaku, Walker, Rooney, Iheanacho, Defoe e Pickford, entre outros). E ainda aguardamos o desfecho de casos como Coutinho, Alexis Sánchez, van Dijk e Sigurdsson para saber em concreto como se apresentará cada equipa.
    Numa análise rápida, o Chelsea defende o título depois de um defeso em que os blues cometeram, no nosso entender, alguns erros. Manchester City e Manchester United corrigiram lacunas dos respectivos plantéis e estão mais fortes, não nos podemos esquecer que o Tottenham (como irá lidar com o factor Wembley?) foi a equipa que melhor futebol praticou nas últimas duas épocas, e depois há a vertigem do Liverpool de Klopp e o Arsenal que continua crente em Wenger (no clube desde 1996), sendo esta provavelmente a penúltima época do francês no comando dos gunners.
    Jogos partidos, golos espectaculares, defesas impossíveis, intensidade nos píncaros, é tudo o que podemos esperar de 2017/ 18, edição em que as grandes equipas apostaram todas na continuidade dos seus técnicos. Atenção às elevadas expectativas para Everton e West Ham, e veremos quem cai em Maio para o Championship, numa época em que não há CAN que roube craques e na qual muitos jogadores quererão dar tudo para que não lhes escape a presença no Mundial 2018.
    Sem mais demoras, viajem connosco nesta Antevisão da Premier League 2017/ 18, equipa a equipa:


 MANCHESTER CITY (1)

    O que é que queres mais, Guardiola? No lançamento de 2017/ 18, o nosso favorito é o Manchester City. Os citizens investiram e muito - e não havia grande alternativa, considerando o plantel envelhecido e a defesa com o prazo de validade a expirar - e têm hoje um plantel mais completo, equilibrado, com um ataque de sonho.
    Pep Guardiola não teve o impacto que esperávamos em Inglaterra, mas a sua 1.ª época terá servido para o espanhol tirar notas e não falhar, agora que já não tem qualquer margem de erro. Na verdade, este plantel chega para fazer do City o grande favorito na Premier League, mas obriga inclusive a uma boa Champions, competição que os responsáveis do clube deverão querer ganhar no espaço dos próximos 3 anos.
    Ederson, Kyle Walker, Danilo, Mendy e Bernardo Silva são as novas caras. Guardiola tem finalmente o guarda-redes perfeito para a sua filosofia, podendo Ederson confirmar já ser um dos melhores do planeta na sua posição, e quem tem Walker e Mendy terá a equipa sempre virada para a frente, mesmo a partir do sector mais recuado. Ter Kompany todo o ano seria ouro sobre o azul celeste desta equipa.
    No ataque vai dar gozo ver este City. O plantel permite jogar com Agüero e Gabriel Jesus juntos na frente, ou reforçar aquele super meio-campo, podendo Pep variar inclusive entre três centrais e uma linha de quatro. Reprodução do treinador em campo, o pensador David Silva rapou o cabelo e assumirá papel de maestro, bem apoiado pelos primeiros passos do mágico Bernardo Silva na Premier League e por Kevin De Bruyne, bem capaz de em Maio ser um dos nomes a equacionar para Jogador do Ano. Há Sterling, Sané (esperamos ainda mais esta época), os miúdos Foden (diamante em bruto) e Díaz, e claro Agüero e Jesus. Uma equipa abençoada, com obrigação de marcar muitos golos. Haja consistência, e capacidade de não cair quando empatar ou perder por mais do que uma vez num período curto. Jogar bonito é fundamental, mas aprender a "sacar" alguns 1-0 naqueles jogos chatos e sem inspiração pode fazer a diferença nas contas finais.

Treinador: Pep Guardiola
Onze-Base (4-1-4-1): Ederson; Walker, Kompany, Stones (Otamendi), Mendy; Fernandinho; Bernardo Silva (Sterling), De Bruyne, David Silva, Sané; Gabriel Jesus (Agüero)

Atenção a: Kevin De Bruyne, Gabriel Jesus, Ederson, David Silva, Bernardo Silva

 CHELSEA (2)

    O dia em que Antonio Conte disse a Diego Costa que já não contava com ele por SMS foi o dia em que o Chelsea perdeu a pole position para revalidar o seu título. Temos ficado bastante desiludidos com o defeso dos campeões em título, com vários erros e decisões difíceis de compreender.
    Este ano John Terry já não está no balneário, e o processo defensivo despediu-se ainda de Zouma e Matic (como Chelsea, como?), negando oportunidades aos produtos da formação Aké, Chalobah e Loftus-Cheek. Em contrapartida, Rüdiger e o regressado Christensen juntam-se à panóplia de centrais à disposição de Conte, o treinador que deu um valente tiro no pé ao riscar Diego Costa. O clube falhou o objectivo Lukaku, e Morata, por mais qualidade que tenha, não é um claro upgrade em relação a Costa, peça fundamental com a sua raça e veia goleadora, e um dos obreiros do título de 16/ 17, sobretudo na primeira metade da temporada.
    Claro está que o Chelsea não deixou de ter uma brilhante defesa, nem Conte passou a ser mau treinador. O italiano é uma máquina de produzir bons resultados, mas era perfeitamente evitável perder Matic e estar em vias de perder Costa. Na pré-época, Willian e Batshuayi deixaram bons sinais, mas este Chelsea deve continuar a viver da fantasia de Hazard e da omnipresença de Kanté, o melhor jogador do último campeonato.
    O título da Premier League não é revalidado desde 2008/ 09. E embora o Chelsea - do Top-6 a equipa mais capaz de retirar bons resultados em jogos de total inércia e falta de inspiração - possa terminar tanto em 1.º como em 5.º, suspeitamos que ainda não é desta que há bicampeão.

Treinador: Antonio Conte
Onze-Base (3-4-3): Courtois; Rüdiger, David Luiz, Cahill; Azpilicueta, Kanté, Bakayoko (Fàbregas), Alonso; Willian, Hazard, Morata

Atenção a: Eden Hazard, N'Golo Kanté, Álvaro Morata, Willian, Marcos Alonso

 TOTTENHAM (3)
 
    Se tudo continuasse como estava, talvez apontássemos o Tottenham ao título. No entanto, há uma questão: Wembley. Resumem-se numa palavras as nossas dúvidas. A equipa de Pochettino (não nos cansamos de dizer que está entre a nata dos melhores treinadores do mundo) foi a que melhor futebol praticou em Inglaterra no conjunto das últimas duas épocas, mas o espectáculo não se traduziu na conquista do campeonato. Aliás, para encontrar o último título na História dos spurs é preciso recuar a 1961.
    No Norte de Londres, a estratégia tem sido preservar o que há, e trabalhar esta base jovem, acreditando que um núcleo liderado por Kane, Alli e Eriksen acabará por chegar mais cedo ou mais tarde ao tão desejado título. Por isso, o Tottenham "reforça-se" com a continuidade de muitos destes craques, renovando contratos. Mas será isto suficiente para lutar contra equipas como as de Manchester, sistematicamente à procura de se aperfeiçoarem com muitos milhões na carteira?
    A tendência das equipas é verem o seu rendimento afectado quando mudam de casa. White Hart Lane tem sido um templo para esta equipa, e jogar todo o ano em Wembley enquanto acontece o Querido Mudei a Casa pode custar pontos. Veja-se: o West Ham sofreu bastante com a passagem para o estádio Olímpico, e o Tottenham estranhou bastante Wembley quando lá disputou a fase de grupos da Champions na temporada passada. O mítico Wembley pode funcionar como factor extra de motivação para os adversários, e terá que ser o Tottenham a fazer desta a sua nova casa, adaptando-se às dimensões do campo e ao novo ambiente. Esse "período de adaptação" será crucial na classificação final, acreditando nós que a qualidade colectiva e individual desta equipa acabará por pesar - Kane é o mais forte candidato a Melhor Marcador, Dele Alli e Eriksen devem continuar num nível incrível e veremos o que Daniel Levy dá a Poch até ao final de Agosto. Saiu Kyle Walker (para um rival directo) e não entrou ninguém. Se assim continuar serão boas notícias para os embriões Walker-Peters, Winks e Marcus Edwards.

Treinador: Mauricio Pochettino
Onze-Base (4-2-3-1): Lloris; Trippier, Alderweireld, Vertonghen, Rose; Dier, Dembélé (Wanyama); Eriksen, Alli, Son; Kane

Atenção a: Harry Kane, Dele Alli, Christian Eriksen, Moussa Dembélé, Toby Alderweireld

 LIVERPOOL (4)

    Coutinho merece o Barcelona. Mas a Premier League e sobretudo o Liverpool não merecem perder Coutinho. A primeira peça do dominó Neymar pode ser o craque brasileiro, com a transferência do astro para o PSG a ditar uma sequência de transferências que ninguém podia prever. O Liverpool diz que não vende por nada, mas o 10 já terá entregue um transfer request para cumprir o sonho que anteriormente já deixara "loucos", como Steven Gerrard disse há poucos dias, Suárez e Mascherano.

    Do Liverpool de Klopp sabemos o que esperar - extraordinária pressão bem aplicada por todo o colectivo, a asfixiar adversários, muita velocidade e intensidade, contra-ataques mortíferos e uma singular capacidade de surgir em grande contra Chelsea, City, United, Tottenham e Arsenal. Serão os reds capazes de encontrar uma alternativa que lhes permita resolver os jogos contra equipas menores que se fecham atrás?
    Na previsão da temporada do clube de Anfield tem natural importância a continuidade ou não de Coutinho, um génio como poucos. Até porque, caso saia, não sabemos quem é que o clube contratará. Dados garantidos são as excelentes épocas que Sadio Mané (preparem-se para a melhor época de sempre do senegalês!) e Mohamed Salah podem fazer, num ano em que felizmente não há CAN.
    Não somos capazes de deixar os reds fora do Top-4, até pelos pontos que conseguem conquistar nos confrontos directos. Segurar Coutinho e juntar Virgil van Dijk faria do mês de Agosto um sonho para qualquer adepto do clube. Já a baliza, continua a não nos deixar convencidos.

Treinador: Jürgen Klopp
Onze-Base (4-2-3-1): Mignolet; Clyne, Lovren, Matip, Milner (Robertson); Can (Henderson), Wijnaldum (Lallana); Mané, Coutinho, Salah; Firmino

Atenção a: Sadio Mané, Coutinho, Mohamed Salah, Roberto Firmino, Emre Can

 MANCHESTER UNITED (5)

    O padrão comportamental das equipas de José Mourinho deixa boas perspectivas para esta época. Mourinho adora o segundo ano. Para além desta curiosidade estatística, o Manchester United (de regresso à Champions por via da conquista da Liga Europa) movimentou-se muitíssimo bem neste mercado de transferências. Três reforços cirúrgicos: Lukaku, Matic e Lindelöf.
    Romelu Lukaku parece ter nascido para jogar no United, de tão bem que fica com a camisola 9 dos red devils. E não só poderemos acompanhar nos próximos anos o brutal crescimento de um ponta de lança ainda com muito para evoluir (assustador, mas é verdade) como a equipa de Old Trafford bem precisava de um goleador depois de só marcar 54 golos no último campeonato. Imaginem agora que o ainda lesionado mas livre Zlatan se junta mais tarde a Lukaku... Pois, é isso.
    Com Lindelöf, o United tem central para uma década e que acabará por ganhar a titularidade ao lado de Bailly; e, numa equipa fisicamente impressionante, ter Matic (como é possível o Chelsea o ter "dado" a um rival?) e Pogba no meio-campo é um sonho para qualquer treinador. Depois, Ander Herrera é um relógio suiço, De Gea um dos melhores do mundo, e esperamos que Mkhitaryan se afirme e compense o que não fez na época passada. Há ainda os jovens Rashford (grandes expectativas para esta época do jogador de 19 anos), Lingard e Martial, e o experiente Mata; mas para que este United vire máquina, parece faltar ainda assim uma estrela no plano ofensivo - difícil não pensar no galês Gareth Bale.

Treinador: José Mourinho
Onze-Base (4-3-3): De Gea; Valencia, Bailly, Lindelöf, Darmian; Matic, Pogba, A. Herrera; Mkhitaryan, Lukaku, Rashford (Lingard, Martial)

Atenção a: Romelu Lukaku, Henrikh Mkhitaryan, Paul Pogba, Nemanja Matic, David De Gea

 ARSENAL (6)

    No lote de 6 candidatos ao título, temos tremenda dificuldade em ordenar o Top-5, mas apontar o Arsenal ao sexto lugar não custa muito. Os gunners, naquela que deve ser a penúltima época do eterno Wenger, entraram em 2017-18 com uma vitória na Community Shield e sobreviveram para contar a história no jogo inaugural do campeonato (4-3, contra o Leicester). Mas somos obrigados a desconfiar desta equipa.
    A falta de ambição e incapacidade de aproveitar os erros dos outros, dizendo ausente e não presente nos grandes momentos, deve continuar, numa época em que o 3-4-2-1 será o desenho preferencial. Com Lacazette (precisou de 1 minuto e 35 segundos para se estrear a marcar na Premier League) o Arsenal tem finalmente o avançado ideal que há muito se exigia, mas... e Alexis Sánchez? O chileno, uma das figuras do campeonato e um dos jogadores com maior capacidade de decidir sozinho uma partida, termina contrato no final desta época - preferirá o Arsenal tê-lo a contribuir um último ano, saindo a custo zero depois? Ou vendê-lo já e começar já a reformular a equipa?
    Ainda não percebemos qual será o desfecho deste caso, bastante importante na previsão do Top-6, mas seja como for há evidentemente qualidade e bastante profundidade no plantel, que permitem sonhar.

Treinador: Arsène Wenger
Onze-Base (3-4-2-1): Cech; Mustafi, Koscielny, Monreal (Holding); Bellerín (Oxlade-Chamberlain), Xhaka, Ramsey, Kolasinac; Özil, Sánchez; Lacazette

Atenção a: Alexis Sánchez, Alexandre Lacazette, Mesut Özil, Aaron Ramsey, Sead Kolasinac

 EVERTON (7)

    Vender Lukaku, comprar uma equipa. O Everton é uma das nossas apostas fortes para esta época depois de um defeso muito activo e inteligente, que acreditamos ainda ter algumas histórias para contar. Os toffees venderam ao Manchester United o seu goleador e principal figura, Lukaku, e juntaram esse dinheiro ao já significativo orçamento para garantir dois rostos do futuro do futebol britânico, Jordan Pickford e Michael Keane, fizeram regressar a casa o filho pródigo Wayne Rooney, adquirindo ainda Klaassen e Sandro (o espanhol foi uma "pechincha").
    O valor de Ronald Koeman como treinador é inquestionável, e nesta fase parece claro que o clube irá ainda vender Ross Barkley, parecendo disposto a perder a cabeça por Sigurdsson. O islandês seria a cereja no topo do bolo e o reforço certo para atirar esta equipa para outro patamar, quem sabe intrometendo-se no Top-6. E Gylfi merece-se estar integrado num ecossistema ao seu nível.
    Depois de um arranque de campeonato terrível (City, Chelsea, Tottenham e United nas primeiras 5 jornadas) o Everton deve afirmar-se como uma das equipas-sensação da prova. Defensivamente está substancialmente mais coeso, combina os incansáveis Gueye e Schneiderlin com o prodígio Tom Davies (Lookman, Calvert-Lewin e Holgate são outros jovens ingleses que Koeman deve continuar a regar com oportunidades) a meio-campo, e na frente achamos que Rooney reencontrará os golos em Goodison Park, apoiado pelo impacto sem pedir licença de Klaassen e Sandro.

Treinador: Ronald Koeman
Onze-Base (4-2-3-1): Pickford; Coleman, Keane, A. Williams, Baines; Gueye, Schneiderlin (Davies); Sandro, Klaassen, Mirallas; Rooney

Atenção a: Wayne Rooney, Davy Klaassen, Sandro Ramírez, Michael Keane, Tom Davies


 WEST HAM (8)

    Mourinho disse que todos devíamos estar atentos ao West Ham, uma vez que os hammers se estavam a reforçar para atacar o título. Observação exagerada de Mourinho, mas esperamos bem mais esta época do que aquilo que a equipa de Bilic mostrou em 16/ 17, temporada em que o outrora talismã Payet traiu o clube.
    7.º lugar em 2015/ 16, 11.º em 2016/ 17. O clube londrino tem tudo para subir alguns lugares, tanto quanto possível, e muito para isso irão contribuir os reforços, sendo especialmente relevante o facto de serem jogadores já identificados com o futebol inglês. Joe Hart não tinha lugar no plantel de Guardiola mas torna-se automaticamente o melhor guardião que o West Ham teve nos últimos anos, Chicharito regressa à Premier mais maduro e pronto para se assumir, desta vez, como titular indiscutível, e há ainda Arnautovic, fera difícil de domar mas que pode explodir sob a orientação do treinador croata.
    Veremos se é já esta época que o miúdo irlandês Rice (18 anos) tem alguns minutos no centro da defesa, funcionando esta equipa de acordo com a irreverência dos seus extremos, especialmente Michail Antonio e o seu extenso reportório de festejos criativos, e podendo surpreender a nível global com a magia do seu 10 Lanzini.

Treinador: Slaven Bilic
Onze-Base (4-2-3-1): Hart; Zabaleta, José Fonte, Reid, Cresswell; Noble, Kouyaté; Antonio (Feghouli), Lanzini, Arnautovic (Snodgrass); Chicharito (Ayew)

Atenção a: Chicharito, Manuel Lanzini, Joe Hart, Marko Arnautovic, Michail Antonio

 LEICESTER CITY (9)

    Depois daquele título que nunca esqueceremos, o Leicester desceu à Terra sem Deus Kanté e ficou em 12.º na temporada passada. Nesta, pode subir um bocadinho.
   Craig Shakesperare continua no clube - não sabemos se isso é bom ou mau, existiam certamente soluções mais entusiasmantes, mas é inequívoco que o treinador-poeta salvou a equipa e produziu resultados - e, até ver, Riyad Mahrez também.
    Até ao final do mês poderão sair Drinkwater e Mahrez (estamos mais convencidos relativamente à saída do médio britânico) e também dependendo do destino desses dois atletas, maior ou menor será o rebranding da equipa, que até já pode ter encontrado em Iborra o sucessor do homem bebedouro. Sem a sobrecarga física dos jogos europeus, as raposas terão nesta época uma dupla que promete química instantânea - Vardy (electricidade renovada) e Iheanacho - e o reforço Harry Maguire é uma excelente resposta à necessidade de rejuvenescer o centro da defesa.
    O nosso instinto diz-nos que Demarai Gray pode disparar em 2017/ 18, e seria bom o ingresso de Iheanacho "puxar" por Musa. 

Treinador: Craig Shakespeare
Onze-Base (4-4-2): Schmeichel; Simpson, Morgan, Maguire, Fuchs; Mahrez, Ndidi, Iborra, Gray (Musa); Iheanacho, Vardy

Atenção a: Jamie Vardy, Kelechi Iheanacho, Riyad Mahrez, Harry Maguire, Demarai Gray

 SOUTHAMPTON (10)

    Depois de Pochettino e Koeman, Claude Puel revelou não estar à altura dos antecessores e deu lugar ao ex-Alavés, o argentino Mauricio Pellegrino. Oxalá tenha o mesmo sucesso no clube que o quase homónimo Mauricio Pochettino.
    Enquanto Everton e West Ham atacaram o defeso em força, os saints garantiram apenas Lemina. Pouco? Sim, sobretudo se tivermos em conta o dossier van Dijk. O holandês, para nós um dos melhores centrais do mundo, quer dar o salto para um grande (Liverpool, provavelmente) mas o Southampton está determinado em estragar-lhe os planos. "Não jogas por nós, nem por ninguém" parece ser a postura do clube do Sul de Inglaterra, que caso veja que Virgil é um caso perdido, não deveria prolongar mais esta situação, canalizando o dinheiro da sua venda para melhorar a defesa e o meio-campo.
    Quem tem Tadic, Boufal (pode dar o clique a qualquer momento) e Redmond tem criatividade e verticalidade, e Gabbiadini e Charlie Austin são matadores, oferecendo inclusive a Pellegrino a possibilidade de jogar ocasionalmente com os dois avançados em simultâneo. O 10.º lugar seria um desfecho decente, embora algumas coisas possam mudar de acordo com o caso VVD.

Treinador: Mauricio Pellegrino
Onze-Base (4-3-3): Forster; Cédric, Stephens, Yoshida, Bertrand; Romeu, Davis, Ward-Prowse (Lemina); Tadic, Redmond (Boufal), Gabbiadini (Austin)

Atenção a: Manolo Gabbiadini, Dusan Tadic, Mario Lemina, Sofiane Boufal, Nathan Redmond

 CRYSTAL PALACE (11)

    Frank de Boer, Mauricio Pellegrino e Marco Silva são as três novidades nos bancos de suplentes ingleses, e apenas dois deles não estavam na Premier League há poucos meses atrás. O antigo internacional e central holandês fez um brilhante trabalho no seu Ajax, não resultou em Milão, mas promete tornar este Crystal Palace bem mais interessante.
    A chegada do irmão gémeo de Ronald de Boer ganhou já forma através da alteração táctica - o 3-4-3 parece aposta forte. Nesse âmbito, as chegadas de Fosu-Mensah e sobretudo Riedewald fazem todo o sentido, dotando a equipa de maior qualidade a sair a jogar desde trás; van Aanholt é um ala puro mas temos as nossas reticências em relação a Townsend do outro lado (mais um Moses? Ou perderá o lugar?). Quem tem Loftus-Cheek (é o momento certo para se mostrar) e Milivojevic pode lutar fisica e tacticamente no coração do jogo, sendo o goleador Benteke e a grande figura da equipa, Wilfried Zaha, os jogadores de quem esperamos mais. Mas atenção a Lokilo, que parece ter caído no goto do treinador.

Treinador: Frank de Boer
Onze-Base (3-4-3): Hennessey; Fosu-Mensah, Dann, Riedewald; Townsend, Milivojevic, Loftus-Cheek, van Aanholt; Zaha, Benteke, Lokilo  

Atenção a: Wilfried Zaha, Christian Benteke, Loftus-Cheek, Luka Milivojevic, Jason Lokilo

 BOURNEMOUTH (12)

    Não temos dúvidas: Eddie Howe estará a treinar um dos grandes ingleses nos próximos anos. O treinador britânico de 39 anos não se cansa de se transcender, levando o clube a superar os impossíveis e ultrapassar prognósticos época após época, e é bastante bom sinal o facto dos cherries terem hoje melhor plantel, embora ainda sujeito a melhorias.
    Com um futebol que deixa qualquer adepto feliz e contente, será compreensível se o Bournemouth terminar abaixo do 9.º lugar da época passada, sobretudo mediante os bons reforços da concorrência. Mas, fiel à base de jogadores que tem evoluído o clube e feito História, espera-se uma época tranquila para Howe. Juntam-se ao norueguês Joshua King (um dos most improved players na última época) um guarda-redes como o clube merece, Begovic, um veterano que não falha na cara do golo, Defoe, e o menino Aké está agora no clube em definitivo, soltando-se das amarras do campeão Chelsea.
    Teoricamente, sofrerão menos golos, e no plano ofensivo, onde não devemos ignorar Afobe ou até Gradel, muito dependerá do casamento King-Defoe.

Treinador: Eddie Howe
Onze-Base (4-4-2): Begovic; Francis, Steve Cook, Aké, Daniels; A. Smith (Pugh), Arter, Gosling, Stanislas (Fraser, Gradel); King, Defoe (Afobe)

Atenção a: Joshua King, Jermain Defoe, Asmir Begovic, Charlie Daniels, Nathan Aké

 WATFORD (13)

    Marco Silva podia ter arranjado um trabalhinho mais fácil. O técnico português, depois de um quase-milagre no Hull City, assegurou a sua manutenção ao fazer as malas para o Watford (Southampton ou Crystal Palace teriam sido destinos mais interessantes, embora não seja público se houve propostas). A esperança média de vida dos seus antecessores Mazzari e Quique mostram que o clube é pouco paciente: este Watford tem plantel para ficar pouco acima dos lugares de despromoção, mas a Direcção parece ambicionar bem mais. Convém é permitir a mini-revolução que certamente MS gostaria de operar.
    De equipa pouco vistosa e limitada tecnicamente, é natural que os hornets passem a trocar melhor a bola, respeitando o input que o treinador deixa em todas as suas equipas. A defesa continua a parecer-nos francamente incapaz, sobretudo se pensarmos que esta deixará de ser uma equipa de pontapé para a frente e jogo directo para Deeney. Pela positiva, as diferentes opções que existem no miolo (os reforços Chalobah e Will Hughes, mas também Capoue, Pereyra, Cleverley, Behrami, Doucouré) e estamos bastante curiosos para ver o impacto de Andre Gray e Richarlison. O capitão Deeney tem novos amigos.

Treinador: Marco Silva
Onze-Base (4-4-2): Gomes; Janmaat, Kaboul, Britos, Holebas; Pereyra (Amrabat), Chalobah, Capoue (Hughes), Richarlison; Andre Gray, Deeney

Atenção a: Andre Gray, Richarlison, Troy Deeney, Roberto Pereyra, Will Hughes

 NEWCASTLE (14)

    É aqui que o Newcastle pertence. A estadia dos magpies no Championship só durou uma época, e Rafa Benítez (o homem que comandou o Liverpool "naquela" final da Champions), não sendo um treinador que quiséssemos ver num dos emblemas do Top-6, é mais do que treinador para um clube com estas características, História e objectivos.
    O Newcastle quererá por certo ter uma época tranquila, mas Rafa já se queixou que esperava alguns reforços que não está a ter. Teoricamente, o elenco ao seu dispor chega para ficar no meio da tabela: Dwight Gayle (23 golos no Championship ganho pelo clube) e Matt Ritchie (12 golos e 7 assistências) querem mostrar de vez que são jogadores de Premier League, e Ayoze, Atsu e Jacob Murphy são jókers muito interessantes.
    A despromoção seria um falhanço (o plantel do Newcastle é, em teoria e actualmente, superior aos de Huddersfield, Brighton, Burnley, Stoke e Swansea), mas para este regresso à piscina dos grandes terminar com um lugar na primeira metade da tabela, Benítez precisa de uns dois ou três jogadores.

Treinador: Rafa Benítez
Onze-Base (4-2-3-1): Elliot; Yedlin, Lascelles (Clark), Lejeune, Dummett; Shelvey, Hayden (Diamé); Ritchie, Ayoze, Atsu (J. Murphy); Gayle (Mitrovic)

Atenção a: Dwight Gayle, Matt Ritchie, Ayoze, Florian Lejeune, Christian Atsu

 WEST BROMWICH (15)

    Tony Pulis não vai ao fundo. É uma das mais velhas máximas da Premier League.
    O West Brom, depois de uma época cuja primeira metade surpreendeu tudo e todos, continua igual a si mesmo. É difícil esperar grandes jogadas deste conjunto, mas também é fácil esperar vários jogos sem sofrer, grande domínio nas bolas paradas e muitos jogos "chatos".
    A defesa está lá toda, com McAuley e Dawson como super-heróis junto às balizas adversárias, e do meio-campo para a frente a grande novidade é Jay Rodriguez. O atleta do Southampton, cronicamente fustigado por lesões desde o final de 2013/ 14, procura renascer e tem qualidade técnica para isso. Pulis pode até testar a juventude (Leko, Sam Field, Tyler Roberts) mas aconteça o que acontecer a época do WBA não deve fugir ao seu ADN. Rodriguez, Matt Phillips e Chadli são aves raras num elenco que só alterará a sua forma de estar em campo se acrescentar dois, três grandes reforços até final de Agosto.

Treinador: Tony Pulis
Onze-Base (4-2-3-1): Foster; Dawson, McAuley, Evans, Brunt (Nyom); Yacob, Livermore; Phillips, Chadli, Jay Rodriguez; Rondón (Robson-Kanu)

Atenção a: Jay Rodriguez, Matt Phillips, Craig Dawson, Gareth McAuley, Hal Robson-Kanu

 STOKE (16)

    Aqui entre nós, prever o desempenho deste Stoke é das coisas mais difíceis nesta edição. Os comandados de Mark Hughes (treinador do clube desde 2013) não apresentam grande homogeneidade e equilíbrio, não tendo também grandes soluções na hora de ir ao banco.
    No entanto, há Jack Butland. O guardião inglês, ausente de quase toda a temporada passada por lesão, é absolutamente incrível e um forte candidato a salvar a equipa em várias ocasiões. À sua frente, contar com a dupla Shawcross-Zouma promete bastante. Uns metros depois, o Stoke vendeu o indomável Arnautovic e ainda Walters, e até à data só adicionou a velocidade de Choupo-Moting e a experiência de Fletcher ao grupo, recuperando ainda o emprestado Joselu. Em Joe Allen sabemos que podemos confiar, mas a irregularidade de Shaqiri e Bojan deixam-nos reticentes quando analisamos a versão actual desta equipa.
    A verdade é que o Stoke tanto pode acabar à beira da descida, como perto do 10.º lugar. Para que tudo corra bem pede-se a primeira grande época de Saido Berahino no clube e mais caras novas no ataque. A acontecer uma surpresa, arriscamos em Thibaut Verlinden (18 anos).

Treinador: Mark Hughes
Onze-Base (4-2-3-1): Butland; G. Johnson, Shawcross, Zouma, Pieters; Allen, Fletcher; Shaqiri, Bojan, Choupo-Moting; Berahino (Joselu, Diouf)

Atenção a: Jack Butland, Saido Berahino, Kurt Zouma, Eric Choupo-Moting, Joe Allen

 SWANSEA (17)

    Nas últimas temporadas, poucas equipas terão sido tão one-man-team como o Swansea. A qualidade individual do islandês Gylfi Sigurdsson chegou para, praticamente sozinho, segurar o clube do País de Gales na Premier League. O que nos leva a uma grande questão: e se, como tudo indica, Sigurdsson rumar ao Everton?
    Sem o seu 23, os swans perderão um dos melhores cobradores de bolas paradas (tudo... cantos, livres directos, livres indirectos) do mundo e um GPS na hora de encontrar os colegas em posição de finalização. Se ficar, Sigurdsson continuará a ter um peso brutal, comprometido com o clube; mas o mais certo é mesmo a transferência para o Everton acontecer, o que ditará uma cratera no clube. Logo se verá como o Swansea - a acontecer tudo isto - irá abordar o mercado, podendo certamente comprar vários elementos com o dinheiro da venda do seu craque. Perante o actual elenco às ordens de Clement, temos particular interesse em acompanhar a chegada do bigode de Roque Mesa (excelente temporada no Las Palmas, jogador muito intenso) a Inglaterra, podendo Tom Carroll ganhar relevância e Tammy Abraham mostrar que o seu sucesso no Bristol City não foi obra do acaso.

Treinador: Paul Clement
Onze-Base (4-3-3): Fabianski; Naughton, Fernández, Mawson, M. Olsson; Roque Mesa, Fer, Sigurdsson (Carroll); J. Ayew (Routledge), Llorente, Abraham

Atenção a: Gylfi Sigurdsson, Roque Mesa, Tammy Abraham, Fernando Llorente, Tom Carroll

 BRIGHTON (18)

    Das três equipas que vêm do Championship, o Brighton de Chris Hughton foi a que mais qualidade acrescentou ao seu plantel neste defeso. Vice-campeões no segundo escalão inglês (um golo do Aston Villa, na última jornada e aos 89 minutos, tirou-lhes o título), perderam Stockdale mas encontraram no australiano Matt Ryan um substituto à altura, talvez melhor até.
    Quem tem Dunk-Duffy no coração da defesa promete dificultar a vida aos avançados contrários, e a nível ofensivo há soluções com diferentes características e feitios. Ao absolutamente vital Dale Stephens e aos veteranos Sidwell e Glenn Murray, o clube acrescentou o holandês Pröpper, Pascal Groß (estejam atentos a este "armador" de jogo alemão, no ponto para surpreender a Premier League) e ainda o jovem Izzy Brown, que na época passada representou o Hudderfield.
    Impossível não referir também Anthony Knockaert. O francês foi o melhor jogador do Championship, marcou 15 golos e fez 8 assistências. Não vingou quando estava no Leicester, mas agora é outro jogador.

Treinador: Chris Hughton
Onze-Base (4-5-1): Ryan; Bruno, Dunk, Duffy, Suttner; Knockaert, Stephens, Sidwell (Pröpper), Pascal Groß, Izzy Brown (March); Murray (Hemed)

Atenção a: Anthony Knockaert, Pascal Groß, Matthew Ryan, Lewis Dunk, Dale Stephens

 HUDDERSFIELD (19)

    É difícil não gostar de David Wagner como treinador. Eleito Treinador do Ano no Championship 16/ 17, Wagner é um pupilo de Jürgen Klopp, e dos três técnicos das equipas promovidas (todos vêm acrescentar qualidade ao campeonato) Wagner é aquele que temos maior curiosidade, por ser o que pode ter mais "dedo" na performance da sua equipa.
    Uma coisa é certa: estes jogadores vão ter que ser espremidos ao máximo. E muito dependerá do playmaker Aaron Mooy, de um Tom Ince em busca de convencer por fim os ingleses e o mundo do futebol, das assistências do lateral-direito e capitão Tommy Smith, e de Steve Mounié, um gigante que pode fazer estragos já na sua 1.ª época.
    Já não há Danny Ward, há Lössl. Já não há Izzy Brown, há Ince, Mounié e... Depoitre. A manutenção parece difícil, mas já vimos coisas mais estranhas na Premier League.

Treinador: David Wagner
Onze-Base (4-2-3-1): Lössl; Tommy Smith, Schindler, Zanka, Löwe; Mooy, Williams; Kachunga, Palmer (van La Parra), Ince; Mounié

Atenção a: Aaron Mooy, Tom Ince, Steve Mounié, Tommy Smith, van La Parra

 BURNLEY (20)

    Sem reforços, não há milagres. Na época passada, Sean Dyche "espremeu" o plantel do Burnley, surpreendendo-nos bastante. A classificação final (16.º lugar) não traduziu a época segura e bem longe da descida que o clube fez, contribuindo muito para isso o seu excelente comportamento defensivo e um factor casa difícil de descrever - das 11 vitórias conquistadas, 10 foram em casa.
    A retaguarda funcionava como um todo, mas era impossível não destacar o capitão Tom Heaton na baliza, e o central Michael Keane, um dos melhores no jogo aéreo em Inglaterra. Ora bem, Keane rumou ao Everton, e no ataque tínhamos bastantes expectativas para esta segunda vida de Andre Gray, mas Marco Silva levou-o para o Watford.
    Perante tudo isto, o Burnley precisa claramente de encontrar um novo parceiro para Ben Mee na defesa, sendo quase desnecessário dizer que Walters, Jack Cork e Charlie Taylor não chegam para a equipa assegurar a manutenção. O irlandês do Stoke, o médio do Swansea e o lateral do Leeds foram boas aquisições, mas principalmente no ataque há que investir e bem. Vendo o copo meio cheio, esta época pode ser a melhor da carreira de Robbie Brady.

Treinador: Sean Dyche
Onze-Base (4-4-2): Heaton; Lowton, Mee, Tarkowski, Ward (C. Taylor); Arfield, Hendrick, Cork, Brady; Walters, Vokes

Atenção a: Robbie Brady, Tom Heaton, Jonathan Walters, Jeff Hendrick, Ben Mee


por Miguel Pontares e Tiago Moreira

10 de agosto de 2017

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 1

É já amanhã. A Premier League arranca esta sexta-feira às 19:45, com o pontapé de saída a ser dado num interessante Arsenal-Leicester City, e inicia-se também o mais disputado Fantasy do mundo.
    Nos próximos dias publicaremos a nossa profunda e habitual antevisão à nova época, que incluirá previsão da classificação final e destaques individuais esperados, mas para já olhamos apenas para a jornada 1, numa óptica de Fantasy.
    Primeiro, uma novidade. A nível de chips, o Fantasy disse adeus ao All-Out-Atack (não fará muita falta, diga-se de passagem) e substitui-o por uma novidade bastante mais útil: o Free Hit. O Free Hit é basicamente um penso rápido. Um mini wildcard. De uma jornada para outra podemos fazer as transferências que quisermos, mas na jornada seguinte o nosso plantel volta àquilo que era antes do Free Hit. Chamemos-lhe: o efeito Cinderela.
    Com o mercado aberto até ao fim de Agosto, poderá fazer sentido olhar para o Fantasy a três jornadas, aplicando o primeiro wildcard entre as jornadas 3 e 4. Nessa altura, os plantéis estarão fechados, já conhecemos com maior detalhe os elencos e as ideias dos treinadores, e enquanto as selecções disputam o apuramento para o Mundial os nossos plantéis podem ficar a valorizar (£).
    Seja como for, nesta fase importa antecipar tendências. O calendário do Manchester United, por exemplo, deixa antever bons resultados; o Everton, pelo contrário, será fortemente testado e só a partir da jornada 6 abranda a nível de jogos grandes.
    Nesta primeira jornada, o Liverpool desloca-se à nova casa de Marco Silva, o Manchester United acolhe o regresso de Chicharito, e o regresso do Newcastle à Premier League faz-se logo diante da equipa que melhor futebol praticou nas últimas duas épocas (Tottenham).
    Como sempre, desejamo-vos boas escolhas, boa sorte, pensando sobretudo com a cabeça e com a razão mas deixando que um ou outro feeling pessoal vos leve. Senão isto não tinha graça nenhuma. O espectáculo está garantido, afinal, é a Premier League.
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2093875-496478)

Nesta primeira jornada, sugerimos:

Romelu Lukaku - Manchester United - 11.5
     É indiscutível que o United de Mourinho está mais forte. Perdeu (embora ainda possa recuperá-lo) Ibrahimovic, mas Lukaku, Matic e Lindelof acrescentam muita qualidade, entrando todos directamente no onze inicial. Estes reforços, conjugados com o popular "segundo ano de Mourinho" e com o calendário dos red devils em Agosto e Setembro tornam o nosso avançado belga preferido uma escolha quase obrigatória.
    O ex-Everton marcou ao Real Madrid, e na pré-época sobretudo deixou bons sinais, combinando bem com Mkhitaryan e Lingard. Depois de 221 pontos (25 golos e 6 assistências) em 2016/ 17, Lukaku - sim, ele tem apenas 24 anos - tem novas marcas para atingir, e dará muitas alegrias ao treinador português.
    Avaliado em 11.5, abaixo de Kane, acima de Gabriel Jesus e Lacazette, e em pé de igualdade com Agüero, Romelu quererá impressionar os adeptos na estreia oficial em Old Trafford, e as suas características convidam a equipa vermelha de Manchester a focalizar muito do seu jogo em servi-lo.
    Só na jornada 8 é que o Manchester United defronta uma equipa do Top-5 da época passada, e por isso as expectativas são altas para uma boa entrada em competição. Na temporada anterior perdeu o título de melhor marcador para Harry Kane nas últimas duas jornadas; desta vez Lukaku quer certamente embalar desde o apito inicial.


Kevin De Bruyne - Manchester City - 10.0    
     Outro belga. Ao contrário do seu ano de estreia, em relação ao qual esperávamos mais de Guardiola, Pep tem desta vez um plantel completamente feito à sua medida. A defesa foi reformulada, conta com o guarda-redes da actualidade que melhor serve o seu estilo de jogo, e o ataque continua avassalador. Quem tem Agüero, Gabriel Jesus, Sané, Sterling, Bernardo Silva e David Silva está basica e expressamente proibido de ficar em branco em qualquer jogo.
    O calendário do Manchester City é, tal como o rival United, relativamente acessível, embora tenha no espaço das primeiras sete jornadas, confrontos de peso contra Liverpool e Chelsea. Agüero ou Gabriel Jesus é uma das dúvidas dos jogadores de Fantasy, embora até possam jogar ambos, sobrando depois outras questões a meio-campo: o agora carequinha David Silva deve pegar no jogo atrás, Bernardo Silva (veremos se começa ou não a titular) deslumbrará pela magia mas pode ser decisivo no jogo mas não no Fantasy, e entre Sané e Sterling, o alemão está em clara vantagem pela forma como encerrou a temporada passada. Tudo isto nos traz a Kevin De Bruyne, o elemento mais consensual a nível de Fantasy deste City.
    O antigo jogador do Wolfsburgo é um assistente por excelência (21 assistências em 2016/ 17) e é uma escolha segura. Jogará de certeza, tem cantos e livres para si, e estará altamente envolvido na construção/ finalização de muitos lances. É bastante caro, mas faz sentido.


Wilfried Zaha - Crystal Palace - 7.0
    Honestamente, não esperávamos que Zaha renovasse pelo Crystal Palace depois da sua fantástica época passada. O extremo que representa a nível internacional a Costa do Marfim encantou os adeptos em Inglaterra, castigando adversários jogo após jogo, ou não fosse ele um dos jogadores mais fortes no capítulo do drible em terras de Sua Majestade.
    Em 16/ 17 foram 149 pontos (pode fazer melhor desta vez), com 7 golos e 11 assistências. Mas, pelo menos tendo em vista as primeiras cinco jornadas, é claramente apetecível convocar Zaha para as nossas equipas.
    Numa equipa agora orientada por Frank De Boer, que se passou durante a pré-época depois do jogo "amigável" com o West Brom em que acusou os adversários de tentarem lesionar Zaha, o craque tem espaço para explodir de vez. Embora Benteke seja o homem-golo da equipa, este Crystal Palace - a não ser que cheguem alguns reforços de um nível que não esperamos - viverá ofensivamente muito dependente da produção de Zaha. E são este tipo de jogadores que devemos ter no Fantasy.


Willian - Chelsea - 7.0
    Que voltas que o Chelsea deu nesta pré-época. Os blues, campeões em título, deixaram Matic sair, viram Conte dizer adeus a Diego Costa por mensagem, e na supertaça tiveram no guarda-redes Courtois e na novidade Morata dois jogadores a falharem penalties decisivos.
    No meio de tudo isto, Antonio Conte teve duas boas notícias. Willian e Batshuayi, jogadores que podiam estar fragilizados esta época, destacaram-se em praticamente todos os jogos da pré-época. O avançado belga com 5 golos e 3 assistências; o extremo brasileiro com 4 golos e uma assistência.
    Verdade seja dita, se no caso de Batshuayi, o homem do golo do título, esse rendimento foi uma surpresa, no caso de Willian foi apenas o regressar ao nível de outrora. Basta recordarmos o desempenho do brasileiro em 2015-16, ano em que praticamente só ele e Azpilicueta saíram ilesos do desastre que foi a época do Chelsea.
    O Chelsea-Burnley abre a época do campeão, e Willian será titular de certeza. Sem Hazard, é natural que a equipa volte a viver ofensivamente da dupla Batshuayi/ Willian, tendo o camisola 22 o bónus de cobrar os livres dos blues. Willian não é um reforço para longo-prazo, mas no imediato pode recompensar quem acreditar nele.


Christian Eriksen - Tottenham - 9.5
    Não tem muito que saber: Kane marcou 21, 25 e 29 (total de 75 golos) nas últimas três épocas, e parte na pole position para ser o melhor marcador da Premier League outra vez. Muitos utilizadores têm Kane, e tê-lo deveria ser considerado o primeiro passo do guia para um Fantasy tranquilo.
    No entanto, do Tottenham há ainda Dele Alli e Christian Eriksen. Se olharmos neste momento para a % de utilizadores que escolheram cada craque, vemos que quase 40% dos jogadores adquiriram Kane e Alli. Christian Eriksen, nem aos 20% chega.
    O subvalorizado craque dinamarquês é por isso um excelente diferencial. Altamente influente no jogo da equipa que melhor futebol tem praticado em Inglaterra, importa recordar que marcou 8 golos e fez 20 assistências na última época, terminando a apenas 7 pontos da pontuação final do companheiro Alli (218 contra 225).
    Newcastle (fora), Chelsea (casa) e Burnley (casa) são os três primeiros adversários do Tottenham, equipa que tem na sua nova casa - Wembley - um dos maiores desafios desta época.
   


Outras Opções:
- Guarda-Redes: Entre os postes, temos bastante curiosidade de ver a estreia de Ederson (5.5) em solo inglês. O guardião brasileiro brilhou na pré-época - que jogão contra o Tottenham! - e embora seja um dos guarda-redes mais caros do jogo, é também tudo o que se pode querer: um guarda-redes de equipa grande com elevada probabilidade de ter clean sheets, que certamente fará muitas defesas, podendo até fazer uma assistência num daqueles pontapés de super-herói.
    Depois, Asmir Begovic (4.5) é outro estreante que pode ser decisivo no WBA-Bournemouth. Pickford, Courtois, Forster e De Gea são nomes a considerar.

- Defesas: Na defesa, é sensato antecipar alto rendimento de Marcos Alonso (7.0), resta saber se compensa pagar tanto já por um defesa. Victor Lindelöf (5.5) é uma excelente opção - não é fácil encontrar um central titular de equipa candidata ao título por este preço -, Sead Kolasinac (6.0) mostrou na community shield que quer entrar já nas contas de Wenger, e o excelente calendário do Southampton leva-nos a olhar para Yoshida e Bertrand.
    Vincent Kompany (6.0) e Kyle Walker são os citizens mais tentadores, Charlie Daniels (5.0) leva ligeira vantagem sobre Aké, e o jovem Holgate pode preencher para já a vaga do lesionado de longa duração Coleman.

- Médios: Entre médios, já referimos quatro. De Bruyne, Zaha, Willian e Eriksen. Mas devem estar particularmente atentos ao ataque do Liverpool, sobretudo Sadio Mané (9.5) e Mohamed Salah (9.0), e Alex Iwobi (5.5) pode ser um diferencial bem interessante nestes primeiros jogos do Arsenal.
    Lukaku espera contar com Henrikh Mkhitaryan (8.0) ao nível que exibiu na pré-época, Sané e Bernardo Silva têm uma palavra a dizer na constituição dos vossos plantéis, e depois temos um feeling que Davy Klaassen (7.5) deve arrancar em grande a sua aventura inglesa.
    Tom Ince, Pedro e Tadic não são cartas fora do baralho.

- Avançados: Ter dois avançados entre o já referido Lukaku, e ainda Harry Kane (12.5), Antoine Lacazette (10.5) e Gabriel Jesus (10.5) parece o caminho para o sucesso sem complicar muito.
    A piada, no entanto, está em arriscar um pouco. E para ter um meio-campo de qualidade superior, será fundamental confiarem também em nomes como Manolo Gabbiadini (7.0) e Wayne Rooney (7.5). Benteke pode dar as boas-vindas ao Huddersfield, Batshuayi quer agarrar a oportunidade, partindo para já à frente de Morata, e Jay Rodriguez é um activo para terem nas vossas watchlists.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): Ederson; Daniels, Lindelöf, Holgate; Mané, De Bruyne, Zaha, Eriksen, Willian; Gabbiadini, Lukaku

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Arsenal v Leicester City - Antoine Lacazette; Alex Iwobi
Watford v Liverpool - Sadio Mané; Mohamed Salah
Chelsea v Burnley - Marcos Alonso; Michy Batshuayi
Crystal Palace v Huddersfield - Wilfried Zaha; Tom Ince
Everton v Stoke - Wayne Rooney; Davy Klaassen
Southampton v Swansea - Manolo Gabbiadini; James Ward-Prowse
West Brom v Bournemouth - Charlie Daniels; Asmir Begovic
Brighton v Manchester City - Kevin De Bruyne; Leroy Sané
Newcastle v Tottenham - Harry Kane; Christian Eriksen
Manchester United v West Ham - Romelu Lukaku; Henrikh Mkhitaryan