Antevisão da Barclays Premier League 2017/ 18

Não há nada como a Premier League. Quem vai conquistar a liga mais competitiva do planeta? Que jogadores se vão destacar? As previsões do Barba Por Fazer estão todas aqui.

Antevisão da Liga NOS 2017/ 18

Quem vai ganhar entre Benfica, Porto e Sporting? O Barba Por Fazer dá-te a mais completa análise à nova época do futebol português.

Crítica: Dunkirk

Não é o melhor filme de Christopher Nolan, mas é o melhor desde os últimos óscares. Se só puderem ir ao cinema uma vez até ao fim de 2017, escolham a experiência que é ver Dunkirk.

Revisão: Better Call Saul (3ª Temporada)

Uma obra-prima paciente. E a melhor série da primeira metade de 2017.

Emmys Barba Por Fazer 2017: Nomeados

Entre os nomeados dos primeiros Emmys BPF, destaque para as várias nomeações de Better Call Saul, The Leftovers, The Night Of, Master of None e Atlanta.

30 de setembro de 2016

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 7

Aproveitem estes 3 dias, uma vez que se aproxima mais uma exasperante pausa para compromissos internacionais. Klopp odeia-as, e nós também (excepto aqueles 2 segmentos de 90 minutos em que depois d'A Portuguesa' cantada, torcemos por Portugal até ao limite).
    Antes da Premier League se despedir até dia 15, temos uma 7.ª jornada que coloca frente-a-frente o 1.º (Manchester City) e o 2.º (Tottenham) classificados actuais. O City de Guardiola empatou 3-3 na Champions com o Celtic - primeiro jogo sob o comando de Guardiola que os citizens não venceram - e terá um extraordinário desafio em White Hart Lane. Os spurs de Pochettino, sem Kane, são a melhor defesa do campeonato e parecem formar, juntamente com o Liverpool, a dupla de equipas com alguma capacidade e características (é necessária uma enorme intensidade e pressão alta para ombrear com o modelo deste City) que se podem revelar complicadas para Pep contornar.
    De resto, embora enfrentem desafios de grau de dificuldade diferente, Manchester United, Liverpool, Arsenal, Chelsea e Everton são todos favoritos nos seus jogos, tendo talvez a equipa de Antonio Conte o desafio mais significativo ao jogar em casa do Hull City. Escusado será dizer que o West Ham terá nova janela de oportunidade para mudar o rumo da sua vida, ao receber o Middlesbrough. Os hammers estão num impensável 18.º lugar, com uma vitória e 5 (!) derrotas.
    No capítulo das lesões, De Bruyne é a baixa mais significativa, ele que abandonou o relvado no jogo diante do Swansea como jogador com maior pontuação no Fantasy (49 pts) esta época. Puxando a cassete atrás, a jornada 6 foi um oásis para jogadores do Liverpool - Lallana fez 15 pontos, Milner 14 e Coutinho outros 14. Agüero e Defoe foram os avançados com maior pontuação, Alexis Sánchez e Son Heung-Min deram sequência ao bom momento de forma recente. Na defesa, Bellerín recordou-nos porque é que custa 6.5 (enorme profundidade, integrando-se sistematicamente na dinâmica ofensiva do Arsenal, situação que voltou a ser evidente a meio da semana com o Basel) e Michael Keane fez o primeiro golo na Premier League (o central do Burnley marcou 5 golos no Championship em 2015/ 16).
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


As nossas apostas para a 7.ª jornada são:

Zlatan Ibrahimovic - Manchester United - 11.5
    Mais de 160 mil de jogadores já o venderam nesta ronda, mas a lógica diz que faz sentido manter Zlatan. Pelo menos mais este jogo.
    É certo que Rashford tem sido o melhor avançado do United nos últimos jogos, mas se Ibrahimovic quer voltar ao nível que apresentou nas jornadas inaugurais (quando carregou a equipa de Mourinho com a sua qualidade individual e eficácia) a deslocação do Stoke a Old Trafford parece o cenário perfeito.
    Com 15 golos sofridos em 6 jogos, os potters são a segunda pior defesa da Premier (pior só o West Ham, com 16) e, tal como apenas o Sunderland, uma equipa ainda sem qualquer vitória. Mesmo imaginando que Shawcross irá "policiar" Ibra, a estabilidade defensiva do Stoke é nula neste momento, a confiança está em baixo e os red devils podem trabalhar em cima disso, procurando repetir a fórmula que derrotou o Leicester por 4-1.
    Com Mata incorporado no onze e Rashford cada vez mais indiscutível, é expectável que o United crie mais oportunidades e jogue bastante mais de acordo com o seu ADN histórico do que aquele futebol que foi arrastando até cair perante City e Watford. Com a equipa mais subida no terreno (em condições físicas, Mkhitaryan tem obrigatoriamente que ser titular!), Zlatan terá mais lances e pode muito bem bisar neste Domingo. A partir da jornada 8, Agüero é 100% obrigatório. Por isso mesmo, e para quem não opta por ter ambos, esta pode ser a derradeira chance antes do adeus do sueco a muitas equipas.


Theo Walcott - Arsenal - 7.5
    A vida do britânico Theo Walcott no Fantasy sempre foi e sempre será a mesma. Quando está bem e fresco, a tendência é Walcott prolongar essas fases durante algum tempo com registos fantásticos regulares. A boa notícia é que o extremo-direito do Arsenal atravessa um desses períodos.
    Com muita confiança, jogadores em sintonia e bom futebol, os gunners impressionaram na vitória por 3-0 diante do rival Chelsea, e voltaram a passar a ferro outro adversário (2-0 ao Basel, embora pudessem ter sido muitos mais golos) na Champions. Juntando a isto, os próximos 4 jogos podem ajudar o Arsenal a tornar coesa a sua candidatura ao Top-4, com visitas a Burnley e Sunderland espaçadas por dois jogos em casa diante de Swansea e Middlesbrough.
    Seja como for, é evidente que Alexis Sánchez é a opção nº 1 do Arsenal. O chileno está em grande, actua a avançado e a tendência é continuar. Cazorla tem o bónus de marcar grandes penalidades, mas a moldura actual eleva Walcott e Özil a bons diferenciais. O herdeiro do 14 de Henry conta já 3 golos e duas assistências nesta edição da PL, e depois de marcar e assistir contra o Hull e marcar ao Chelsea, voltou a brilhar diante do Basel ao marcar os 2 golos do Arsenal, ambos com assistência de Sánchez. O problema é o mesmo de sempre - uma lesão pode travá-lo a qualquer momento. Mas faz sentido apostar em Walcott quando este parece imparável jogo após jogo.


Philippe Coutinho - Liverpool - 8.2
    Um dos principais dilemas deste Fantasy 16/ 17, que apenas será respondido pelo tempo é: que médio do Liverpool devemos escolher?
    Os candidatos são 5, embora apenas quatro façam realmente sentido. Milner marca penalties e beneficia, tal como Clyne, da elevada projecção ofensiva dos laterais das equipas de Klopp, mas ao estar "escondido" a defesa esquerdo, o sub-capitão do Liverpool é menos apetecível do que Mané, Firmino, Coutinho e Lallana.
    Ora bem, Lallana tem sido porventura o mais consistente - o jogo passa irremediavelmente por ele, parece estar em todo o lado, mas nem sempre é jogador de última ligação (por vezes cria o desequilíbrio, mas não é o finalizador nem o jogador de último passe). Os números dizem que é Firmino o mais criativo, beneficiando do facto de jogar várias vezes a falso 9, mas depois surge a imprevisibilidade, velocidade e acutilância de Mané, um diabrete à solta em todos os jogos, e Coutinho.
    Para já, ainda consideramos Coutinho o principal candidato a brilhar. É certo que o passado diz que Coutinho tende a ser um cometa que dá muitos pontos de cada vez que engata, não dando pontos com a regularidade desejada. Mas o calendário é bom, e o craque brasileiro é não só o melhor jogador dos reds como o jogador com maior liberdade para ousar rematar à baliza.


Jermain Defoe - Sunderland - 7.2
    Pouco há a dizer sobre Defoe. Numa fase em que Agüero está de volta, e que elementos como Ibrahimovic, Lukaku ou Diego Costa têm feito golos, é curioso verificar que na antevisão da jornada 7, Defoe contabiliza os mesmos pontos que Ibra e apenas menos 1 que Agüero (avançado com mais pontos, mesmo tendo 2 jogos a menos, para se perceber a sua importância e potencial).
    O predador do Sunderland já marcou 4 golos, dois deles no último fim-de-semana na derrota caseira por 2-3 com o Palace. O adversário desta jornada dá pelo nome de West Brom, e o jogo tem tudo - na teoria - para ser fechado e com poucas oportunidades de golo, mas se o Sunderland conseguir ultrapassar a muralha de Tony Pulis, será muito provavelmente por intermédio do veterano Jermain Defoe.


Troy Deeney - Watford - 7.0
    Outro avançado que pode servir como diferencial nesta fase é o capitão do Watford, Deeney. O portentoso avançado que praticamente não perde uma bola no ar, e que vive em sacrifício constante em nome da equipa, marcando as grandes penalidades na mesma, começou bem e já tem 2 golos num início de campeonato muito positivo e surpreendente (o Watford tem 7 pontos e está em 11.º, mas já derrotou United e West Ham, e dificultou a vida ao Chelsea).
    Embora seja o inesperado Capoue a roubar os holofotes nos últimos tempos, a sequência Bournemouth (casa), Middlesbrough (fora), Swansea (fora) e Hull (casa) consistirá no teste perfeito para a equipa agora treinada por Mazzarri, e a dupla Deeney-Ighalo deve molhar a sopa várias vezes neste período.



Outras Opções:
- Guarda-Redes: Na baliza, a tendência deve ser apostar num guardião barato como Jordan Pickford (4.0) ou Ben Foster (4.7) que, curiosamente, se enfrentam este Sábado.
    David De Gea (5.5) tem boas hipóteses de clean sheet, bem como Petr Cech (5.5) - o Burnley surpreendeu e venceu categoricamente o Watford por 2-0 na passada segunda-feira, mas a ausência de Andre Gray deve pesar diante do Arsenal. Gomes também é hipótese, e começa a fazer sentido pensarem em transferir quando for possível o alemão Loris Karius (4.9) para o vosso plantel. É importante confirmar que o guarda-redes do Liverpool permanece titular, mas abaixo de 5.0 não se encontrará melhor para já (na mesma onda, Butland, agora avaliado em 4.8, pode ser uma "pechincha" quando voltar, desde que o Stoke cresça).

- Defesas: Na defesa, o preço é elevado mas Héctor Bellerín (6.5) deve destacar-se da concorrência no espaço das próximas 4 jornadas. O espanhol é a locomotiva que já se conhece, com critério e irreverência no ataque e assertividade a defender (grande corte numa transição defensiva contra o Chelsea!) e o carrossel ofensivo do Arsenal está bem oleado.
    Com Baines riscado, Seamus Coleman (5.5) é a melhor opção do Everton, enquanto que no Manchester United as dúvidas surgem entre Valencia e Daley Blind (5.6). Não há certezas sobre a inclusão de Shaw, mas não fará sentido Mourinho abdicar de Blind depois do holandês ser determinante contra o Leicester.
    Entre Sunderland e WBA, van Aaanholt e McAuley são quem apresenta maior potencial ofensivo, embora em tipos de lances diferentes; e seguindo a mesma lógica, Nathaniel Clyne (5.5) e José Holebas (4.5) podem representar perigo junto das balizas contrárias.

- Médios: Entre médios e extremos, Alexis Sánchez (11.2) acima de qualquer outro. O chileno está em grande, parece criar perigo em qualquer momento que tem a bola, e neste momento tem totalmente assimilado o que a função de falso 9 pede, incorporando bem o ataque e construindo situações constantes com Walcott, Iwobi e Özil.
    No Liverpool, referimos Coutinho mas poderíamos também eleger Adam Lallana (7.2) ou Sadio Mané (9.0), tendo o inglês a vantagem do preço; estamos convictos de que é desta que o West Ham entra nos eixos, apoiado em Michail Antonio (7.3) e Dimitri Payet, e faz sentido continuar a olhar para Capoue.
    No Tottenham-M. City, muita atenção ao incrível momento que Son Heung-Min (7.5) está a viver, e na equipa de Manchester, Raheem Sterling (8.6) leva actualmente vantagem sobre qualquer outro jogador da equipa, excepto Agüero, e com KDB lesionado. Hazard, Willian, Snodgrass, Bolasie, Chadli, Mata e Mahrez poderão também brilhar.

- Avançados: Embora seja quase certo que Kun Agüero (13.0) marque ao Tottenham, é bastante improvável que o faça por várias ocasiões, dada a qualidade defensiva dos spurs. Por isso, excepcionalmente, Ibrahimovic e até talvez Romelu Lukaku (9.3) apresentam maior potencial de pontos do que o argentino. O risco de não ter Agüero é simples - há mais de 40% de equipas com ele, percentagem que irá subir bastante nas próximas duas semanas.
    Falámos de Defoe, falámos de Deeney, e por isso há ainda a considerar o incendiário Diego Costa (10.0) e, numa aposta mais ousada, Islam Slimani (8.5).



------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): Karius; Coleman, Bellerín, Blind; Sánchez, Walcott, Coutinho, Capoue, Mata; Ibrahimovic, Lukaku

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Everton v Crystal Palace - Romelu Lukaku; Yannick Bolasie
Swansea v Liverpool - Philippe Coutinho; Sadio Mané
Hull City v Chelsea - Eden Hazard; Willian
Sunderland v West Brom - Jermain Defoe; Nacer Chadli
Watford v Bournemouth - Etienne Capoue; Troy Deeney
West Ham v Middlesbrough - Michail Antonio; Mark Noble
Manchester United v Stoke City - Zlatan Ibrahimovic; Marcus Rashford
Leicester City v Southampton - Riyad Mahrez; Islam Slimani
Tottenham v Manchester City - Kun Agüero; Son Heung-Min
Burnley v Arsenal - Alexis Sánchez; Theo Walcott

26 de setembro de 2016

Revisão: 'Mr. Robot' (2.ª Temporada)

Criado por
Sam Esmail

Elenco
Rami Malek, Christian Slater, Portia Doubleday, Martin Wallström, Carly Chaikin, Stephanie Corneliussen, Grace Gummer, Michael Cristofer, BD Wong, Craig Robinson, Joey Bada$$

Canal: USA

Classificação IMDb: 8.7 | Metascore: 81 | RottenTomatoes: 94%
Classificação Barba Por Fazer: 85


- Abaixo podem encontrar Spoilers - 
A História: 
    Passou tão depressa. O ilusionista e visionário Sam Esmail brindou-nos com uma segunda temporada de 'Mr. Robot' resvés com o nível da season de estreia (talvez pese a perda do "factor novidade", e um último episódio ao qual pareceu faltar algo), novamente a puxar pela imaginação e pelas teorias dos fãs, com muitas perguntas entretanto respondidas, e ainda mais que ficam por responder até 2017.
     A jornada do revolucionário e atormentado Elliot Alderson (Rami Malek, vencedor do Emmy de Melhor Actor no passado dia 18) acumulou distracções e enigmas, avançando devagarinho até uma Fase 2, com Elliot a demorar a voltar a confiar em nós (sim, a 4.ª parede continua a ser quebrada com mestria e originalidade, "jogando" com o facto de estarmos a ser ora manipulados a nível de percepção, ora levados ao limite com as dúvidas internas do protagonista). A identidade da série continua imaculada, única e digna de inspirar tendências e gerar um novo paradigma - nunca é demais elogiar o trabalho de Mac Quayle na banda sonora, e de Todd Campbell na Fotografia, sendo desta vez todos os episódios realizados pelo criador Sam Esmail.
    Recapitulemos: quando a primeira temporada terminou, não sabíamos de Tyrell Wellick (Martin Wallström), nem quem estava a bater à porta de Elliot (tornaram-se uma espécie de tradição em 'Mr. Robot' os misteriosos Knock, Knock, who's there?) e já estavam a ser dadas as primeiras pistas para a progressiva transformação de Angela (Portia Doubleday). O paradeiro de Tyrell é, de resto, mantido em segredo durante 90% desta temporada, deixando os espectadores à beira de um ataque de nervos, num limbo de dúvidas, suspeitas, teorias e paranóias criadas por Esmail através da dinâmica Elliot - Mr. Robot (Christian Slater).
    Em termos de acção, a 2.ª temporada não faz a história avançar muito, também pela necessidade de retirar o foco de Elliot, deixando-nos acompanhar os conflitos e objectivos de cada tentáculo da revolução de forma isolada - Darlene (Carly Chaikin) tenta liderar o movimento da Fsociety e falha, peões como Mobley e Trenton procuram sobreviver, Joanna (Stephanie Corneliussen) procura Tyrell enquanto leva a cabo o seu próprio plano B, e Angela flutua, de olhar perdido no vazio, entre as várias forças envolvidas. A tudo isto juntam-se novas personagens - Dom (Grace Gummer, filha de Meryl Streep), uma agente do FBI solitária mas incansável no alcance dos seus objectivos; Leon (o músico Joey Bada$$), um afro-americano que discute Seinfeld à mesa e que tem um papel mais relevante do que à primeira vista parece; e Ray (Craig Robinson), que acaba por cumprir o papel que Vera teve na primeira temporada, ou seja, humanizar Elliot através de conflitos morais num subplot que alimenta a primeira metade da temporada.

    De hoodie vestido e capucho na cabeça, Elliot acaba por nos dar uma temporada em cheio. Cria rotinas para se distrair da prisão em que se torna a sua vida, abraça e entrega-se a Mr. Robot, confiando neste até perceber que se enganou a si mesmo. No que diz respeito ao jogo China vs EUA - quando analisada a acção num plano económico e mais amplo - a temporada fecha com a explicação concreta daquilo em que consiste a Fase 2, com Dark Army, Mr. Robot, Tyrell e Angela envolvidos; e se na primeira season não chegámos a ver o ataque (os 3 dias continuam em falta), desta vez Esmail guarda para 2017 um edifício em vias de explodir, enquanto uma arma é apontada (as referências a Fight Club continuam mais do que claras, embora por vezes sirvam de curva antes da contra-curva).
    
    
A Personagem: Angela Moss (Portia Doubleday).
    Que fique claro: a melhor personagem de 'Mr. Robot' é Elliot. A mais exigente e com melhor performance em termos de interpretação. No entanto, e para não elegermos Elliot todas as temporadas, faz sentido pensar naquela que mais evoluiu ou que mais marcou esta.
    Duas das novidades - Dom e Leon, sobretudo a primeira que rouba qualquer cena em que entre - mereciam este estatuto, e mesmo Tyrell acaba por vincar a sua importância graças à sua ausência prolongada. Queremos sempre ter aquilo que não temos.
    Mas sejamos justos. Esta foi uma temporada de mulheres - Angela, Joanna, Dom e Darlene. Sam Esmail é mestre a construir personagens femininas, fortes e diferentes de tudo o que já se viu, e enquanto Elliot combate os vários bloqueios que tem, acabam por ser elas a acelerar a história cada qual com a sua ramificação. Joanna muda num segundo de sexy para assustadora, Dom é uma das grandes novidades da televisão em 2016 e tem muito para dar à série, e Darlene perdeu uma parte importante da sua vida, podendo não viver bem com o facto da revolução ser uma parceria Tyrell-Elliot e não apenas um projecto dela e do irmão.
    No entanto, se há personagem que intriga nesta season 2 essa personagem é Angela. Alguém que no começo da série parecia tão fácil de ler, com pouco preenchimento, camadas ou mistério, mas que neste momento é o jóker de 'Mr. Robot'. Para além de Portia Doubleday ser uma boa rapper - e de nos dar na série um suave e improvável momento musical com "Everybody wants to Rule the World" -, nesta fase Angela é um enigma, um puzzle como a própria série. Oscila entre Price e White Rose, entre implodir a E-Corp ou fazê-lo de fora, entre a sua ambição e a noção de justiça, entre beijar Elliot ou ser o seu Judas.
    Para tudo isto muito contribuem aqueles 28 minutos de conversa entre White Rose e Angela. Numa cena com vibrações de Blade Runner digna de nos deixar "não estou a perceber nada disto, mas continuem porque estou viciado", a principal pergunta que fica para o futuro é o que terá White Rose dito à melhor amiga de infância de Elliot para a transformar num ápice.
     

O Episódio: 10 'h1dden-pr0cess.axx'.
    Num conjunto de 12 episódios (unm4sk e pyth0n divididos cada um em duas partes, o que talvez tenha prejudicado a finale) podemos considerar que o sétimo episódio - h4ndshake.sme - acaba por equivaler ao que wh1ter0se foi na primeira temporada, com a oficialização das suspeitas e desvendar da primeira ilusão. Claro está que, com Esmail, quando este nos confirma algo, acrescenta logo uma revelação que ninguém estava à espera.
    Sem esquecer a coragem de abrir um episódio como sitcom, e embora se possam identificar variadíssimos momentos soltos incríveis espalhados pelos vários episódios (Scott Knowles com a máscara a queimar o dinheiro ao som de Phil Collins, o monólogo de Elliot sobre Deus, o desespero de Susan Jacobs na casa-inteligente, todos à mesa ao som de "Basket Case", Angela na sala do questionário, Joanna a levar Scott ao extremo, e várias cenas filmadas em plano-sequência a demonstrar a enorme qualidade de todas as partes envolvidas na série), o ritmo e a montagem dos minutos finais no 10.º episódio destacam-no. Esmail tem aquela rara capacidade que Vince Gilligan desenvolveu ao longo de Breaking Bad em gerar enorme intensidade e tensão nas sequências finais dos episódios, deixando-nos a salivar por novo episódio com um conjunto de cenas que parecem impossíveis de encaixar em tão pouco tempo. H1dden-pr0cess.axx tem isso mesmo - Dom à procura de Darlene e Cisco, o encontro de Elliot e Angela no metro, e por fim a chegada dos soldados do Dark Army ao restaurante onde estão Dom, Darlene e Cisco, com o ponto de vista perfeito em termos de câmara.


O Futuro: 
    Uma explicação possível para faltar sabor à season finale prende-se com o facto de Sam Esmail utilizar as duas partes do episódio em que é invocada a estratégia-Píton para nos criar muitas dúvidas e perguntas, não respondendo sequer a todas as que já tínhamos. Paciência, é televisão e resta-nos esperar. O homem tem um plano, e é um génio suficiente para respeitarmos os tempos que ele impõe.
    Um ano depois sabemos que Tyrell está vivo, e que é real (Esmail utilizou bem as dúvidas que foi plantando para apertar connosco e com Elliot), e sabemos aquilo em que consiste a Fase 2. No entanto, não fazemos ideia do que vai na cabeça de Angela, nem do que se passou nos minutos que não vimos da sua conversa com White Rose, importa perceber o porquê de estar um invólucro de bala na Fsociety e em que direcção vai o FBI tendo já uma teia tão definida e consciente (Elliot já está no quadro, embora o epicentro seja Tyrell e não ele). E, claro, continua o mistério em redor do que realmente representa o dossier Washington Township Plant.
    Graças à cena pós-créditos, a chegada de Leon junto de Mobley e Trenton desencadeia dois cenários - ou os protege, ou os mata, mas considerando o modus operandi do Dark Army é mais provável a primeira opção. Veremos se a 3.ª temporada terá alguma ilusão/ enigma camuflado ou se será mais linear deixando a acção avançar mais, sendo certo que teremos mais Tyrell, mais informação sobre Dom, e a fricção entre Elliot e Mr. Robot deve-se intensificar, seja de que maneira for.

    Agora é respirar fundo, e aguardar. Elliot, Mr. Robot, Tyrell, Angela, Darlene, Dom, Joanna, White Rose, Leon - e quem sabe novas personagens - voltam em 2017. Até lá, aconselhamos que façam como Elliot, arranjem a vossa própria rotina para se distrairem da ausência deste momento semanal, e de capucho posto experimentem daqui a uns tempos um binge watch da temporada toda. Foi inferior à primeira? Ligeiramente, mas a introdução de tantas novas questões, de alguma confusão e várias pedras no sapato era necessária para o sucesso das próximas temporadas. Aquele "I Love him" de Tyrell, poderíamos dizê-lo nós relativamente ao talento e visão de Sam Esmail.

23 de setembro de 2016

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 6

Já cá estamos outra vez. A sexta jornada da Premier League está já aí à porta, com um Sábado carregadinho de futebol (8 jogos!) e vários embates de relevo - há derby londrino entre Arsenal e Chelsea, o Manchester United recebe o campeão em título Leicester, numa reedição da supertaça, e há ainda espaço para um West Ham-Southampton. Um duelo entre duas equipas que muito têm crescido nos últimos anos, mas cujo início de campeonato tem desiludido. Especialmente os hammers.
    A jornada 6 fica ainda marcada pelo regresso de Sergio Agüero, de quem falaremos mais abaixo, num período em que a tendência dos jogadores de Fantasy tem sido abdicar de Hazard, do lesionado Kane e de avançados abaixo do rendimento inicial como Zlatan e Negredo, privilegiando o trio do City - De Bruyne, Agüero e Sterling -, um dos inesperados melhores marcadores (Michail Antonio) e arranjando orçamento para um trio de ataque poderoso com a aquisição de Capoue.
    Olhando para a tabela e para os jogos desta ronda, o mais provável será o Manchester City continuar 100% vitorioso com Guardiola, enquanto que Liverpool, Everton e Tottenham (veremos como corresponde Janssen ao substituir Kane, ou se Pochettino opta por um ataque móvel) são favoritos nos seus jogos. O United de José Mourinho, com duas derrotas nas últimas duas jornadas, quererá retomar o caminho certo, e é inevitável que todos os caminhos vão dar ao Emirates Stadium, com o 4.º (Arsenal) e o 5.º (Chelsea) a medirem forças numa altura em que têm o mesmo nº de pontos (10).
    Quando analisados momentos de forma - traduzidos em números de Fantasy - saltam à vista no presente De Bruyne, Lukaku, Sterling, Alexis Sánchez, Antonio, Capoue e Diego Costa, mas faz sentido continuar a monitorizar elementos como Chadli, Son e, claro está, os vários médios do Liverpool quando se aproxima uma sequência promissora para a turma de Klopp.
    Na última jornada Nacer Chadli estabeleceu um novo máximo individual em 2016/ 17 - 21 pontos - com 2 golos e duas assistências na vitória de 4-2 do WBA sobre o West Ham. Quem também brilhou foi Kevin De Bruyne (14 pts), que voltou a somar 1 golo e uma assistência embora tenha estado envolvido em todos os golos da goleada dos citizens. Sterling acompanhou De Bruyne no brilhantismo, enquanto que Townsend, Walcott, Slimani, Lukaku, Fuchs, Coleman e Zuñiga foram também destaques nos seus jogos.
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


As nossas apostas para a 6.ª jornada são:

Etienne Capoue - Watford - 5.0
    O médio do Watford é, aos 28 anos, a grande surpresa e sensação deste início de época no Fantasy. Com 44 pontos em 5 jornadas (mais 5 do que o segundo classificado, Kevin De Bruyne) Capoue marcou em 4 dos 5 jogos disputados, conseguindo também Bónus por quatro ocasiões (3 vezes Bónus 3, e uma vez Bónus 2).
    Actualmente avaliado em 5.0 - iniciou a época a 4.5 - o médio do Watford começa a tornar-se um jogador obrigatório, representando ainda a possibilidade de investir noutras áreas do plantel. Mantemo-nos convictos que o estado de graça de Capoue não será eterno (o momento que Mahrez conseguiu prolongar, em nada se pode comparar a Capoue, jogador menos envolvido no processo ofensivo) mas o ex-Tottenham e Toulouse já justifica o estatuto de 4.º médio, e não apenas de quinto médio.
    Depois de marcar a Southampton, Chelsea, West Ham e Manchester United, aproximam-se agora cinco jogos bastante apetecíveis para que o Watford e Capoue continuem o seu momento surpreendente - Burnley (fora), Bournemouth (casa), Middlesbrough (fora), Swansea (fora) e Hull (casa). Se há fase para acreditar em Capoue, Deeney, Ighalo, Pereyra ou Holebas, é agora.


Sadio Mané - Liverpool - 9.0
    É sempre ingrato arriscar no médio do Liverpool com maior potencial para roubar os holofotes. Por esta altura, Coutinho segue isolado com 27 pontos, tendo Lallana 25, Roberto Firmino 24 e Mané 22.
    O adversário desta jornada é o Hull, que marca o início de um longo período capaz de deixar água na boca dos adeptos dos reds. Entre esta jornada e a 19 o calendário é bem favorável, faltando apenas perceber se a equipa de Klopp consegue finalmente ser regular, mantendo o nível que apresenta nos jogos grandes diante de equipas de menor nomeada.
    Com Coutinho a ser o médio mais rematador com frequência e Lallana a perfilar-se como a melhor relação qualidade/ preço, a tendência natural seria recomendar Roberto Firmino - o jogo passa muito pelos seus pés e ao contrário de Coutinho, que muita tenta de meia distância, Firmino é por várias vezes ou o jogador que define com último passe, ou o último receptor da jogada dentro de área. Posto isto, e olhando concretamente para o encaixe entre Liverpool e Hull City, parece-nos que o senegalês Sadio Mané é a opção nº 1. Quer Klopp coloque Sturridge/ Origi, quer opte por uma frente móvel e recheada de médios, Mané deverá sempre ser titular. E é difícil imaginar um bom jogo do Liverpool sem a electricidade e fome constante de Mané.


Dimitri Payet - West Ham - 9.4
    Não pensem que Michail Antonio não é a melhor opção dos hammers neste momento. É. O extremo que o West Ham contratou ao Nottingham Forest é nesta fase o melhor marcador da Premier League (5 golos, tantos como Diego Costa) e com 3 jogos em casa nos próximos 4 tem tudo para manter a bitola elevada.
    Mas se olharmos para os 2 últimos jogos - com desfechos negativos e surpreendentes (derrotas com Watford e WBA, ambas por 4-2) - verificamos que os 4 golos apontados tiveram sempre o mesmo assistente, Dimitri Payet.
    O francês, craque-mor do West Ham, que decidiu a meio da semana a qualificação na EFL Cup com um livre directo nos descontos, deve continuar a acumular boas pontuações. Será chocante se o West Ham não melhorar substancialmente no próximo mês, e Payet serve assim como um bom diferencial.


Lamine Koné - Sunderland - 4.5
    A recepção do Sunderland ao Crystal Palace está bem longe de ser uma clean sheet garantida. Os black cats, esta época treinados por David Moyes, moram no 19.º lugar com apenas 1 ponto, registo idêntico ao último classificado Stoke.
    Tem sido apanágio nas últimas épocas o Sunderland operar um milagre na segunda volta, e tem sido igualmente frequente a importância dos jogos em casa, alcançando vitórias ou empates em momentos inesperados. Assim, se há momento em que se pode confiar (ligeiramente) nos homens da rectaguarda de Moyes será nesta sequência - C. Palace (casa), WBA (casa), Stoke (fora).
    Patrick McNair brilhou ao apontar 2 golos a meio da semana, van Aanholt oferece sempre incrível profundidade e envolve-se no ataque pelo corredor esquerdo, o guardião Pickford (4.0) ajuda a aliviar orçamento, mas a nossa aposta pessoal é mesmo o central Lamine Koné. O costa-marfinense tem a seu favor o potencial para atrair Bónus, e junta a isso o perigo que representa nas bolas paradas ofensivas.


Kun Agüero - Manchester City - 13.0
    Demasiado bom para não o ter. Depois de cumprir os jogos de suspensão, Agüero regressa este fim-de-semana para defrontar o Swansea, e o City - que, com Iheanacho e médios goleadores como KDB e Sterling, mostrou saúde sem o seu ponta-de-lança titular - só ganhará com isso.
    Alguns activarão o Wilcard para fazer alguma ginástica que permita o regresso de Kun, outros arriscarão perder pontos, e haverá ainda jogadores que optem por poupar transferências para o recuperar dentro de uma, duas jornadas (quando o preço for superior, é certo).
    A verdade é que se a partir da jornada 8 Agüero é verdadeiramente imprescindível - inicia aí uma sequência de 3 jogos caseiros em 4 - mesmo até lá tudo joga a favor do craque argentino. O Swansea não parece ter estofo para segurar um City oleado e confiante, com Agüero, De Bruyne e Sterling em forma, e mesmo a jornada seguinte colocará os citizens frente-a-frente com um Tottenham... sem Harry Kane. Ou nesta jornada ou na 8, mas Agüero tem que entrar nas vossas equipas.



Outras Opções:
- Guarda-Redes: Na baliza, Jordan Pickford (4.0) tem a seu favor o preço - alguns jogadores optarão por uma dupla económica como Pickford/ Jakupovic -, mas não se pode dizer que seja o guardião com maior potencial para garantir clean sheet nesta jornada 6. A não ser que Karius lhe roube a baliza, o que acreditamos que acabará por acontecer, Simon Mignolet (5.0) é um dos favoritos, saiba o Liverpool controlar as iniciativas de jogadores como Snodgrass e Hernández. Lloris ou Stekelenburg integram equipas favoritas à vitória, mas com adversários perigosos, e temos grande curiosidade para acompanhar o embate entre Shay Given (4.5) e Ben Foster (4.7).

- Defesas: Na defesa, seguindo o raciocínio que nos levou a escalar Mignolet, e depois de marcar em Stamford Bridge, confiamos no croata Dejan Lovren (4.9). Não se pode afirmar que a defesa do Liverpool esteja estável, mas o que é certo é que os reds estão em 6.º lugar mesmo tendo tido um conjunto inicial de jogos complicados, e poderão disparar a partir de agora.
    Os laterais-direitos Kyle Walker (5.8) e Seamus Coleman (5.4) são porta-estandartes daquilo que se quer num lateral - potencial para garantir pontos dos dois lados do campo - e há outro toffee, Ashley Williams (5.0), em relação ao qual temos elevadas expectativas nesta ronda.
    O já referido Koné, e jogadores como McAuley, Holebas e Valencia não devem ser ignorados.

- Médios: No meio da rua, é cada vez mais difícil não ter pelo menos um entre Raheem Sterling (8.4) e Kevin De Bruyne (10.8). O belga parece-nos uma escolha mais acertada, mas importa colocar na balança a diferença de preço. Os pontos do Liverpool tanto podem ir para Mané como para Coutinho, Firmino ou Lallana, e a ausência de Kane pode fazer jogadores como Christian Eriksen ou Son Heung-Min (7.4) subirem o seu nível e melhorarem a sua relação com a baliza. Sobre Capoue e Payet já falámos, sem esquecer Michail Antonio (7.3). Do Stoke-WBA aconselhamos monitorizar ou até mesmo arriscar em alguém entre Nacer Chadli (6.4) e Marko Arnautovic (7.3), embora o jogo possa ser bastante tímido em golos e oportunidades criadas.
    Do derby de Londres, emerge o chileno Alexis Sánchez (11.0) como a melhor, embora bastante dispendiosa, opção. Mas mesmo que Alexis não pontue já, atentem o calendário dos gunners a seguir: Burnley (fora), Swansea (casa), Middlesbrough (casa) e Sunderland (fora).

- Avançados: Acima de qualquer outro, Agüero. Mesmo jogando fora de portas. O bom momento de Romelu Lukaku (9.3) tem que ser tido em conta, ele que deve estar recuperado depois de uma pequena lesão que o forçou a sair do jogo com o Middlesbrough.
    Zlatan Ibrahimovic (11.8) já marcou ao Leicester esta época, Troy Deeney (6.9) e Ighalo tentarão superiorizar-se a Gray, Benteke será o jogador-alvo do Palace para pôr à prova a defesa do Sunderland, e Diego Costa tratará certamente de incendiar o jogo grande da jornada. Por bons ou maus motivos. Aconselhamos ainda especial atenção para Vincent Janssen (7.8). Não é 100% certa a titularidade do ponta-de-lança holandês, mas foi para momentos como este que o Tottenham o contratou ao AZ.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): Pickford; Lovren, Coleman, Walker; Capoue, De Bruyne, Antonio, Mané, Coutinho; Lukaku, Agüero

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Manchester United v Leicester City - Zlatan Ibrahimovic; Riyad Mahrez
Bournemouth v Everton - Romelu Lukaku; Ashley Williams
Liverpool v Hull City - Phillipe Coutinho; Sadio Mané
Middlesbrough v Tottenham - Kyle Walker; Son Heung-Min
Stoke City v West Brom - Nacer Chadli; Marko Arnautovic
Sunderland v Crystal Palace - Christian Benteke; Lamine Koné
Swansea v Manchester City - Kun Agüero; Kevin De Bruyne
Arsenal v Chelsea - Alexis Sánchez; Diego Costa
West Ham v Southampton - Michail Antonio; Charlie Austin
Burnley v Watford - Etienne Capoue; Troy Deeney

20 de setembro de 2016

Primeiras previsões para os Óscares 2017

Setembro já caminha para o fim, a cerimónia dos Emmys já aconteceu, e por isso paulatinamente começa a chegar a época do ano em que a televisão dá lugar ao Cinema.
    Como alguns saberão, é nossa tradição anual realizarmos previsões para os Óscares da Academia, numa contagem decrescente com mais do que uma fase antes dos nomeados serem anunciados oficialmente, e que termina numa previsão final em vésperas da cerimónia com os derradeiros palpites.
    Os Óscares de 2017 serão a 89.ª vez que a Academia entrega as suas célebres estatuetas douradas, num evento que ocorrerá a 26 de Fevereiro no Dolby Theatre (Los Angeles). Os nomeados são conhecidos a 24 de Janeiro, e o apresentador/ sucessor de Chris Rock ainda não é conhecido. Entre os nomes apontados, gostávamos de ver Louis C. K. a assumir o cargo, embora os rumores incluam também Kevin Hart, Kevin Spacey, Jimmy Kimmel, Ellen DeGeneres e algumas duplas como Key e Peele, Jimmy Fallon e Justin Timberlake, Stephen Colbert e Jon Stewart, Tina Fey e Amy Poehler ou Amy Schumer e Jennifer Lawrence.
    2016 foi o ano de DiCaprio, com Brie Larson, Alicia Vikander, Mark Rylance e Alejandro G. Iñárritu a fazerem companhia ao actor californiano, e 'Spotlight' a vencer Melhor Filme.
    Por esta altura, como perceberão abaixo, ainda é muito cedo para destacar favoritos, mas já há vários filmes a gerar bastante buzz e a iniciar modo campanha. Nomes como Amy Adams, Ryan Gosling, Emma Stone, Casey Affleck, Natalie Portman, Jake Gyllenhaal e Mahershala Ali já estão a orbitar um futuro dourado, num ano em que há trabalhos de realizadores consagrados como Scorsese, Ang Lee e Clint Eastwood, e novas etapas para alguns dos realizadores emergentes da actualidade - Denis Villeneuve, Jeff Nichols e o prodígio Damien Chazelle.
    Até para ser uma leitura mais suave, olhemos então apenas para 6 categorias: Melhor Filme, Melhor Actor, Melhor Actriz, Melhor Actor Secundário, Melhor Actriz Secundária e Melhor Realizador.


Melhor Filme

    Com a época de festivais a iniciar-se, é nesta fase que as coisas começam a ganhar forma. Sundance viu nascer Manchester by the Sea, em Venice foi a vez de La La Land apaixonar os sortudos espectadores, e entretanto também Moonlight (Telluride) e Jackie (Toronto) deram os primeiros passos no circuito.
    Na ausência dum favorito declarado, por esta análise ser tão precoce, faz sentido abordarmos um pouco vários filmes que cheiram a óscares. Silence, o novo projecto de Martin Scorsese com Andrew Garfield, Liam Neeson e Adam Driver como padres portugueses jesuítas, está ainda em pós-produção e por isso ainda ninguém pôs os olhos no novo "menino" do realizador de Taxi DriverGoodfellas, The Departed, Raging Bull The Wolf of Wall Street. Por falar em menino, Damien Chazelle - realizador de 31 anos, que escreveu e dirigiu Whiplash - está de regresso ao mundo das previsões para Óscar com 'La La Land' a prometer ser ainda (algo) mais do que os trailers têm mostrado. A história parece simples, um pianista de Jazz (Ryan Gosling) apaixona-se por uma aspirante a actriz (Emma Stone). Mas com Chazelle, visionário e com algo profundo a transmitir, há sempre mais camadas.
    Um dos êxitos prematuros desta fornada foi 'Manchester by the Sea', que parece ter tudo para nos desmanchar em emoções: Casey Affleck é forçado a tomar conta do seu sobrinho depois do pai deste, e irmão da personagem de Affleck, morrer. Nos últimos dias, 'Jackie' - que acompanha a primeira-dama Jacqueline Kennedy (Natalie Portman) depois da morte de JFK - tem começado a gerar opiniões bastante favoráveis, e essa boa receptividade tem tido também Arrival, que parte na pole position para ser o melhor sci-fi deste ano. Denis Villeneuve e Amy Adams são os nomes fortes a reter.
    Depois de alguns anos com polémicas raciais (#OscarsSoWhite) e perante as alterações implementadas no processo de voto, é perfeitamente natural que alguns filmes que gritem black power tenham o apoio que outros não tiveram. Nesse sentido, projectos como Moonlight, Loving, o remake de The Birth of a Nation, Fences e Hidden Figures poderão ganhar uma força diferente face às injustiças de outros anos. Deste lote, temos altíssimas expectativas para 'Moonlight', e 'Loving' junta ao já cotado Joel Edgerton 2 nomes com enorme potencial, a actriz Ruth Negga e o realizador Jeff Nichols. Já 'Fences' marca o regresso de Denzel Washington à cadeira de realizador, num ano em que por exemplo Ewan McGregor se estreia nessa função com 'American Pastoral'.
    Interessa ainda falar de Billy Lynn's Long Halftime Walk, novo filme de Ang Lee, que poderá trabalhar bem a diferença entre aquilo que é a guerra e a forma como ela é precepcionada de fora nos EUA, tudo isto pela perspectiva de um rapaz de 19 anos. E embora haja mais filmes interessantes como Lion, 20th Century Women, Passengers, A Monster Calls e Sully, este último realizado por Clint Eastwood e com Tom Hanks, importa sim relembrar que vem a caminho Nocturnal Animals, com Tom Ford a coordenar um elenco excelente com Amy Adams, Jake Gyllenhaal e Michael Shannon. Embora não tenham tanto potencial para óscar, pela nossa parte parece-nos que 'Captain Fantastic', 'Swiss Army Man', 'Paterson' e 'Una' são merecedores da vossa atenção.



Melhor Actor Principal

    Quem será o sucessor de Leonardo DiCaprio?
    Estamos convictos de que 2017 será um ano de viragem para Casey Affleck, valendo-lhe 'Manchester by the Sea' pelo menos uma nomeação. Ainda é muito cedo para antecipar o quinteto, mas nomes como Ryan Gosling (La La Land), Denzel Washington (Fences) e Jake Gyllenhaal (Nocturnal Animals) parecem ter boas hipóteses.
    Há ainda veteranos como Tom Hanks e Michael Keaton com 'Sully' e 'The Founder' respectivamente, vários actores à procura da 1.ª nomeação (Dev Patel, Joel Edgerton, Andrew Garfield, Adam Driver ou Ben Mendelsohn) e quase-completos rookies como Lewis McDougall e Joe Alwyn. De resto, a personagem de Viggo Mortensen em 'Captain Fantastic' parece-nos original e interessante, e veremos se Trevante Rhodes tem tempo de ecrã suficiente em 'Moonlight' parece ser visto como lead (há 3 actores a interpretarem a sua personagem, a principal, no decorrer da narrativa).


Melhor Actriz Principal

    Com 'Arrival' e 'Nocturnal Animals' é quase impossível imaginar um cenário em que Amy Adams não seja nomeada nos Óscares 2017. Com 5 nomeações (uma como principal, 4 como secundária) e zero estatuetas na sua estante em casa, será ela o DiCaprio versão 2017?
    A concorrência é, no entanto, bem apertada. As performances de Emma Stone (La La Land) e Natalie Portman (Jackie) poderão dificultar e muito a vida a Adams, juntando-se ainda à equação Viola Davis (Fences), Rebecca Hall (Christine) e Ruth Negga (Loving).
    Mas a coisa não fica por aqui, num ano em que poderemos ter um maior (e a alto nível) equilíbrio entre actrizes principais do que nos actores. As experimentadas Meryl Streep (Florence Foster Jenkins), Annette Benning (20th Century Women) e Isabelle Huppert (Elle) correm por fora, ou talvez não, e não seria sensato descurar nomes como Jessica Chastain, Emily Blunt, Jennifer Lawrence, Alicia Vikander, Marion Cotillard, Rooney Mara e Rachel Weisz quando todas estão envolvidas em projectos que podem funcionar.


Melhor Actor Secundário

    Mahershala Ali. Um actor conhecido para os fãs de 'House of Cards' pode ser uma das figuras da recta final de 2016. Porquê? Muito simples. Junta ao seu papel de antagonista em 'Luke Cage', série da Marvel-Netflix, o desempenho secundário em 'Moonlight', com um potencial para criar algo do nível que Idris Elba apresentou em 'Beasts of No Nation'.
    Numa categoria que, à partida, nos parece mais fraca do que em 2016 - um ano anormalmente lotado e extraordinário - a concorrência para Ali vai desde o jovem Lucas Hedges (o sobrinho de Affleck em 'Manchester by the Sea') ao senhor Steve Martin em 'Billy Lynn's Long Halftime Walk. Michael Shannon (coadjuvante de Amy Adams e Gyllenhaal em 'Nocturnal Animals'), Jeff Bridges (Hell or High Water), Stephen Henderson (Fences) terão uma palavra a dizer, Aaron Eckhart concorre tanto por 'Sully' como por 'Bleed for This' e logo veremos que importância é dada ao papel de John Goodman em '10 Cloverfield Lane', um dos primeiros bons desempenhos do ano.
    De 'Silence' há Liam Neeson, com certeza, e o lado emocional pode favorecer Alan Rickman na hora de votar, numa possível homenagem póstuma.


Melhor Actriz Secundária

    Seguindo a onda e fé em 'Moonlight', Naomie Harris parece ter boas condições para sonhar como mãe da personagem principal, numa categoria completamente em aberto. Michelle Williams (Manchester by the Sea) e Kristen Stewart (Billy Lynn's Long Halftime Walk) têm a seu favor o potencial conjunto dos filmes que integram, Aja Naomi King (uma cara conhecida para os fãs da série 'How to Get Away with Murder) pode ser a Lupita de 2017 com 'The Birth of a Nation', enquanto que a própria Lupita Nyong'o guarda legítimas aspirações graças a 'Queen of Katwe'.
    Helen Mirren (Eye in the Sky), as irmãs Dakota e Elle Fanning, com 'American Pastoral' e '20th Century Women' ou nomes queridos da Academia como Octavia Spencer e Laura Dern não devem ser ignorados. O papel de Julianne Moore em 'Maggie's Plan' é peculiar, Greta Gerwig é outra das actrizes para estarem atentos em '20th Century Women' e, por fim, Felicity Jones - em ano de 'Rogue One' - será a mãe com doença terminal do jovem Lewis McDougall em 'A Monster Calls'.


Melhor Realizador

    É desta que o canadiano Denis Villeneuve (Prisoners, Sicario) é nomeado pela Academia graças a 'Arrival'? Temos esperança que sim. Martin Scorsese (Silence) é um senhor num patamar diferente de todos os outros, mesmo de Clint Eastwood (Sully), e depois de ser escandalosamente ignorado quando realizou Whiplash, Damien Chazelle não deve escapar à Academia desta vez.
    Enquanto esperamos por desenvolvimentos e até vermos realmente a esmagadora maioria destes filmes, faz sentido referir apenas Kenneth Lonergan (Manchester by the Sea), Ang Lee (Billy Lynn's Long Halftime Walk) e Jeff Nichols (Loving) como potenciais nomeados. Temos curiosidade de perceber o que Morten Tyldum fará com Jennifer Lawrence e Chris Pratt em 'Passengers', e em termos de surpresas/ novidades, apostamos forte em Barry Jenkins (Moonlight) e num segundo plano em Pablo Larraín (Jackie), Tom Ford (Nocturnal Animals) e J.A. Bayona (A Monster Calls).



Vão-se preparando, e vendo alguns destes filmes à medida que forem colocados no Cinema. Nós aqui no Barba Por Fazer trataremos, como sempre, de actualizar e "afunilar" estas Previsões com o passar dos meses.



MELHOR FILME
La La Land, Manchester by the Sea, Silence, Arrival, Loving, Moonlight, Billy Lynn's Long Halftime Walk, Lion, Nocturnal Animals, Fences, 20th Century Women, Sully, Jackie, The Birth of a Nation, American Pastoral, A Monster Calls, Rules Don't Apply, Allied, The Founder, The Girl on the Train, Passengers, Hidden Figures, Collateral Beauty, Hacksaw Ridge, Queen of Katwe, A United Kingdom

MELHOR ACTOR
Casey Affleck (Manchester by the Sea), Ryan Gosling (La La Land), Jake Gyllenhaal (Nocturnal Animals), Joel Edgerton (Loving), Dev Patel (Lion), Tom Hanks (Sully), Denzel Washington (Fences), Michael Keaton (The Founder), Andrew Garfield (Silence), Lewis MacDougall (A Monster Calls), Will Smith (Collateral Beauty), Brad Pitt (Allied), Ethan Hawke (Born to Be Blue), Viggo Mortensen (Captain Fantastic), Adam Driver (Paterson), Joe Alwyn (Billy Lynn's Long Halftime Walk), Miles Teller (Bleed for This), Ben Mendelsohn (Una), Nate Parker (The Birth of a Nation)

MELHOR ACTRIZ
Emma Stone (La La Land), Amy Adams (Arrival; Nocturnal Animals), Natalie Portman (Jackie), Ruth Negga (Loving), Rebecca Hall (Christine), Viola Davis (Fences), Rooney Mara (Una), Meryl Streep (Florence Foster Jenkins), Annette Bening (20th Century Women), Emily Blunt (The Girl on the Train), Isabelle Huppert (Elle), Alicia Vikander (The Light Between Oceans), Marion Cotillard (Allied), Jessica Chastain (Miss Sloane), Rachel Weisz (Denial), Taraji P. Henson (Hidden Figures), Sally Field (Hello My Name is Doris), Jennifer Lawrence (Passengers)

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO
Mahershala Ali (Moonlight), Lucas Hedges (Manchester by the Sea), Michael Shannon (Nocturnal Animals), Liam Neeson (Silence), Aaron Eckhart (Sully; Bleed for This), Steve Martin (Billy Lynn's Long Halftime Walk), Jeff Bridges (Hell or High Water), Stephen Henderson (Fences), John Goodman (10 Cloverfield Lane), Hugh Grant (Florence Foster Jenkins), Warren Beatty (Rules Don't Apply), Peter Sarsgaard (Jackie), Armie Hammer (The Birth of a Nation), Ben Foster (Hell or High Water), Riz Ahmed (Una), Andre Holland (Moonlight), Alan Rickman (Eye in the Sky)

MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA
Naomie Harris (Moonlight), Lupita Nyong'o (Queen of Katwe), Felicity Jones (A Monster Calls), Michelle Williams (Manchester by the Sea), Helen Mirren (Eye in the Sky), Aja Naomi King (The Birth of a Nation), Carmen Ejogo (Born to be Blue), Kristen Stewart (Billy Lynn's Long Halftime Walk), Molly Shannon (Other People), Dakota Fanning (American Pastoral), Greta Gerwig (20th Century Women), Julianne Moore (Maggie's Plan), Elle Fanning (20th Century Women), Octavia Spencer (Hidden Figures), Margo Martindale (The Hollars), Laura Linney (Nocturnal Animals), Laura Dern (The Founder), Rachel Weisz (The Light Between Oceans)

MELHOR REALIZADOR
Damien Chazelle (La La Land), Denis Villeneuve (Arrival), Martin Scorsese (Silence), Kenneth Lonergan (Manchester by the Sea), Barry Jenkins (Moonlight), Jeff Nichols (Loving), Clint Eastwood (Sully), Tom Ford (Nocturnal Animals), Ang Lee (Billy Lynn's Long Halftime Walk), J.A. Bayona (A Monster Calls), Denzel Washington (Fences), Warren Beatty (Rules Don't Apply), Morten Tyldum (Passengers), Robert Zemeckis (Allied), Garth Davis (Lion), Pablo Larraín (Jackie), Nate Parker (The Birth of a Nation), Mike Mills (20th Century Women)

16 de setembro de 2016

Dicas Fantasy Premier League - Jornada 5

Começa já hoje a quinta jornada da Barclays Premier League, num conjunto de três dias que arrancará com o jogo grande da ronda - Chelsea versus Liverpool.
    Quem diria, no começo da temporada, que finda a 4.ª jornada os 2 jogadores com maior pontuação no Fantasy seriam Michail Antonio (31 pontos) e, acima dele... Etienne Capoue, com uns espectaculares 34 pontos. O médio francês do Watford, avaliado em 4.8 actualmente, tinha apenas 1 golo e uma assistência em três épocas de Premier League, mas nesta já leva 3 golos, uma assistência e 8 pontos de Bónus. Não sendo um médio que apareça muitas vezes em zonas de finalização - não se pode comparar os indícios que Mahrez deixou no início de 15/ 16 com este caso - a verdade é que começa a ser proibido deixá-lo no banco, com a sua confiança e um excelente calendário pós-United a poderem significar mais pontos. As dinâmicas do actual 3-5-2 de Mazzarri contribuem e muito para esta explosão de Capoue, uma vez que tanto ele como Pereyra acabam por gozar de bastante liberdade para se envolverem na construção e aproximarem-se dos terrenos de Deeney e Ighalo.
    Ainda sem Agüero, os dilemas no ataque são muitos. Zlatan é Zlatan, Diego Costa está em grande forma, e Lukaku decidiu acordar no momento certo, com um hat-trick à velocidade da luz. Olhando para a tabela aquilo que vemos é justiça com o Manchester City de Guardiola 100% vitorioso, isto depois de um derby de Manchester onde os citizens dominaram o grande rival e controlaram o miolo com grande classe (Pogba andou perdido, e completamente desligado de Fellaini; Fernandinho, Silva e sobretudo De Bruyne brilharam). Ainda no Top-3, o Chelsea de Conte perdeu os primeiros pontos da época, e o Everton junta-se à festa num excelente arranque com Koeman, que se pode prolongar durante algumas jornadas. Basta olharmos para o calendário de Lukaku, Baines, Barkley e companhia.
    Nesta jornada como já dissemos o jogo grande coloca frente-a-frente Chelsea e Liverpool, com Hazard e Diego Costa a serem os principais activos da equipa da casa, na qual David Luiz deve substituir John Terry. O jogo prevê-se entusiasmante uma vez que o Liverpool de Klopp tem por hábito fazer uma gracinha nos jogos grandes, com 4 jogadores de meio-campo a espalharem o terror com as suas movimentações - Firmino, Mané, Coutinho e Lallana. Acreditamos que o City, mesmo sem Agüero (aquele hat-trick na Champions serviu para nos relembrarmos do seu valor) ultrapassará com alguns golos o Bournemouth, enquanto que o Arsenal deverá ter uma missão mais difícil em casa do Hull. O Watford-Manchester United não se prevê fácil para Mourinho, numa jornada em que Tottenham e Leicester são claramente favoritos nos seus jogos.
    Por fim, olhando para a última jornada, Son Heung-Min foi a grande surpresa com 19 pontos (máximo de época, até agora). O sul-coreano do Tottenham fez mais pontos do que Lukaku (hat-trick ao Sunderland, 17 pts), numa jornada particularmente feliz para De Bruyne, Firmino, Capoue, Antonio ou Diego Costa. Nos nossos 5 principais palpites há uma semana atrás falámos de Lukaku, Snodgrass, Antonio e Adam Smith, pelo que só a referência a Alexis Sánchez foi um tiro ao lado.
(Podem-se juntar à Liga Barba Por Fazer: Código - 2518758-588128)


As nossas apostas para a 5.ª jornada são:

Kevin De Bruyne - Manchester City - 10.5
    Demorou um pouco a soltar-se, mas por algum motivo na Antevisão da Premier League 16/ 17 o considerámos um dos principais candidatos a MVP da época. O belga que Mourinho não quis foi, de longe, o melhor em campo no derby de Manchester, explorando os espaços entre linhas para surgir a criar oportunidades e a finalizar.
    Mesmo ainda sem Agüero, a dinâmica ofensiva do City já apresenta rotinas e muito trabalho de casa, e diante do Bournemouth o trio Iheanacho, Sterling e De Bruyne deve chegar para provocar uma valente dor de cabeça aos cherries. A qualidade do elenco de Guardiola é evidente - sem Agüero, e com Silva em dúvida, Pep tem ainda assim Nolito e passou recentemente a contar com Sané e Gündogan. Um luxo.
    Com 1 golo e 3 assistências, KDB promete continuar a acumular pontos. E, a continuar assim, pode tornar-se em Outubro um dos jogadores obrigatórios neste Fantasy. Menos de 10% de jogadores contam com os seus serviços, o que faz dele um dos melhores diferenciais do jogo por esta altura.


Christian Eriksen - Tottenham - 8.4
    Se nos pedirem para indicarmos apenas 1 jogador para ter do Tottenham, será Kyle Walker. No entanto, e considerando que Kane ainda não disparou (existindo, ainda por cima, um vasto conjunto de soluções para Avançado), quem quiser apostar no meio-campo do Tottenham não deve ir a correr atrás do fantástico desempenho de Son. Christian Eriksen é quem merece o voto de confiança.
    O dinamarquês, que renovou recentemente com o clube londrino, não tem os pontos de Lamela e Son, mas é um dos ímans de pontos nos spurs, pela quantidade de vezes que procura ser o dono do último passe. Numa época em que Dele Alli tem desapontado, basta recordar que Eriksen (24 anos de idade) alcançou 162 pontos em 14/ 15 e 178 pts em 15/ 16.
    As duas assistências na goleada de 4-0 do Tottenham no Britannia foram apenas uma amostra da qualidade do 23, que poderá castigar um Sunderland à procura de recuperar da goleada imposta pelo Everton.


Christian Benteke - Crystal Palace - 7.5
    Não tem muito que saber. Quem quiser um super-ataque, com o regresso de Agüero ver-se-á obrigado a preterir 1 entre Agüero, Lukaku, Ibrahimovic e Diego Costa. No entanto, e perante o que isso significaria em termos de meio-campo, Benteke é porventura o melhor dos avançados abaixo de 8.0.
    O ponta-de-lança belga, que se estreou a marcar na vitória em casa do Middlesbrough, defronta esta ronda um Stoke City que mora no último lugar, e que já sofreu 10 golos em 4 jogos.
    O raciocínio é simples: o Stoke é uma das equipas que mais oportunidades concede aos adversários, o Palace é uma das equipas que mais cruzamentos faz, e Benteke um dos jogadores mais letais no jogo aéreo. Shawcross terá uma tarde de Domingo complicada, e pode acontecer que haja um penalty para percebermos se Benteke passará também a ser o marcador das águias britânicas. Caso Cabaye não esteja em campo, aí sim, parece indiscutível que terá esse estatuto.
    O calendário do Crystal Palace não é fácil daqui a duas jornadas, pelo que até lá cabe a Benteke justificar o seu lugar nos nossos plantéis e conseguir embalar em termos de confiança.
       

Diego Costa - Chelsea - 9.9
    Custa menos 2.0 e tem apenas menos 2 pontos do que Zlatan Ibrahimovic. O polémico Diego Costa tem sido um dos principais destaques ofensivos deste início de Premier League, como se pode ver pelos golos marcados - 4, que lhe dão o estatuto de melhor marcador em conjunto com Ibrahimovic e Michail Antonio.
    O jogo com o Liverpool prevê-se difícil, mas é bastante provável que haja golos dos dois lados. O Liverpool deve apostar na velocidade e mobilidade da sua frente de ataque, mas é difícil acreditar que a defesa dos reds consiga suster as iniciativas de Hazard e Costa.
    Seja como for, Diego Costa (já viu 3 cartões amarelos) tem marcado ou assistido sempre em todos os jogos disputados, e mesmo tendo Arsenal, Leicester e Manchester United no conjunto das 4 jornadas seguintes, nada deve abalar o hispano-brasileiro.


Leighton Baines - Everton - 5.5
    Ele está de volta. Quem já anda no Fantasy há muito tempo terá consciência das épocas memoráveis que Baines já realizou (178 em 2010/ 11, 177 em 2012/ 13, 169 em 2013/ 14) com uma regularidade assombrosa, assente no facto de ser um jogador que decide quase sempre bem, e que reúne enorme "respeito" no campeonato, o que lhe confere mais 1 ou 2 segundos e espaço para pensar, porque ninguém entra à queima para lhe roubar o esférico. Um pouco como acontece com Silva ou Cazorla.
    Neste arranque, Baines já somou 7 e 8 pontos nos dois últimos jogos, e a sequência vindoura parece indicar que bons pontos estão a caminho. A chegada de Ashley Williams significou automaticamente a chegada de clean sheets, e no esquema de Koeman, Baines e Coleman devem somar boas pontuações, numa fase em que Lukaku é a escolha prioritária nos toffees, embora haja ainda Barkley, Mirallas ou Bolasie.



Outras Opções:
- Guarda-Redes: Entre os postes, parece-nos que as opções mais seguras para esta jornada são Kasper Schmeichel (5.0) e Hugo Lloris (5.4). Leicester e Tottenham devem dominar os seus respectivos encontros, e poderão conter as iniciativas de Burnley e Sunderland.
    Naturalmente, há ainda Claudio Bravo (5.5), cuja estreia "tremida" não o afasta das nossas preferências, e no capítulo dos guardiões mais baratos o francês Steve Mandanda (4.5) é a melhor opção disponível.

- Defesas: Na defesa, já mencionámos Leighton Baines, e é impossível não referir também o defesa que mais pontos tem nesta altura - Kyle Walker (5.7). O lateral-direito do Tottenham é uma locomotiva com pulmão para dar e vender, e a sequência 6-7-1-11 é demonstrativa do potencial de retorno do internacional inglês.
    John Stones (5.0) continua a ser um defesa com um preço incrível, e o City vai começar a somar clean sheets mais cedo ou mais tarde; e de resto não devem excluir Virgil van Dijk (5.4), Christian Fuchs (5.4) e Scott Dann (5.5).

- Médios: Entre médios, não só De Bruyne nos parece interessante no City mas também Raheem Sterling (8.3), e desde que Alexis Sánchez (11.0) seja titular, podem-se esperar pontos do chileno. E tudo indica que estará no onze. Etienne Capoue (4.8) tem um registo bom demais para não se dar o benefício da dúvida, e o bis de Riyad Mahrez (9.4) diante do Club Brugge foi um bom lembrete para o nível que o argelino continua a apresentar, quando inspirado.
    Eden Hazard (10.3) medirá forças contra Coutinho, Lallana, Firmino e Sadio Mané (8.9), e o West Brom terá pela frente Antonio e Payet, os principais candidatos do hammers a destruirem a muralha de Pulis. Tadic, Bolasie, Snodgrass e Townsend são alguns jogadores, menos fiáveis ainda assim, para ter também em atenção.

- Avançados: Falámos de Diego Costa e Benteke, mas a nossa escolha nº 1 para esta jornada é Romelu Lukaku (9.2). O avançado do Everton, ao longo dos últimos anos de Fantasy, tem-se caracterizado pela irregularidade e por "enganar" sistematicamente quem acredita nele, mas os números levam-nos a apostar no belga, depois deste colocar para trás um longo período sem fazer o gosto ao pé.
    Claro está que Zlatan Ibrahimovic (11.9) continua a ser obrigatório (a partir da jornada 8 o caso pode mudar de figura), Jamie Vardy (9.9) será um diabo à solta contra o Burnley, tudo isto sem esquecer o impacto que Kane pode voltar a ter, bem como Kelechi Iheanacho (7.0), para quem queira uma aposta de uma só jornada. O rácio de golos/ minutos do nigeriano é... extraordinário.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

11 (3-5-2): Mandanda; Stones, Baines, Walker; Sánchez, Capoue, Mahrez, De Bruyne, Sterling; Lukaku, Ibrahimovic

Atenção a (Clássico; Diferencial):
Chelsea v Liverpool - Eden Hazard; Sadio Mané
Hull City v Arsenal - Alexis Sánchez; Robert Snodgrass
Leicester City v Burnley - Riyad Mahrez; Jamie Vardy
Manchester City v Bournemouth - Kevin De Bruyne; Kelechi Iheanacho
West Brom v West Ham - Michail Antonio; Dimitri Payet
Everton v Middlesbrough - Romelu Lukaku; Yannick Bolasie
Watford v Manchester United - Zlatan Ibrahimovic; Etienne Capoue
Crystal Palace v Stoke City - Christian Benteke; Scott Dann
Southampton v Swansea - Dusan Tadic; Virgil van Dijk
Tottenham v Sunderland - Kyle Walker; Christian Eriksen