Óscares Barba Por Fazer 2017

A equipa do BPF elegeu os melhores do ano. Nos nossos Óscares há justiça para 'Nocturnal Animals', 'I, Daniel Blake', Mackenzie Davis, Aaron Taylor-Johnson, Rebeca Hall ou Amy Adams, e muitos elogios para Damien Chazelle e Casey Affleck

E os Óscares 2017 foram para...

Numa noite em que La La Land ganhou 6 óscares, o último e mais importante foi para Moonlight com golpe de teatro pelo meio. Damien Chazelle, Casey Affleck, Emma Stone, Mahershala Ali e Viola Davis não esquecerão este ano

Crítica: Moonlight

Eleito Melhor Filme pela Academia, Moonlight consegue, com uma beleza rara, um trabalho de câmara e um elenco extraordinário, colocar no ecrã o tempo que demoramos a descobrir que somos, e a aceitar e abraçar isso mesmo. O filme de Barry Jenkins é uma peça universal, humana e poética, fragmentada em 3 partes (criança, adolescente e adulto).

Balanço Liga NOS 16/ 17

Um Benfica de luxo à procura do inédito tetra, um Porto que defende como ninguém mas ao qual faltam golos e um Sporting em crise. Esta é a nossa análise a meio de um campeonato com o Minho em força e Chaves a surpreender

25 Novas Séries a Não Perder em 2017

Vem aí guerra entre Netflix, FX e HBO. O novo ano traz a série de Tom Hardy e do seu pai, uma baseada em livros de J.K. Rowling, outra produzida por David Fincher e outra com Idris Elba. Punisher ganha independência, e o criador de Fargo trata da chegada de Legion. E o melhor é que há muito mais.

31 de maio de 2011

Do Céu ao Inferno (22 a 29 de Maio)


                Em tempo de campanha eleitoral em Portugal, Paulo Portas é o mais experiente. A sua empatia com o povo português é notável. É o candidato que melhor sabe lidar com o povo, sem sombra de dúvida.
                No desporto temos novamente um Barça demolidor. O clube catalão venceu por 3-1 a Liga dos Campeões frente ao Manchester United. A melhor equipa do mundo da actualidade vai agora disputar a Supertaça Europeia com o FC Porto. Por aqui deseja-se que os catalães continuem a carregar no acelerador, pelo menos contra o clube português.
                Destacamos ainda a rede social Facebook. A empresa criada por Mark Zuckerberg foi muito útil ao fazer justiça num caso de violência entre jovens, em Portugal. Embora muito por culpa da burrice de um dos intervenientes que colocou o vídeo na rede social.
                O Último a Sair merece estar nos destaques positivos desta semana. O projecto de Bruno Nogueira está a fazer sucesso na televisão portuguesa. O programa que visa satirizar os reality shows, escrito por Bruno Nogueira, Frederico Pombares e João Quadros, está a trazer para a TV portuguesa um novo tipo de humor.

 
                Nesta última semana, não tivemos novamente grandes destaques merecedores da nossa reprovação. O mais sonante foi a violência entre jovens. Nesta semana, andou a correr por todo o Facebook, um vídeo de duas jovens de 16 e 15 anos a agredir uma de 13 brutalmente. A violência sempre esteve presente nas ruas. Pode ser que agora a polícia portuguesa esteja mais atenta a estes casos.
                Pela segunda vez consecutiva nos destaques negativos temos Garcia Pereira. Nós não gostamos da cara do senhor, é um facto. Mas este senhor quer que o seu partido, o PCTP/MRPP, possa debater com todos os outros partidos, o que faria com que ele tivesse mais tempo de antena que todos. Tão imparcial este senhor. E mais, acusou as principais forças políticas representadas no parlamento de estarem com medo de debater com o seu partido. Que modesto. E também um pouco infantil. Normalmente, quando uma criança rejeita algo, a outra diz logo: «Tens é miáufa!!».

29 de maio de 2011

Sardinhas, Bailaricos, Beijinhos e até política

Paulo Portas: “Deixem-me provar a minha sardinha” – uma afirmação que consegue resumir bem o significado de campanha eleitoral em Portugal.

Se eu fosse candidato a primeiro-ministro, tinha passado Março e Abril inteiros no ginásio. Andar quilómetros e quilómetros, dançar com dezenas e dezenas de senhoras, comer farnéis e farnéis – tudo, por um voto. Parece-me pertinente o político português passar pelo menos 2/3 meses antes da campanha sempre a “encher”, para ficar em forma para a maratona política.
De resto, a participação dos políticos nas corridas da ponte 25 de Abril, etc. tem realmente lógica. Não se trata de ficar bem na fotografia, é sim uma espécie de pré-época para a campanha eleitoral.

Iniciou-se no dia 22 de Maio a campanha eleitoral. Terminará a 3 de Junho. Gosto sempre de ver as diferenças entre um político sem estar ainda em campanha e quando já está. Basicamente, antes de campanha fala por enigmas que nós temos que descodificar e quando o fazemos compreendemos que ele nos está a pedir o voto, que é o que em plena campanha eleitoral ele já diz com todos os dentes. É um pouco como no Harry Potter, ele nunca fala do Voldemort. É o Quem-nós-sabemos. Na política portuguesa, o verdadeiro nome do Quem-nós-sabemos também começa por V, chama-se voto.

Estamos agora na altura em que passa o Tempo de Antena de Campanha Eleitoral para a Assembleia da República. É sempre uma altura triste para muitas crianças e adolescentes porque os Morangos com Açúcar, na TVI, passam a ter uma duração menor. No entanto, a trama é essencialmente a mesma. A Joana era delegada de turma há já bastante tempo, mas só andava a fazer coisas más às amigas e na escola. As colegas de turma juntaram-se todas e decidiram que a iriam destituir. Ela agora pede desculpa. Porém, há uma diferença significativa. Aqui, não há amigas a traírem os namorados com os namorados das outras, e no fim da história nos últimos anos têm sido os maus da fita a ficarem bem. Nos Morangos o mau ou morre, ou torna-se bom. Ou fica maluco. Se não é assim nos Morangos, é assim nas outras telenovelas portuguesas todas.

Ao assistir ao Tempo de Antena notei em algumas coisas.
O Bloco de Esquerda tem o melhor conjunto de curtas-metragens, analisando do ponto de vista da criatividade da sua equipa de Publicidade/ Marketing.
 Também pude reparar no tempo de antena do Partido Socialista. Dizem mais vezes a palavra PSD do que a palavra PS, o que é interessante. Pedro Passos Coelho deve-se sentir lisonjeado. O PS devia ir ao psicólogo, ou não tem nada para dizer sobre si, ou está a ficar um bocadinho obcecado.
Ainda há o PND (Partido Nova Democracia): um partido que cortou as pernas ao publicar o seu tempo de antena. De resto, este partido já foi posto em tribunal pelas imagens que apresenta no tempo de antena. Suponho que tenha sido o líder do partido a pôr o responsável pela campanha televisiva em tribunal.
Por fim, o PAN. Um partido que quando se analisa o programa eleitoral não tem propostas assim tão descabidas mas, neste caso, a capa do livro hipoteca as hipóteses das pessoas o abrirem para lerem. PAN (Partido pelos Animais e pela Natureza) ou, numa acepção mais fácil e popular “O Partido dos Animais”. Esta conotação não ajuda em nada o Sr. Paulo Borges (que parece o Poupas ou a Leopoldina, uma ave portanto), a sua equipa e os seus cartazes com animaizinhos em origami. Eu, sinceramente, quando ouvi falar deste partido pela 1ª vez, imaginei que o objectivo deles seria transformar o parlamento numa espécie de Jumanji (filme). Imagino um hipopótamo como novo Jaime Gama (peço desculpa se te ofendi Jaime) e vários animais engravatados a discutir. Não estou a insultar os senhores políticos, mas imagino que os consensos a que iriam chegar seriam mais ou menos os mesmos. Aliás, a selva é um ecossistema com um funcionamento muito auto-suficiente e bem estruturado pela Mãe-Natureza e pelos impulsos inscritos no código genético dos animais, portanto talvez até funcionasse melhor. Mas não, não vou votar PAN. (Para quem já não se lembra Pan era também a neta do Songoku no Dragon Ball GT).

Na internet podemos acompanhar: a campanha ao minuto. Podemos aí encontrar bonitas frases, tais como:
               
PSD dá tréguas à carne assada e opta por servir hoje ao almoço, em Penafiel, aos cerca de 3500 comensais rojões, um prato típico minhoto.” – Mais uma frase, como a de Portas no início desta crónica, que traduz o período eleitoral português.

“Passos chega com uma hora de atraso e improvisa um minicomício em Amarante.” – a improvisação de minicomícios devia ser feita sob a forma de rap. Ficava bem, acho eu. E quando líderes políticos se encontrassem na mesma rua, fazia-se uma battle.

“PSD: Chove em Penafiel.”;
“PSD: Chove muito, mesmo muito em Penafiel” – o PSD faz tudo. Até de serviço de meteorologia.

“Pescadores de Matosinhos oferecem leme a Sócrates para liderar país.” – Os pescadores… pescam. Pois, é isso. Nunca os imaginei uns visionários políticos nem extraordinários sábios, portanto compreende-se.

“PS: Ou me engano muito ou vai chover não tarda nada.” – O PS também percebe de meteorologia. É pena. O governo é em Lisboa, não é nas nuvens. Às vezes é nas nuvens que esta gente parece andar toda, mas deixam-nos a todos com os pés bem assentes na terra e quase sem conseguir olhar para cima.

“Uma peixeira para Portas em Leiria: “é melhor do que o Tony Carreira"” – julgo que este seja o maior elogio que uma peixeira consegue fazer a alguém. Nessa peixeira, mora um voto no CDS-PP. Cheira-me que esta é das que vai à Avenida da Liberdade gritar pelo Tony. Esse “grande cantor”.
“Portas já visitou dois mercados e uma feira”. Toma lá, 3-0 para o Portas. A campanha eleitoral também parece por vezes um peddy-paper, quem conseguir ir a mais estações e ter melhores resultados nos jogos tradicionais ganha.

“PS: Pavilhão repleto dança ao som de YMCA.” – Qual o meu espanto quando eles já admitem à vista de todos as preferências “musicais” do seu líder… A bandeira do PS podia passar a ser um arco-íris.

“Fábio Coentrão junta-se a Sócrates em Caxinas” – Fábio, eu respeito-te tanto, mas nesta armaste-te em Figo. Uma coisa é certa, dizes que o Benfica fez de ti homem. Duvido que alguém faça do José homem (e não me estou a referir ao José Castelo Branco).

Paulo Portas: “Como dizia Kennedy, não te pergunto donde vens. Pergunto-te o que queres fazer”. Paulo, a frase de Kennedy é: “Ask not what your country can do for you. Ask what you can do for your country”. Parece-me uma tradução mal feita Paulo.

Numa coisa concordo com Francisco Louçã, porque o homem de vez em quando lá dá uso ao cérebro que tem (no qual vislumbro qualidade cognitiva normalmente mal empregue):

“A abstenção e o voto em branco são desistir do país”.


Dia 4 de Junho é dia de reflexão. Aquele dia em que ninguém pode pedir votos nem dizer os nomes dos partidos. Um dia para pensar. Aqui no Garganta Funda esse dia vai ser… diferente.
MP

Uma resposta a altura


Como muitos sabem, Pedro Passos Coelho criticou as Novas Oportunidades dizendo que era um certificado de ignorância. A maioria dos alunos sentiu-se atacada com estas afirmações do líder do PSD. Não entendo a razão. Na minha opinião, as Novas Oportunidades não servem rigorosamente para nada. Concordo que se devem dar oportunidades a quem não as teve para estudar, mas têm que se dar oportunidades a sério. O conceito das NO só existe para enganar a população portuguesa. Obviamente que depois aparecem pessoas como a senhora presente no vídeo (em cima) que se enchem de "bazófia" por serem os melhores no curso. Ela atirou esse facto à cara de Passos Coelho e este respondeu à letra: «Espero que o seu curso lhe sirva para muito». Serve para lhe preencher o ego e pouco mais, diria. Não quero estar a desmoralizar, mas se esta senhora experimentar estudar a sério, como todos os jovens, vai ver que nota a diferença. Sócrates não é engenheiro mas tem o título de engenheiro, então, oferece o 12º ano a todos os que não têm o 12º ano. Eu não aprecio falar com pessoas burras que têm a mania que tudo sabem e muito menos gostaria de viver num país de ignorantes. TM

28 de maio de 2011

Garganta Afinada. Top 20 ( nº 12 )

 



1. John Lennon - Imagine
2. Air Traffic - No More Running Away
3. Evanescence - You
4. Pearl Jam - Unthought Known
5. Bernard Fanning - Watch Over Me
6. Paolo Nutini - These Streets
7. Rise Against - Everchanging (Acoustic)
8. Xutos e Pontapés - O Homem do Leme
9. Puddle of Mudd - Blurry
10. REM - Imitation of Life
11. Di-rect - Blind For You
12. Da Weasel - Força
13. Goo Goo Dolls - Notbroken
14. Red Hot Chili Peppers - Californication
15. Box Car Racer - There Is
16. Fuel - Daniel
17. Dredg - Matroshka
18. Dandy Warhols - Bohemian Like You
19. POD - Goodbye For Now
20. Tara Perdida - 30 Dias
Aceitamos sugestões de músicas para os próximos tops. Abraços e beijinhos

A culpa? É da mãe do “Febras”

                 Começo pelo título. Eu sei que não é “Febras” (como se pensava inicialmente), mas sim “Fernaz”. Mas “Febras” soa melhor para o título. Não acham? Eu acho.
                Neste texto, irei utilizar alguns eufemismos. Não imensos, mas sim entre poucos e muitos. Isto porque não quero que fique um texto muito ofensivo. Para isso já existem as páginas do Facebook.

                Praticamente toda a gente já viu o vídeo em que uma jovem de 13 anos é agredida por duas de 15 e 16 anos. Vamos analisar o vídeo? Vamos.
A vítima está acompanhada por uma “amiga” que nada fez durante o espancamento. Porque é que meti aspas na palavra amiga? Porque é assim que a moça se denomina e para não lhe chamar coisas feias. Como se costuma dizer – Com amigos assim, ninguém precisa de inimigos.
O indivíduo por trás da câmera está absolutamente fascinado com a situação. A sua excitação vai crescendo com a violência. Penso estar correcto se disser que não possui um grande quociente de inteligência. Desde o acto de estar a filmar até à sua excitação imensa. Se ainda fosse uma luta na lama entre raparigas, até percebia. Mas não é. Como tal, ultrapassa o meu limite do ridículo. O mesmo comentário merece o outro jovem que filmava e que aparece no vídeo. Um digno “pintarolas” que filmava tudo sempre com muito estilo. Um “pintarolas” não se pode dar ao luxo de perder a “pausa”. Este, porém, não teceu comentários (pelo menos que tenham sido audíveis), mas também não deixa de ter um quociente de inteligência bastante baixo.
Também temos presente um outro indivíduo que é digno de uma beleza renascentista, um ser que não tem distúrbios alimentares, com uma estrutura óssea larga, na verdade… é um jovem que está uns centímetros abaixo do que deveria ser. O robusto. O robusto está a assistir a tudo entusiasmado mas sempre com “pausa”. O robusto, ao ser filmado, meteu as mãos nos bolsos para tornar o seu momento de antena estiloso. O robusto, como não poderia deixar de ser, também ele tem um raciocínio lerdo.
Depois temos o “Mankas”, o ser que mais mostrou a cara. O “Mankas” é o de camisola amarela. O “Mankas” é desprovido de beleza e tem uma voz que MP imaginava que os flamingos Fêmea teriam se falassem (uma voz bastante desnivelada). O “Mankas” mandou muitos bitaites dignos da sua baixa capacidade intelectual e a isso juntou risos e soltou toda a sua excitação com o momento. O “Mankas” tem ar de ser como Agonia e Pânico no filme «Hércules», da Disney. Estão sempre a dizer coisas não raramente disparatadas e são fisicamente agredidos pelos mais “poderosos”.
Finalmente chegamos às agressoras. Poderiam ser musas de Picasso devido ao desprovimento de beleza. Actuaram pior que duas peixeiras, com todo o devido respeito a elas (às peixeiras, obviamente). O estilo da profissão mais antiga do mundo estava presente em ambas. A cobardia, essa nem se fala. Uma jovem de 13 a ser agredida por duas de 15 e 16 parece-me completamente desonesto e causa-me nojo. Se, por ventura lhes acontecer o mesmo, não terei pena.

Tudo isto se sucedeu porque a vítima disse que a mãe do Febras (“Fernaz”) é uma porca. Ora bem… Se a mãe do Febras for tão bela quanto a mãe do Rodolfo (cameraman) declaro a afirmação como válida. Mesmo que não fosse, as agressões não se justificam. Para mim, as agressões só são justificadas quando praticadas em quem sente prazer em praticar o mal. Uma simples conversa com esses seres não serve. O facto de não possuírem massa cinzenta dificulta o diálogo, pelo que é necessário responder da mesma forma que eles. Reparem que temos de tratar estes seres abaixo de animais. Até com um cão conseguimos corrigir vocalmente. Pode parecer que estou a ser moralmente incorrecto, mas pensem se esta situação se passasse com um vosso familiar. Se a justiça não actuasse, ficariam de braços cruzados? Palpito que não.

A história não acabou aqui. Existiu um pós-porrada na rede social mais conhecida do mundo – o Facebook. Durante o vídeo, Rodolfo disse “Isto vai p’ró facebook mano!”, num tom bastante excitado. Rodolfo cumpriu. E provavelmente também agora cumprirá alguns anos na prisão.
Nos comentários ao vídeo, uma rapariga disse que o vídeo estava a dar na televisão. O robusto não acreditou e ligou a televisão. O robusto, possivelmente teve um mini ataque de coração naquele momento. Eis que ele comenta o vídeo dizendo: “MHA MANO APAGA ESTA M*RDA DE AQUI, FAST FAST FAST !!” – Então, robusto? Os pausados não têm medo. Não entendo essa atitude. O que também não entendo é o teu dialecto. É estranho.
Posteriormente, numa outra conversa, um rapaz alertou os menos inteligentes e presentes no vídeo que não estariam em bons lençóis. O robusto tratou de responder: “achas meu pt? Np tá td na descontra. Só o Rodolfo é q tem q se safar e eu tou aqui pa ajudar” – Assim sim, robusto! Postura de pausado. Sem medo de nada. Tu estás tranquilo. O que foi apanhado pela polícia e que é um dos teus melhores amigos é que tem de se safar… sozinho. Tu ajudas fazendo uns «cafunés» e dizendo “Força”. O teu dialecto continua de difícil compreensão. Se és português, sugiro que tentes falar… português. Não é difícil e chega a ser divertido.
A agressora e musa de Picasso, de 16 anos, também escreveu na rede social. Primeiramente escreveu: “Eu so queria dizer q ela mereceu, e amanha leva mais xD aquilo foi so um aquecimento pra nós!” - Ora aí está uma atitude digna de uma senhora. O que não compreendo é que há uns dias atrás ela tenha dito para o Correio da Manhã: “Queria pedir desculpa à Filipa, mas com esta confusão ainda não consegui. Sei que as coisas não se resolvem com violência.” – Estou confuso. Para além de ter o estilo da profissão mais antiga do mundo, também não é muito coerente. Mas ainda soltou mais afirmações no Facebook: “lololol so pra dizer que fazia tudo outra vez E ELA LEVOU POUCAS! XD E podem guardar as ameaças.. ate a televisão disse que não nos ia acontecer nada” – Novamente a ausência de arrependimento. Um português mal escrito, mas sempre menos mau que o do robusto. Também presente está a descontracção e a certeza que nada lhe irá acontecer. Fez-me lembrar o Simba, n’O Rei Leão, quando disse «Eu rio-me face ao perigo! Ah ah ah!». Pois bem, agressora mais idosa, a verdade é que foste detida no dia 27 de Maio. Mas tudo bem. Muita gente mente para si própria para ser feliz. Mentiste-te e foste feliz… pelo menos durante uns poucos dias.

Este caso não é único. Acontece imensas vezes no nosso dia-a-dia. O mediatismo deu-se por causa da inteligência do cameraman que meteu o vídeo no Facebook. Houvesse inteligentes como o Rodolfo em todos os casos de violência que a Justiça portuguesa agradecia.
Esta, infelizmente, é a nossa sociedade. Muita gente com bons valores, mas há uma minoria que teima em não mudar. Nessa minoria estão os “Mitras”. Esses seres que em nada contribuem para a sociedade. Eu não designo por “Mitras” todos aqueles que residem em bairros sociais. Eu designo por “Mitras”, aqueles indivíduos que sentem prazer em praticar a violência, o roubo e o vandalismo. Um país sem “Mitras” era muito agradável, mas julgo não ser possível. Não compreendo o que vai na mente destes seres para terem prazer no que fazem. Pensem! Utilizem o que resta dos vossos miolos. Dêem uso à massa cinzenta. Amedrontam a vida, maioritariamente, dos mais novos. O que é que de bom isso tem? Deixem de ser ridículos e estudem/trabalhem como pessoas normais. Relacionem-se como pessoas normais. Deixem de ser um dos podres da nossa sociedade. TM

26 de maio de 2011

Garganta Cinéfila

The Prestige (2006)

Realizador: Christopher Nolan
Elenco: Hugh Jackman, Christian Bale, Scarlett Johansson, Michael Caine
Classificação IMDb: 8.4
             
            The Prestige ("O Terceiro Passo") é um filme sobre magia, sobre dois homens que queriam ser melhores um que o outro, sobre ilusão, sobre obsessão e sobre a necessidade de olhar muito bem porque, afinal de contas, "o essencial é invisível aos olhos". Em mais um grande filme de Christopher Nolan (a par com Memento um filme ao qual é normalmente dado pouco crédito e que merecia muito mais), surge-nos a rivalidade entre dois mágicos: Robert Angier (Hugh Jackman) e Alfred Borden (Christian Bale). A acção passa-se em Londres, no final do século XIX, quando os mágicos eram ídolos. Angier é sofisticado, tem o dom do espectáculo. Borden, por sua vez, não dá espectáculo e é menos elaborado. Mas tem mais talento. Faz magia. Pura.   
             
             Em The Prestige, Nolan faz-nos acompanhar a evolução duma relação e duma rivalidade entre Angier e Borden. No início, colaboravam um com o outro. Certo dia, um truque corre mal e tornam-se inimigos, desejando apenas o fim um do outro, mantendo viva a obsessão por serem sempre melhores. Cada truque tem que superar o do outro, cada espectáculo tem que ser melhor, até que os limites desaparecem. Este filme, que acaba por misturar a magia com a ciência (surgindo Nikola Tesla como um inovador e brilhante cientista capaz de adornar a magia de Angier) revela-nos um mundo fascinante onde, por entre choques e revelações, são postos em causa os limites mais obscuros da fé, da confiança e do possível. Nolan mostra-nos, através dum argumento excepcionalmente bem construído (como é habitual nos seus filmes) que devemos estar atentos a todos os pormenores e que a magia não tem limites temporais e racionais.
Um filme que nos faz questionar quão longe alguém iria para se dedicar à sua arte, mantendo presente uma incessante obsessão, tendo coadjuvantes a “natureza do engano” e a "ciência como magia". Porque, na verdade, quando nós vemos um mágico a actuar, nós não queremos realmente desvendar o truque. Queremos ser enganados.
            
           Por fim vos digo, o maior mágico é aquele que não vive sem a magia. Mas que sabe que a magia pode viver sem ele. E que até da morte podemos fazer vida, se toda a nossa vida for um simples número de magia bem montado. O sacrifício é o preço a pagar pelo maior truque de todos os tempos. O filme é, no final de contas, esse mesmo truque. A maior magia é aquela que é real. MP
                       
Citações do filme:

"Every great magic trick consists of three parts or acts. The first part is called "The Pledge". The magician shows you something ordinary: a deck of cards, a bird or a man. He shows you this object. Perhaps he asks you to inspect it to see if it is indeed real, unaltered, normal. But of course... it probably isn't. The second act is called "The Turn". The magician takes the ordinary something and makes it do something extraordinary. Now you're looking for the secret... but you won't find it, because of course you're not really looking. You don't really want to know. You want to be fooled. But you wouldn't clap yet. Because making something disappear isn't enough; you have to bring it back. That's why every magic trick has a third act, the hardest part, the part we call "The Prestige"."

"Now you're looking for the secret. But you won't find it because of course, you're not really looking. You don't really want to work it out. You want to be fooled."

"Never show anyone. They'll beg you and they'll flatter you for the secret, but as soon as you give it up... you'll be nothing to them."

"Are you watching closely?"

"He lives his act."

Trailer Aqui

Paranoid Park (2007)


Realizador: Gus Van Sant
Elenco: Gabe Nevins, Daniel Liu, Taylor Momsen
Classificação IMDb: 6.9

            Paranoid Park – Um filme sem actores de renome e com uma história sem grandes tramas mas bastante complexa. O realizador, esse é o mesmo que em Good Will Hunting e Milk – Gus Van Sant. Com escassos recursos conseguiu fazer um bom filme, na minha modesta opinião.
            Alex é um comum e jovem skater com uma vida também ela banal. Mas tudo muda quando ele e o melhor amigo decidem ir ao maior skatepark da cidade, denominado Paranoid Park. Alex conhece lá um grupo de amigos e aceita a proposta de um deles para andar à boleia num comboio de mercadoria. Estava tudo bem até aparecer um guarda-nocturno que tentou tirá-los do comboio com o seu cassetete. Para se defender, o jovem usou o skate que acabou por fazer o guarda cair e consequentemente ser atropelado pelo comboio. Alex ficou em estado de choque e vai para casa sem contar o sucedido a ninguém. O objectivo dele era esquecer aquele episódio, mas isso não foi possível. O caso da morte “mistério” percorria toda e imprensa e fez-se mesmo um inquérito na escola para tentar arrancar informações sobre a morte do guarda-nocturno.
            O intuito do filme é fazer-nos pensar até que ponto conseguimos esconder algo extremamente negativo de tudo e todos. Conseguimos nós lidar com toda a pressão exercida sobre nós e até mesmo com a nossa própria consciência? Até que ponto aguentamos psicologicamente sem contar nada? Terá Alex conseguido guardar o sucedido para ele e ter seguido com a sua vida normalmente? Algumas destas respostas estão no filme que vos aconselho. Quanto às outras, pensem nelas e procurem responder com base na vossa personalidade. TM

Citações do filme:
I just feel like there's something outside of normal life. Outside of teachers, breakups, girlfriends. Like, right out there, like outside - there's like different levels of... stuff.” 

Trailer Aqui

25 de maio de 2011

Garganta Afinada. Top 20 ( nº 11 )

 



1. Alter Bridge - Watch Over You
2. Aerosmith - I Don't Wanna Miss A Thing
3. Nirvana - Where Did You Sleep Last Night
4. Pearl Jam - Just Breathe
5. Mayday Parade - Three Cheers For Five Years
6. Infinities End - Wasted Tomorrow
7. My Chemical Romance - I Don't Love You
8. Blink 182 - I'm Lost Without You
9. Dan Black ft. Kid Cudi - Symphonies
10. Whitley - Cheap Clothes
11. Tiago Bettencourt - O Lugar
12. Metallica - Nothing Else Matters
13. Bloc Party - This Modern Love
14. Bob Marley - Redemption Song
15. Linkin Park - Waiting For The End
16. Fonzie - A Tua Imagem
17. Olly Murs - Thinking of Me
18. Slightly Stoopid - Wiseman
19. Mumm-Ra - She's Got You High
20. Blind Zero - The Tallest Building on Earth
Aceitamos sugestões de músicas para os próximos tops. Abraços e beijinhos

24 de maio de 2011

Do Céu ao Inferno (15 a 22 de Maio)


Esta semana o Futebol Clube do Porto conquistou (infelizmente para mim) mais duas taças e faz assim um total de quatro taças numa época, fruto do bom trabalho de André Villas-Boas. Falcao marcou o golo solitário dos dragões na final da Liga Europa e cada vez mais prova ser um dos melhores da actualidade na sua posição. Por sua vez, James Rodriguez assinou um dos poucos hatricks que existem na História da Taça de Portugal com a preciosa ajuda de Hulk, que também fez um óptimo jogo.
          Mas o Sporting Clube de Braga também merece um destaque especial. Bateu-se muito bem contra este Porto, na final da Liga Europa, que decidiu entregar o jogo aos minhotos. A falta de eficácia dos guerreiros acabou por dar a vitória aos azuis e brancos.
        Em Espanha, Cristiano Ronaldo continua a fazer História. Tornou-se, na última jornada, o melhor marcador da História da Liga Espanhola, numa só época, com 40 golos.
Muita gente não o esperava mas Passos ganhou mesmo o debate a José Sócrates. Grande parte dos comentadores políticos no pós-debate revelaram-se surpreendidos com a prestação do líder social-democrata, tendo considerado clara a vitória de Pedro Passos Coelho. Confiante, seguro e assertivo como nunca. Foi considerado o melhor debate de Passos de sempre (foi o 6º, mas o mais importante).


    Não há dias perfeitos. Talvez os haja, pronto. Mas semanas perfeitas duvido muito. E a imperfeição é gerada por figuras que se destacam pela negativa. Na sexta-feira, o primeiro-ministro demissionário José Sócrates foi derrotado por Pedro Passos Coelho no debate entre ambos, transmitido na RTP. A derrota do líder socialista não é, naturalmente, o destaque negativo. Sócrates destaca-se pela negativa dada a sua prestação e postura no debate, desde a nulidade de propostas do programa do PS que apresentou, até à forma como funcionou como moderador (muito fraca a presença de Vítor Gonçalves) e inquisidor de Passos Coelho (que lhe respondeu a tudo), ao invés de ter ele sim respondido às muitas questões que lhe deviam ter sido feitas. Sócrates é a cabeça responsável pelo estado do país. E a ideia que tenta vender (pela repetição) é obviamente outra. Ficava-lhe bem assumir os seus erros. Mas a expressão "assumir um erro" não cabe na mente distorcida e arrogante do primeiro-ministro demissionário. Todos os ciclos têm um início e um fim. Nunca se deseja o fim dum ciclo positivo. Mas não é esse o caso.
             O outro destaque que fazemos pela negativa, nesta semana, é António Garcia Pereira. Surgirá nos boletins de voto no dia 5 de Junho o partido PCTP/MRPP. Mas o que nos interessa é que o líder do PCTP/MRPP é Garcia Pereira. Porquê é que ele figura como destaque negativo da semana? É simples. Não gostamos da cara dele. E José Manuel Coelho concordará, certamente, connosco.

21 de maio de 2011

Garganta Afinada. Top 20 ( nº 10 )

 



1. City and Colour ft. Gordon Downie - Sleeping Sickness
2. Bush - Glycerine
3. Muse - Starlight
4. Eminem - Space Bound
5. Foo Fighters - Times Like These (Acoustic)
6. Seether ft. Amy Lee - Broken
7. Howie Day - Collide
8. Goo Goo Dolls - Name
9. Tracy Chapman - Fast Car
10. Creed - Don't Stop Dancing (Acoustic)
11. Damien Rice - The Blower's Daughter
12. Boss Ac - Que Deus?
13. Kings of Leon - The End
14. Eddie Vedder - Throw Your Arms Around Me
15. South - A Place in Displacement
16. Sia - Breathe Me
17. Fingertips - Simple Words
18. Millencolin - The Ballad
19. Jack Johnson - If I Had Eyes
20. Aurea - Busy (for me)
Aceitamos sugestões de músicas para os próximos tops. Abraços e beijinhos

Olá Porto


Ganhaste outra vez.
Boa. Bom para ti Porto.
Ah e tal, o Porto é Portugal e então é bom para o futebol português... Não sinto isso. E o Rolando não sente Portugal como seu país, porque preferiu mostrar ao mundo a bandeira de Cabo Verde. Já bastava ter aquela cara de girafa esmagada. O Benfica não chegou à final e portanto iniciei o jogo sentindo-me neutro. No entanto, à medida que o jogo decorria senti-me a torcer pelo Braga. Sabes porquê Porto? Porque se eu for a Braga e pedir fruta dão-me um limão ou uma maçã. Mas um limão ou uma maçã mesmo. Não há cá códigos. E depois porque, indo ao youtube, não consigo saber o caminho para casa do presidente do Braga. Já de ti, Porto, não posso dizer o mesmo.
Ouço muitos portistas dizerem que ficam mais felizes com as derrotas do Benfica do que com as vitórias do Porto. Mas acho que percebo. Os teus adeptos acham que as tuas vitórias não são reais, Porto. Já toparam como funciona. Então preferem festejar as derrotas do Benfica. Que são pura e crua realidade, sem esquemas, sem truques. Isso faz-me gostar ainda menos de ti Porto. É isso e aquele cântico que vocês têm, em que se referem ao Benfica sem qualquer tipo de amizade para connosco. E cantam isso num Porto-Rio Ave ou num Porto-Marítimo quando estão a ganhar. Penso que é quando se sentem na apoteose, libertam a sua excitação lembrando sempre quem é o maior clube português. Fica-vos bem, nesse aspecto. Nós não pensamos muito em vocês quando ganhamos.
Outra coisa, Porto, que te faz ser um bocado feio é o animal que te representa ser um dragão. Mas deixa-me que te diga, tem tudo a ver contigo. O Benfica tem uma águia, e ela até costumava voar por lá a acenar a toda a gente, até mamar o bife. Dizem que ela vai voltar. Espero que sim porque juntamente com o hino arrepia. É grandeza que nunca terás/ compreenderás, Porto. Adiante. O Sporting tem um leão, não o passeia pelo recinto mas pelo menos é um animal que toda a gente reconhece nos programas do National Geographic. Até porque muita garra não combina com Alvalade. Mas tu, Porto, tu tens um animal diferente. Um dragão. Um animal que... não existe. Um animal envolto de penumbra, de obscuridade, como tantos dos teus títulos. Ainda por cima, um animal a que se associa maioritariamente o mal.
Dito isto, gostava de em vez de terem feito o “Como Treinares o teu Dragão” terem ensinado à justiça portuguesa “Como mandares o teu Dragão para a Prisão”. A Juventus, a Lázio, a Fiorentina e o Boavista foram todos condenados por corrupção e desceram de divisão. Tu não porquê? És um menino especial não és Porto? Diferente.
Este ano jogaste melhor à bola Porto. Lá isso é verdade. Mas nem sempre tem sido assim. E por isso mesmo, julgo ser compreensível o que sinto por ti.
Toda a realidade portista se assemelha ao número de magia dum ilusionista. Vemo-lo no palco, com zonas iluminadas e outras escuras, sempre com várias mulheres para distraírem o espectador e de repente a cartola (entenda-se baliza) vazia passa a ter um coelho (entenda-se golo).
Justiça, honestidade, nobreza de carácter, respeito, transparência, verdade: palavras que nunca associarei a ti Porto.


Olá Falcao,

“Benfica: Falcao por detalhes
A transferência de Falcão, internacional colombiano do River Plate, parece estar agora dependente de comissões e percentagens a serem pagas ao clube de formação do atleta.” 30 de Junho de 2009

"A Sport Lisboa e Benfica - Futebol, SAD informa que deixou de ter interesse no jogador Radamel Falcao, que representa o River Plate, da Argentina." 7 de Julho de 2009

Ganhaste.
Boa. Bom para ti. Podias era estar no lugar do Cardozo. O Benfica descobriu-te bem, mas foi tão tenrinho ao não ter libertado mais uns euros. O ano passado terias marcado 60 golos com a ofensiva que o Benfica tinha. Agora vai-te embora do Porto, se faz favor. Respeito-te muito e mereces mais. E ainda por cima deves ser casado. E o Porto é um clube perigoso para os homens que são casados. É como no programa dos Gordos da Sic, há muitas “tentações”.

Olá Hulk,

Estás bom?
No outro fui ao Fun Center do Colombo. E vi uma daquelas maquinetas em que se coloca uma luva na mão e se dá um murro num saco com toda a força. E aquilo mede a força e tudo. Lembrei-me de ti. E do romeno também. Vá-se lá saber porquê.

Olá Moutinho,

Ganhaste. Estava difícil.
  

Fui ao teu site, Porto. Não percebo como a firewall não o bloqueia como conteúdo impróprio. Sempre julguei o site do Porto como um site de pornografia. No sector das modalidades não encontrei o golfe. Estranho...
Porto, parabéns pela Liga Europa, já agora.
E tenho uma novidade para ti. Por muito que ganhes, nunca atingirás a grandeza do Benfica. Não se explica, sente-se. Vive-se. MP

Antecipação do Fim do Mundo

                Estava eu a navegar na internet, e deparo-me com uma notícia do Jornal Sol que dizia que o Fim do Mundo foi antecipado para dia 21 de Maio de 2011! A notícia era de Janeiro mas, de qualquer modo, podiam fazê-la circular mais, não é? Se não chegou mais cedo a mim, é normal que não tenha chegado a mais. Então uma pessoa combina coisas para Sábado à noite e depois depara-se com isto!
                Esta notícia teve origem no movimento cristão Family Radio Worldwide, que prevê a subida aos céus das boas almas e os restantes ficam cá para passar períodos de tormento até ao fim dos tempos. Pois é, meus amigos… Agora só subirá quem estiver na Guest List do céu. Posso até comparar o céu com a discoteca Lux – a maior parte fica à porta.
                Como já sei que vou ficar por cá derivado ao facto da minha alma não ser «grande espingarda», se calhar vou começar a juntar dinheiro para ir para Cape Town, na África do Sul. Quem já viu o 2012 sabe do que falo. Cape Town não será uma área afectada segundo especialistas. Já dizia o povo - «Fia-te na virgem e não corras…». Eu vou lá para os montes em Cape Town, que até gosto de viver. Passa-se bem vivo, até.
                Outra solução é ir para a Costa da Caparica. Alugam uma barraquita a um pescador e passam lá o resto dos dias. Mas tentem fazer com que só paguem de três em três meses. Assim há menor probabilidade de pagarem o arrendamento. Quando o tsunami chegar, vocês mergulham por baixo da onda. Vão ver que corre bem. Já experimentei com ondas grandes e funcionou. Tenham apenas cuidado com os fundões porque existem muitos. Depois andam lá felizes a celebrar a vida e de um momento para o outro ficam sem pé, engolem três pirolitos e falecem…
                O que é que se conclui com o Fim do Mundo? Conclui-se que a fama subiu à cabeça de Deus. «Ah e tal, agora vou acabar com o mundo. Apetece-me.» Francamente, senhor Deus… Um Deus tão humilde em tempos passados e agora que está na ribalta, já tem caprichos. E ainda por cima reserva a casa para os amigos! Os outros que se lixem, não é? Churrascada lá no céu (daí se preverem nuvens para os dias vindouros) para as “almas boas” e os outros que levem com calhaus, lava e ondas grandes. “Almas boas”, é? Quem são essas almas boas? Calculo que sejam a Adriana Lima, Scarlett Johansson, Megan Fox, Mila Kunis, Katy Perry, Cheryl Cole, Irina Shayk, Sara Carbonero e, quiçá, a “Pomba Gira” Linda Reis… Para contrastar e para levar Deus para outro imaginário, como diria Bruno Nogueira.
                Esta notícia não vem de todo a calhar. Eu que já tinha comprado um bilhete para o concerto dos Bon Jovi e agora posso vir a ficar a arder… Sim, porque Deus é que decide quando é que acaba o mundo. Pode ser nos próximos dias ou apenas para o ano. O menino é que manda… Aposto que em criança, quando brincava com os outros meninos, ele é que ditava as regras e inventa sempre “coitos” para se safar.
                Amanhã, todos estarão ansiosos para saber se são os escolhidos de Deus. Pela primeira vez, vamo-nos sentir como jogadores de futebol à espera da convocação do mister Deus. Esperemos que escolha os melhores e não por interesses de empresários, como sempre.
                Espero que haja muita gente com uma alma má para eu continuar a ter leitores, que são para cima de um. Eu continuarei a escrever porque optarei pela minha teoria… Vou para a Costa da Caparica. TM

19 de maio de 2011

Garganta Cinéfila

(500) Days of Summer (2009)

Realizador: Marc Webb
Elenco: Joseph Gordon-Levitt, Zooey Deschanel
Classificação IMDb: 8.0
             
          
           “This is not a love story. This is a story about love” – esta frase traduz na perfeição o filme de que vos falo hoje. É descrito como uma comédia romântica sobre uma rapariga que não acreditava que o amor existia, e sobre o rapaz que se apaixona por ela. Vi este filme há não muito tempo e considero-o uma das melhores comédias românticas do Cinema, senão a melhor. Não é a típica comédia romântica cliché que um dia integrará a grelha da SIC num domingo à tarde.
           Pela cabeça de Marc Webb, e muito graças ao talento dum actor promissor (Joseph Gordon-Levitt) chega-nos um filme graficamente diferente, com um argumento cativante e bem montado (de Scott Neustadter e Michael H. Weber) e uma excelente banda sonora, com algumas semelhanças com a do filme Juno. O filme aborda a vida, as relações homem-mulher, as diferenças entre o homem e a mulher, a evolução/desgaste duma relação com o tempo e a forma como nem sempre duas pessoas sentem o mesmo ou querem o mesmo para o seu futuro. Todos estes tópicos sustentados em analepses e prolepses. 
           O filme acaba por evoluir de uma simples comédia romântica para um retrato da nossa vida e da mente humana (preferencialmente masculina). O momento no comboio, em fim de tarde, ao som de “The Temper Trap – Sweet Disposition” é dos momentos mais genuínos do Cinema recente. É, sem dúvida, um dos filmes dos últimos anos que demonstram maior criatividade e que consegue fazer a diferença na sua simplicidade, honestidade e em momentos puros, tantas vezes representativos do mundo real. Sempre acompanhados pela música certa. 
           Um filme que é arte pura, aliando à 7ª arte outros tipos de arte: Desenho, Arquitectura, Música e Fotografia. MP
   
Citações do filme:
"There's only two kinds of people in the world. There's women, and there's men."
"Most days of the year are unremarkable. They begin, and they end, with no lasting memories made in between. Most days have no impact on the course of a life."
"I love how she makes me feel, like anything's possible, or like life is worth it."
"Robin is better than the girl of my dreams. She's real."
"This is lies. We are liars. Think about it. Why do people buy cards? It's not because they want to say how they feel. People buy cards because they can't say they feel or are afraid to. And we provide the service that let's them off the hook. You know what? I say to hell with it. Let's level with America. Or at least let them speak for themselves. Right?"


Trailer Aqui

Law Abiding Citizen (2009)



Realizador: F. Gary Gray
Elenco: Gerard Butler, Jamie Foxx, Leslie Bibb
Classificação IMDb: 7.2
                       
            Em que situações somos capazes de quebrar todos os nossos valores? Ir contra tudo aquilo que achávamos ser correcto? São poucas, mas a que envolve este argumento escrito por Kurt Wimmer é uma delas.
            Os homens mais temidos são aqueles que nada têm a perder – Clyde Shelton é um deles. Clyde era um cidadão comum e exemplar até ter sido obrigado a assistir ao assassinato brutal da sua mulher e da sua filha. Perdeu a sua família e, quase, o seu motivo de viver. Ainda existia algo que o fazia querer estar vivo. Um dos assassinos teve uma pena leve e passado 10 anos foi libertado. Clyde Shelton não se resignou e, já que a justiça não se fazia judicialmente, decidiu fazê-lo pelas suas próprias mãos. Matou o assassino e declarou-se friamente culpado. No entanto, a história não acaba aqui. Ainda lançou um aviso ao procurador que tomou conta do caso – Nick Rice. Ou compunha o sistema de justiça que falhou com a sua família, ou as pessoas importantes que fizeram parte do processo iriam morrer.
        Um grande Drama e Thriller que nos mantém agarrados ao ecrã do início ao fim. Este filme leva-nos a pensar numa situação bastante complexa. Seria alguém, no seu perfeito juízo, capaz de matar outra pessoa? Julgo que não. Mas se fossem nestas condições? Conseguiríamos viver tranquilamente sabendo que o assassino da nossa família estava à solta? Por muito que seja moralmente incorrecto, na minha opinião e neste caso específico, a justiça deve ser feita através da vingança.
Um destaque especial para o actor Gerard Butler. Uma interpretação brilhante do Escocês, sem dúvida, das melhores da sua carreira. TM

Citações do filme:
“Clyde Shelton: You're the one who makes deals with murders yea? Well I've come to make mine. Release me.
Nick Rice: Or what?
Clyde Shelton: Or I kill everyone.”
“Nick Rice: You think your wife and daughter would feel good about you killing in their name?
Clyde Shelton: My wife and daughter can't feel anything. They're dead.”

Trailer Aqui